Mais de 600 bombeiros combatem incêndio na Covilhã

por RTP
Miguel Pereira da Silva - Lusa

Mais de 600 operacionais continuavam a combater, cerca das 10h30, o incêndio na localidade de Garrocho, concelho da Covilhã. A Estrada Nacional 338, que faz a ligação entre Piornos a Manteigas, mantém-se encerrada ao trânsito, segundo adiantou a Proteção Civil.

Segundo o site da Proteção Civil, pelas 10h30 combatiam o incêndio 607 bombeiros, apoiados por 180 viaturas e dez meios aéreos.

O incêndio deflagrou durante a madrugada de sábado, às 3h18, na localidade de Garrocho, freguesia de Cantar-Galo e Vila do Carvalho, no concelho da Covilhã, distrito de Castelo Branco. No domingo, o fogo alastrou para Manteigas, no distrito da Guarda.

Os acessos difíceis complicaram o combate às chamas, que desde domingo está a ser feito principalmente com recurso a meios aéreos. Pelas 11 horas estavam dez meios aéreos a operar no local. Em declarações à RTP, o presidente da Associação dos Amigos da Serra da Estrela faz críticas à forma como é feito o combate.

Em declarações à agência Lusa esta manhã de segunda-feira, fonte do CDOS de Castelo Branco indicou que a Estrada Nacional 338, que faz a ligação entre Piornos e Manteigas, continuava cortada. Não há até ao momento indicação de casas em perigo.

Durante a tarde de domingo, três bombeiros ficaram feridos, tendo dois deles sido transportados para um hospital e outro recebido assistência num centro de saúde.

Ao início da tarde de domingo, Pedro Leitão, presidente da junta de freguesia de Vila Carvalho - onde começou o incêndio - lembrava que, com este, se contavam já sete ou oito incêndios numa mata densa e sem corta-fogos.

O presidente da junta de freguesia acrescenta que o incêndio teve "claramente mão criminosa".

c/ Lusa

pub