Magistrados não estão preparados para interrogar crianças e jovens em risco

| País
Magistrados não estão preparados para interrogar crianças e jovens em risco

A ver: Magistrados não estão preparados para interrogar crianças e jovens em risco

A Procuradora-Geral da República entende que as audições a crianças e jovens em risco devem ser feitas por técnicos especializados. Lucília Gago entende que os magistrados não estão preparados para lidar com crianças.

O edifício jurídico é adequado, mas, na prática, há muito por fazer na protecção de crianças e jovens, adverte a Procuradora-Geral da República.

Na abertura do encontro anual das CPCJ, em Tavira, Lucília Gago lembrou que é preciso melhorar as condições em que os menores em risco são ouvidos pela justiça.

Desde logo, as audições devem ser feitas por técnicos especializados e não por magistrados.

Lucília Gago entende também que o número de centros educativos para crianças e jovens em risco pode não ser suficiente para todas as ocorrências.

De acordo com o relatório de atividade das Comissões de Proteção de Crianças e Jovens, em 2018 foram aplicadas mais de 14 mil medidas de protecção. Em relação a 2017, diminuiu o número de crianças institucionalizadas, de 1120 para 819.

A informação mais vista

+ Em Foco

A Festa dos Tabuleiros regressa às ruas da cidade de Tomar. Um longo desfile em que 750 tabuleiros são transportados por mulheres.

    Os líderes europeus não chegaram a acordo sobre quem deve liderar a União nos próximos cinco anos.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.