Papa confirma. Lisboa acolhe Jornadas da Juventude em 2022

por RTP
As Jornadas Mundiais da Juventude decorreram até este domingo na Cidade do Panamá. Terminaram com a missa na qual foi anunciado o próximo país a receber o evento Esteban Biba - EPA

Foi este domingo confirmado, no Panamá, que caberá a Portugal acolher em 2022 as Jornadas Mundiais da Juventude. Presente na cerimónia presidida pelo Papa, Marcelo Rebelo de Sousa congratulou-se “com o anúncio oficial”. Em nota enviada à RTP, o Presidente da República sublinha ter comemorado “a notícia juntamente com todos os peregrinos e voluntários”.

“O Presidente da República saúda e congratula-se com o anúncio oficial, feito hoje por Sua Santidade o Papa Francisco, de que as Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ) de 2022, presididas pelo Sumo Pontífice, vão realizar-se em Lisboa”, lê-se no comunicado.Em resposta a uma pergunta do enviado especial da RTP ao Panamá, o Presidente português afirmava no sábado que sairia das Jornadas com “grande vontade” de se recandidatar a Belém.

“O Presidente da República está presente na cerimónia na Cidade do Panamá em que o Papa Francisco fez este anúncio e comemorou a notícia juntamente com todos os peregrinos e voluntários portugueses ali presentes”, prossegue o texto. 

A Presidência recorda que as Jornadas Mundiais da Juventude “nasceram por iniciativa de São João Paulo II, que as imaginou aquando da missa no Parque Eduardo VII em Lisboa, em 1982, e as lançou após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude.

“Constituem um acontecimento religioso e cultural que reúne jovens de todo o mundo durante uma semana. Será um grande acontecimento para Portugal e para os jovens portugueses de todas as origens”, conclui o comunicado.

As Jornadas Mundiais da Juventude decorreram até este domingo na Cidade do Panamá. Terminaram com a missa na qual foi revelado o próximo país a receber o evento - o anúncio em concreto coube a Kevin Joseph Farrell, prefeito do Dicastério para os Leigos, Família e Vida, organismo do Vaticano.

"Como disse o santo padre, temos agora de sair daqui e pôr em prática tudo o que aprendemos. E a próxima Jornada Mundial da Juventude terá lugar em Portugal", clamou o prefeito.

No Twitter, o Papa escreveu: "A vocês, queridos jovens, um muito obrigado por #Panama2019. Continuem a caminhar, continuem a viver a fé e a compartilhá-la. Até Lisboa em 2022".


Nesta celebração com milhares de jovens de todo o mundo, Marcelo Rebelo de Sousa esteve acompanhado pelo secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, e pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina. Do episcopado português esteve presente o cardeal-patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, entre nomes.As mensagens de Francisco

O Papa chegou na passada quarta-feira à Cidade do Panamá. No dia seguinte, diante das autoridades do país, apelou contra “qualquer forma de corrupção na política”, exortando a uma via de transparência nos domínios público e privado.

Também na quinta-feira, ao avistar-se pela primeira vez com os jovens, teceu críticas aos “construtores de muros”, numa alusão ao Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e apelou aos mais novos para que se assumam como construtores de pontes. Francisco propugnou também a ideia de que os migrantes “não são portadores de um mal social” na América Central.

O tema dos abusos sexuais não foi esquecido, com o Papa a reconhecer que a Igreja Católica “ferida pelo pecado” não foi capaz de “ouvir”.

Na última noite, diante de 600 mil pessoas, Francisco presidiu a uma vigília noturna, durante a qual pediu aos jovens para se assumirem como “influencers” do século XXI. E descreveu mesmo Maria com "a mulher que mais influenciou a História". O Papa afirmou compreender a ansiedade e o receio face a um futuro com escassez de postos de trabalho e em que a educação nem sempre está disponível.
pub