Fiiscalização das refeições escolares vai ser reforçada

| País

A secretária de Estado Adjunta e da Educação disse hoje no parlamento que a fiscalização da qualidade das refeições escolares vai ser reforçada para garantir que as irregularidades detetadas tenham a "imediata penalidade prevista no caderno de encargos".

A secretária de Estado Alexandra Leitão respondia à deputada social-democrata Nilza de Sena, que, no decorrer do debate na especialidade com a equipa ministerial da Educação sobre o Orçamento do Estado para 2018, questionou o Governo sobre problemas com a qualidade das refeições escolares, denunciados por pais e alunos.

"O que está em causa é a fiscalização e posso aqui anunciar que a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE) criou em cada uma das suas delegações regionais uma equipa de intervenção com dois ou três funcionários para fazer vistoria sistemática e repetida a todas as escolas da sua região", disse a secretária de Estado aos deputados.

A governante disse que a criação de equipas na DGEstE não são "o início da fiscalização, que já era feita, mas o reforço".

"Vamos trabalhar num plano integrado de promoção e monitorização da qualidade das refeições escolares com vista essencialmente a garantir que caso sejam de facto encontradas situações elas tenham a imediata penalidade que está prevista no caderno de encargos. Não vamos inventar nada. Está prevista no caderno de encargos. É uma questão de as aplicar", disse.

Alexandra Leitão garantiu que o caderno de encargos assinado com as empresas que fornecem as refeições escolares assegura "todas as condições" para "a qualidade e a quantidade das refeições nas escolas e também o rácio de funcionários que devem ser garantidos".

Tópicos:

Nilza Sena,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.