Teresa Nicolau

"E porquê, filha? Porque me apaixonei pelo som, mamã"

Esta semana comemora-se o Dia do Autor Português. A Sociedade Portuguesa de Autores convida-nos a celebrar aquelas pessoas que abdicam de tudo. Para fazerem do mundo um lugar verdadeiro. Esta crónica carrega uma grande tristeza. E uma franca esperança.

São apenas dez minutos. Pensei neste tempo preciso quando percebo diariamente que os autores e os artistas em Portugal são tão pouco valorizados. A explicação está na educação. Porque ninguém os conhece, não há conversas de café sobre o Croft ou o Sarmento, a Pauliana e a Tatiana, que exposição mais bonita é aquela ou que vitória incrível é a música da Marta e o piano do Júlio, as palavras cantadas do Sérgio e os poemas de Sophia. Ninguém os conhece. Por culpa nossa. Nós, jornalistas, nós, decisores. Nós que nos conformamos.

O jornalismo anda agarrado à net. Ao imediatismo, à pressa, à correria do primeiro lugar em número de clicks. Perde-se a capacidade, a distância, a inteligência. Quando esta semana a morte de Svetlana Alexievch foi noticiada em alertas de vários órgãos de comunicação social, houve um que fez a coisa mais simples do mundo: telefonou à Nobel da Literatura 2015. Estava tão viva, que até atendeu a chamada. E os primeiros alertas (só recebi alertas de órgãos de comunicação social portugueses, tenho a dizer) tiveram de ser desmentidos. E o jornalismo matou-se. Mais um bocadinho.

Anda a morrer, todos os dias. Com este frenesim que nada é, com a pressão diária sobre os jornalistas em fazer mais em quantidade. A frase “arranja uma solução” é o desespero quando isso significa mais trabalho e não mais tempo. Mais e mais. Sem tempo para o pensamento. E se o jornalismo está a morrer, significa que a democracia está a perder. A conta, se é por números que o mundo se quer reger, a conta da Liberdade está a dever. Em banca rota, falência total, por um jornalismo que deixou de defender as pessoas, a edução, os artistas. E as crianças. O melhor do mundo que são as crianças, dizia o Fernando e que nós abandonámos à violência das imagens do tal click, à falta de educação da história, da liberdade, da beleza e da cidadania. Só conta o presente, só conta o imediato. A desmemória, a desmemória é crime. Que acontece todos os dias. Nas escolas. Nas redações. Como diz outro Fernando, neste caso, o Rosas: “na actual sociedade portuguesa, se desenvolvem as “tentativas de reinterpretação” (…). A primeira (…) foi a “desmemória” criada pelos media, pela escola e as novas tecnologias, que criam um ambiente de “presente contínuo”, que significa “uma forma de manipulação da memória” (…) “Uma espécie de amoralismo paralisante” (…)”.

E é por isso que os bons também partem. Desistem. Porque a luta continua, sim senhor, mas os bons que também são pessoas. E ficam cansados. Tão cansados. Fartam-se do que nada significa, do que se embandeira num arco, do que é apenas reclame luminoso, dessa acha para a fogueira que queima honras e tantas outras legitimidades. Porque ao verdadeiro jornalista não é a ambição que o move. É a missão. E isso está a perder-se. E é nessa tristeza que tanto vivo.

E são os artistas que todos os dias me salvam (e alguns preciosos camaradas que trabalham comigo). A sorte que é trabalhar com estas pessoas, pessoas que se movem não pela tal ambição mas por uma generosidade e uma coragem que me servem de exemplo. Continuar para lhes dar o lugar certo, a memória registada, o presente resistente. Todos os dias me salvam. Todos os dias, trabalho para os celebrar.

Mas temos de ir para lá desta espuma, para lá desta luta. E lembrando outra vez o Fernando: “Mas o melhor do mundo são as crianças”, bastariam dez minutos por semana. E os milhares de crianças do país, durante dez minutos por semana, ouviriam um professor/um educador falar de um autor português. Dez minutos que seriam utilizados para dizer quem é a Paula, o Zé Pedro, a Helena, o Hélder e a Ângela e o Rui. E depois levariam para casa a memória. Se funcionaria? Tenho essa maravilhosa lembrança de uma professora da minha filha, que um dia deu à turma a ouvir um concerto de flauta. No mesmo dia, pediu-me para aprender música e especificamente flauta transversal. Perguntei-lhe onde tinha ouvido falar desse instrumento. Que a professora Teresa lhe tinha explicado e que queria mesmo aprender. “E porquê, filha? Porque me apaixonei pelo som, mamã”.

A informação mais vista

+ Em Foco

Veja ou reveja aqui os debates na RTP com os candidatos às presidências das câmaras municipais das 18 capitais de distrito de Portugal Continental. A série é transmitida até 14 de setembro.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A Antena 1 fixa o país em duas dezenas de retratos no caminho para as eleições autárquicas.

      Sem possibilidade de receber os ordenados em euros ou de pagar as contas em Portugal, muitos recorrem ao mercado negro para trocar dinheiro.

      É portuguesa a única equipa do mundo que faz o despiste genético de cancro do estômago. Os investigadores viram agora renovado o financiamento.