Autarca diz que 80 a 90% do concelho de Mação ardeu

| País

O presidente da Câmara de Mação, Vasco Estrela, estimou hoje que "80 a 90% do concelho" tenha ardido devido ao fogo ainda ativo e dos incêndios no final de julho.

"Acabei de dar uma volta por grande parte do perímetro do fogo, é desolador aquilo que se vê. O concelho está completamente destruído. É uma imensidão de problemas que aqui temos. Temos 80, 90% do concelho ardido, é esta a realidade, infelizmente", disse à Lusa.

Apesar do cenário "dramático", o autarca afirmou esperar uma evolução positiva das chamas durante a madrugada.

"Há aqui um conjunto de situações que ainda estão por resolver. Monte Penedo, Rosmaninhal, Vale de Abelha, Ortiga, Pereiro, ainda carecem de muita atenção. Vamos ver se durante a noite conseguem ficar ultrapassadas", afirmou.

Várias aldeias tiveram de ser parcialmente evacuadas, explicou. Mais de duas dezenas de "idosos, crianças ou [pessoas] com patologias em que não se aconselhava que estivessem expostas ao fogo" tiveram de deixar as suas casas.

As chamas chegaram mesmo a uma urbanização em Mação, onde queimaram "tudo à volta das habitações", incluindo espaços verdes e zonas comuns. A zona encontra-se atualmente segura, indicou Vasco Estrela.

Segundo a página da Autoridade Nacional de Proteção Civil, o fogo de Mação, no distrito de Santarém, mobilizava, pelas 03:15, 831 operacionais e 249 meios terrestres.

As estradas cortadas ao trânsito são a A23, entre o Nó de Mouriscas e Nó de Gardete, a EN 244-3, entre Louriceira e Serra, a EM 1284 entre Chão Codes e Vila de Rei, a EM 548, entre Chão de Codes e Aboboreira, e os Caminhos Municipais (CM) 1284, 75, e 1285, de acordo com a página da Proteção Civil.

Tópicos:

Caminhos, Chão Codes, Câa Mação, Nó Mouriscas Nó Gardete EN Louriceira, Proteção, Santarém,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.