Alcochete. Nove dos 23 arguidos decidiram falar em tribunal

| País

Um dos elementos detidos na terça-feira após os incidentes ocorridos na Academia de Alcochete, com agressões aos futebolistas do Sporting, à chegada ao Tribunal Criminal do Barreiro
|

Nove dos 23 arguidos pelos incidentes ocorridos na terça-feira na Academia de futebol do Sporting decidiram prestar declarações, informou hoje o tribunal do Barreiro.

Numa nota distribuída à comunicação social, o juízo de instrução criminal do Barreiro adianta que um dos detidos já foi ouvido durante a manhã, antes da suspensão dos trabalhos.

Pedro Madureira, advogado de vários arguidos, admitiu que "a acusação está a ser feita de forma genérica em relação a todos os arguidos" e disse não acreditar que "existam indícios suficientes para todos os crimes de que estão indiciados, nomeadamente o de terrorismo".

Na terça-feira, cerca de 50 pessoas, de cara tapada, alegadamente adeptos `leoninos`, invadiram a Academia de Alcochete e, depois de terem percorrido os relvados, chegaram ao balneário da equipa principal, agredindo vários jogadores, entre os quais Bas Dost, Acuña, Rui Patrício, William Carvalho, Battaglia e Misic, o treinador Jorge Jesus e outros membros da equipa técnica.

Na sequência da invasão à Academia `leonina`, a GNR deteve 23 suspeitos, apreendeu cinco viaturas ligeiras, vários artigos relacionados com os crimes e recolheu depoimentos de 36 pessoas, entre jogadores, equipa técnica, funcionários e vigilantes ao serviço do clube.

Os detidos foram já identificados, ficaram a conhecer os factos que lhes são imputados e começaram hoje a ser ouvidos por um juiz de instrução criminal no Tribunal do Barreiro.

O Ministério Público disse na quarta-feira que os detidos pelas agressões a futebolistas do Sporting são suspeitos de práticas que podem configurar crimes de sequestro, ameaça agravada, ofensa à integridade física qualificada e terrorismo, entre outros.

 

Tópicos:

AYCO, Alcochete, Bas Dost Acuña Patrício William Carvalho Battaglia,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.