Papa aprova decreto que abre caminho a beatificação do sacerdote Manuel Formigão

| País

O papa aprovou hoje a publicação de um decreto que abre caminho à beatificação do sacerdote português Manuel Formigão, figura central na investigação e divulgação das Aparições na Cova da Iria.

O papa Francisco teve hoje uma audiência com o prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, o cardeal Angelo Amato, autorizando a promulgação do decreto que reconhece as virtudes heroicas do sacerdote diocesano Manuel Nunes Formigão, fundador da Congregação das Irmãs Reparadoras da Nossa Senhora de Fátima.

Segundo a agência Ecclesia, este é um passo central no processo que leva à proclamação de um fiel católico como beato, penúltima etapa para a declaração da santidade; para a beatificação, exige-se o reconhecimento de um milagre atribuído à intercessão do agora venerável Manuel Formigão.

Manuel Nunes Formigão nasceu em 01 de janeiro de 1883 e foi ordenado padre em Roma, em 04 de abril de 1908, após ter estudado Teologia e Direito Canónico na universidade.

Com as aparições de Fátima, em 1917, recebeu o convite do arcebispo de Mitilene para investigar a ocorrência e está presente na 5.ª aparição (setembro) na Cova da Iria; efetua vários interrogatórios aos videntes que são a primeira fonte com que de imediato divulga o acontecimento de Fátima.

Faleceu em 30 de janeiro de 1958 e, devido à fama de santidade, a Conferência Episcopal Portuguesa anuiu em 2000 à introdução da causa de beatificação e canonização deste sacerdote.

Tópicos:

Aparições, Congregação, Cova, Faleceu, Formigão, Roma,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.