Funcionários da Google protestam contra assédio sexual

| País
Funcionários da Google protestam contra assédio sexual

Reuters

Um pouco por todo o mundo, vários funcionários da Google estão a deixar, esta quinta-feira, os postos de trabalho em protesto contra as recentes revelações de que a gigante de tecnologia escondeu casos de assédio sexual de altos executivos, como Andy rubin, criador do Android.

O protesto "Google Walkout for Real Change" teve logo a adesão de mais de 1.500 funcionários em todo o mundo, a maioria mulheres, segundo informações do The New York Times.

Mas hoje, a iniciativa espalhou-se por diversos escritórios da Google mundo fora. Escritórios em Tóquio, Singapura, Berlim, Dublin, Montreal e Nova York também aderiram e a hashtag no Twitter e Instagram #GoogleWalkOut reúne fotos e vídeos de funcionários no protesto.



A informação mais vista

+ Em Foco

Neste Manual do Brexit, explicamos em 12 pontos o que está em causa e os cenários que se colocam. A votação do acordo em Londres acontece esta terça-feira.

    Rosa Luxemburgo, "uma das melhores cabeças do socialismo internacional", foi assassinada há 100 anos.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

        Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.