Centro de estudos de Coimbra apela ao envio de informação

| País

O Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais da Associação para o Desenvolvimento da Aerodinâmica Industrial, da Universidade de Coimbra, apelou hoje a quem tenha vivenciado os incêndios de Outubro de 2017 para que colabore com o envio de informações.

"Apelamos a quem tenha imagens, vídeos ou simples testemunhos que nos permitam fazer a reconstrução deste trágico evento, e que esteja na disposição de os partilhar, que o faça através do seguinte endereço: https://arcg.is/1OG0C0", lê-se numa nota informativa enviada à agência Lusa.

A estrutura liderada por Domingos Xavier Viegas recorda ainda à, "semelhança do que ocorreu após os incêndios de junho, o Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais da ADAI (Universidade de Coimbra) foi mandatado pelo Governo português para analisar o comportamento do fogo e os acidentes pessoais relacionados com os grandes incêndios florestais que assolaram a região Centro entre os dias 14 e 16 de Outubro de 2017".

O centro de estudos sugere em alternativa que a informação seja enviada para ceif@adai.pt.

Os incêndios de Outubro de 2017, que atingiram 36 concelhos da região Centro, provocaram 49 mortos e cerca de 70 feridos, e destruíram total ou parcialmente perto de 1.500 casas e cerca de meio milhar de empresas. Registaram-se ainda alguns fogos na região Norte.

Extensas áreas de floresta e de terrenos agrícolas foram igualmente destruídas pelos fogos de 15 e 16 de Outubro de 2017, que afetaram de forma mais grave os municípios de Castelo de Paiva e Vagos, no distrito de Aveiro; Oleiros e Sertã (Castelo Branco); Arganil, Figueira da Foz, Lousã, Mira, Oliveira do Hospital, Pampilhosa da Serra, Penacova, Tábua e Vila Nova de Poiares (Coimbra); Gouveia e Seia (Guarda); Alcobaça, Marinha Grande e Pombal (Leiria); e Carregal do Sal, Mortágua, Nelas, Oliveira de Frades, Santa Comba Dão, Tondela e Vouzela (Viseu).

Nas manchas florestais atingidas, destaca-se o Pinhal de Leiria, na Marinha Grande, que ficou reduzido a cerca de 20% da sua extensão, e os seus prolongamentos para norte (Mata Nacional do Urso, em Pombal) e para sul (orla costeira de Alcobaça).

Destacam-se também a Mata Nacional de Quiaios (Figueira da Foz), onde arderam mais de três mil hectares, equivalentes a cerca de 50% da sua área; a mata Nacional da Margaraça (Arganil), classificada como Reserva Biogenética do Conselho da Europa, que perdeu cerca de 70% da flora; e ainda para o Parque Natural da Serra da Estrela, penalizado nos municípios de Gouveia, Oliveira do Hospital e Seia.

Na sequência dos fogos que deflagram em 15 de Outubro foram consumidos 190.090 hectares de floresta, cerca de 45% da área total ardida durante 2017, de acordo com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Os dois incêndios que em Outubro destruíram maiores áreas ocorreram no distrito de Coimbra, nos concelhos da Lousã, onde foram atingidos cerca de 43.900 hectares, e de Oliveira do Hospital (perto de 43.200 hectares).

Tópicos:

Aerodinâmica, Aveiro; Oleiros, Frades Comba Dão Tondela, Incêndios Florestais, Paiva, Pinhal, Poiares, Pombal Leiria ; Carregal, Quiaios Figueira, Seia, Serra, Urso,

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

    Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

      A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.