Madeira. 29 mortos em acidente com autocarro turístico. MP abre inquérito

por RTP
Homem Gouveia - Lusa

O Ministério Público anunciou esta quarta-feira a abertura de um inquérito após o acidente na Madeira com um autocarro turístico. O balanço oficial aponta para 29 mortos e 27 feridos. As vítimas mortais são todas de nacionalidade alemã e tanto o Governo português como o Presidente da República manifestaram pesar aos homólogos germânicos. O governo regional da Madeira decretou três dias de luto.

Pelo menos 29 pessoas morreram e 27 ficaram feridas num acidente esta quarta-feira com um autocarro que transportava turistas alemães no Caniço, em Santa Cruz, na Madeira. O último balanço oficial foi feito pelo presidente da Câmara de Santa Cruz, Filipe Sousa, em declarações à RTP, e confirmado entretanto pelo hospital.



Segundo o serviço de proteção civil regional, as vítimas mortais têm entre 40 e 50 anos.

Na sequência deste acidente, o Ministério Público determinou a abertura de um inquérito “e a realização de todas as diligências necessárias à recolha de prova”, segundo confirmou à agência Lusa a magistrada do MP coordenadora da Comarca da Madeira.  

Segundo Maria de Lurdes Correia, o Ministério Público pediu ainda "apoio à Polícia Judiciária para a identificação dos corpos em colaboração com o Gabinete Médico-Legal e Forense do Funchal".

Ainda não foi avançada uma explicação sobre a causa do acidente.

A remoção do veículo ocorreu por volta das três da madrugada, depois dos vários peritos terem concluído as investigações no local do acidente. A retirada do autocarro acidentado foi coordenada pela Proteção Civil auxiliada por Bombeiros e Polícia.
Dois feridos de nacionalidade portuguesa

Ao final da noite, em conferência de imprensa para dar conta do estado dos feridos deste acidente que deram entrada no hospital, Tomásia Alves, presidente do Conselho de Administração do Serviço de Saúde Regional, confirmou que foram assistidos 28 feridos, não havendo registo de quaisquer crianças entre as vítimas mortais ou feridos. 

Pedro Freiras, adjunto da direção clínica, confirmou que, das 28 pessoas que deram entrada no hospital, há dois feridos de nacionalidade portuguesa e os restantes são estrangeiros.



Um dos feridos acabou por morrer no hospital, nos cuidados intensivos. Segundo o responsável, trata-se de uma mulher "de nacionalidade estrangeira".

Dos 28 feridos, três deram entrada no bloco operatório, outras três encontram-se na sala de operações do serviço de urgência, e outras 20 encontram-se em observação no serviço de urgência. Duas das vítimas que deram entrada no hospital já tiveram alta.

As vítimas mortais deste acidente têm todas nacionalidade alemã. Berlim já reagiu ao sucedido através do porta-voz do Governo, Steffen Seibert.  

"Chegam-nos notícias terríveis da Madeira. Sentimos uma dor profunda por todos aqueles que perderam a vida na queda do autocarro, os nossos pensamentos estão com os feridos", escreveu o responsável no Twitter.

Na mesma rede social, o porta-voz do Executivo deixa ainda o contacto do serviço de negócios estrangeiros para familiares que queiram obter informações. 
Três aviões da Força Aérea disponíveis

Nas primeiras horas após o acidende, o Presidente da República comunicou que iria deslocar-se à Madeira ainda esta quarta-feira, mas acabou por anunciar, em declarações à RTP, que iria adiar a viagem para dar prioridade ao transporte aéreo de feridos.

Ao final da noite, a Força Aérea Portuguesa comunicou que tem três aeronaves prontas para descolar para a Madeira para serem usados no transporte de feridos para o continente.



A viatura acidentada era relativamente nova - cinco anos - e que estava inspecionada. O condutor é português e sobreviveu ao acidente.

Pedro Calado, vice-presidente do governo regional, referiu que é ainda "prematuro" falar sobre os motivos que levaram ao acidente, sabendo-se apenas que o autocarro tinha feito um pequeno percurso até ao momento.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a SAM (Sociedade de Automóveis da Madeira), proprietária do autocarro acidentado que foi fretado pela Travel One, apresenta as "mais sentidas condolências, a todos os familiares e amigos das vítimas do mesmo".

A empresa salienta ainda o "profundo empenho" para o "absoluto apuramento de todos os os factos, causas e responsabilidades do acidente", manifestando disponibilidade para uma "inteira colaboração às autoridades encarregues das investigações que se vão seguir".

No socorro às vítimas estiveram 44 operacionais apoiados por 19 viaturas, segundo informou a Proteção Civil.

As famílias e conhecidos que seguiam num segundo autocarro já estão a receber apoio psicológico.

No Twitter, o primeiro-ministro reage com "profundo pesar" ao "trágico acidente na Madeira".

"A todas as famílias envolvidas transmito, em nome do governo português, as mais sentidas condolências", acrescenta António Costa.

"Quero também enviar uma palavra de consternação e apoio aos Madeirenses. Também já tive a oportunidade de transmitir o voto de pesar à chanceler Angela Merkel, nesta hora difíci", disse o primeiro-ministro português.



O autocarro descia uma estrada inclinada e despistou-se na zona entre a unidade hoteleira Quinta Esplêndida e a entrada para a via rápida. Cerca das 18h30, o autocarro despistou-se e caiu de uma ribanceira, tendo sido travado na queda por uma casa existente no terreno.

De acordo com a agência Lusa, o gabinete médico-legal do Funchal vai ser reforçado com peritos do continente nas próximas horas.

"O Instituto de Medicina Legal já está a preparar uma equipa que vai de cá para lá, para reforçar o Gabinete Médico-Legal do Funchal", comunicou fonte oficial do Ministério da Justiça.

A fonte não conseguiu, porém, adiantar quantos profissionais integrarão a equipa que vai prestar apoio ao Gabinete Médico-Legal e Forense do Funchal, instalado no Hospital dr. Nélio Mendonça.

"Ainda não têm isso fechado, porque estão à espera da confirmação do número de mortos", indicou a fonte, apontando que, mediante essa informação, "ajustarão às necessidades".
Tópicos
pub