Paulo Dentinho

"Angola é nossa". Angola é deles

"Angola é nossa", a música acompanhava as palavras de Salazar e o início da resposta à luta dos angolanos contra a colonização portuguesa. E lá fomos, de armas na mão, iludindo-nos em cantos e risos, para uma guerra que não era nossa. Era deles. Sendo que a deles chegou quando nós saímos.

E não era bem a deles, era a daqueles que os usaram (e já os estavam a usar quando ainda nós lá estávamos) para definir quem manda no mundo. Mas o mundo mudou. E eles também.

Tentaram a paz e voltaram à guerra. Mataram e foram mortos. Compraram a paz como tinham comprado a guerra. Privatizaram o país. Para alguns. Têm corrupção e abusam dela. Têm restrições na imprensa. Há alguns poucos muito ricos e muitos muito pobres. Têm deficiências brutais na saúde. Vivem há anos da renda do petróleo.

Mas são um país novo. Dar-lhes lições do alto da cátedra de quem se acha legitimado por séculos de história, numa Europa com ministros corruptos, com pressões inacreditáveis sobre a imprensa (Hungria, Polónia - e estou apenas a ser simpático), com crescentes assimetrias entre os mais ricos e os mais pobres (crise financeira e crise das dívidas soberanas assim o atesta), parece-me de um enorme eurocentrismo.

Angola é deles. E ainda bem.

A informação mais vista

+ Em Foco

"Governar Portugal", sustentou o novo líder social-democrata no discurso de encerramento do 37.º Congresso do PSD, passa por "ter as pessoas como centro e razão da ação".

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Foram sinalizados casos de mutilação genital numa escola da Baixa da Banheira. Uma associação trabalha com turmas. Ainda há rapazes que defendem a "submissão" como "saudável".

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.