Viriato Teles

O Brasil já está a arder?

É inevitável olhar para o incêndio que destruiu o Museu Nacional do Rio de Janeiro como uma dolorosa metáfora do Brasil moderno. Se no primeiro os brasileiros perderam uma parte substancial da memória do passado, com o fogo que hoje consome o «país do carnaval» é o futuro que está em risco.


Não sei se, como discutem as redes sociais e alguns comentadores, o atentado a Jair Bolsonaro foi real ou uma encenação. Não seria a primeira vez, e no continente americano abundam os exemplos de falsas ou pelo menos duvidosas agressões – desde o Maine às Torres Gémeas – que se revelaram muito úteis para justificar investidas bem maiores feitas a seguir.

Seja como for, o atentado em si é o que menos importa. No limite, podemos dizer que Bolsonaro, o maior defensor da liberalização do uso de armas, se limitou a provar do seu próprio veneno: não há, na política brasileira, outro tão assumidamente racista e xenófobo, e todo o discurso do próprio e da campanha que o promove é um permanente incitamento ao ódio e à vingança.

Verdadeiro ou falso, o atentado a Bolsonaro poderá ainda assim reflectir-se – contra ou a favor dele – nas eleições do próximo mês. Não tanto por uma qualquer «onda solidária», que o candidato da extrema-direita brasileira dificilmente poderia suscitar, mas sobretudo pela profunda divisão instalada na sociedade brasileira desde o golpe político-jurídico que derrubou Dilma. E que o episódio da putativa facada poderá acentuar, com efeitos eleitorais imprevisíveis.

O problema do Brasil de hoje, é que já ninguém acredita em ninguém. A primeira eleição de Lula, em 2002, aconteceu como resultado do enorme cansaço dos brasileiros face aos governos do «sistema» que se alternavam no poder desde a restauração da democracia. A década seguinte foi a mais esperançosa da história do Brasil, apesar de algumas inconsistentes alianças, actos e hesitações da governação. O êxito do Brasil foi o êxito de Lula, para o bem e para o mal.

Mas 15 anos de poder transformaram também o PT, que acabou por revelar-se permeável a alguns dos pecados de que sempre tinha acusado os outros. Não espanta por isso que, sem o fundador (que ainda personifica para muitos eleitores pobres o melhor tempo da vida deles), o partido surja aos olhos de muitos brasileiros como apenas mais um, afinal também ele integrado num sistema onde a corrupção, a intriga e os interesses instalados se tornaram tão óbvios, que já nem ele próprio – o sistema – se preocupa em disfarçá-los.

Tudo isto, à mistura com um sistema judicial fortemente politizado e estruturalmente conservador, levou o Brasil para a beira do abismo em que se encontra. A farsa que foi a tomada do poder por Temer, primeiro, e o afastamento de Lula da corrida eleitoral, depois, só não descredibilizam a justiça brasileira porque ela já não tem nenhum crédito interno ou externo.

É perante esta situação de cepticismo generalizado que o Brasil corre o risco de eleger o primeiro presidente neofascista deste século na América do Sul. E, se tal acontecer, o incêndio do Museu Nacional vai parecer uma brincadeira de meninos ao pé da queima que se adivinha.

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.