Providência cautelar tenta travar alterações na circulação no centro histórico de Sintra

| País

Um grupo de comerciantes e moradores no centro histórico de Sintra interpôs uma providência cautelar para travar alterações à circulação automóvel, a partir de 26 de março, com sentidos únicos na Volta do Duche e na Estrada de Monserrate.

"O objetivo é que a alteração da circulação viária no centro histórico, com a qual não concordamos, porque está cheia de constrangimentos e de falhas, não seja efetivamente posta em prática", explicou à Lusa Madalena Rilhas.

A comerciante na vila revelou que foi entregue hoje, no Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra, uma providência cautelar solicitando a suspensão imediata da alteração de sentidos de circulação no acesso ao centro histórico.

A autarquia aprovou, na reunião do executivo de 13 de março, uma proposta que "vai condicionar o acesso rodoviário à vila histórica de Sintra", a partir das 22:00 de segunda-feira.

O tráfego passará, a partir de São Pedro, a fazer-se no sentido descendente, pela fonte da Sabuga, para quem se dirigir para a Estrada da Pena, e pelo Palácio Valenças, para quem quiser estacionar na Volta do Duche, que ficará apenas com um sentido, na direção da câmara.

Os veículos que descerem a Rua Marechal Saldanha (atualmente ascendente) podem seguir diretamente para a Estrada da Pena ou para a Rua Barbosa do Bocage, até junto da Quinta da Regaleira, também com sentido único para Monserrate.

Veículos autorizados poderão desviar junto à Quinta do Relógio, para o Caminho dos Castanhais, mas os restantes terão de seguir por Monserrate, percorrendo uma dezena de quilómetros até à Quinta da Piedade, ou 15 quilómetros até Colares, para regressar à vila por Galamares.

Um grupo de moradores e comerciantes entregou, em junho de 2015, um abaixo-assinado contra alterações na circulação rodoviária até à construção de estacionamento na periferia.

Madalena Rilhas, com uma loja de artigos turísticos, contou que "só na semana passada" a autarquia informou os comerciantes das recentes alterações.

A também moradora acrescentou que "há dois anos e meio foi posto em discussão pública um plano, muito semelhante ao atual, com ligeiras modificações, e houve um abaixo-assinado com 1.100 assinaturas contra as alterações".

"Está à vista de qualquer pessoa que a criação de zonas de estacionamento é que ajuda a melhorar a circulação, e nada foi criado nos últimos anos, e desde há décadas", frisou.

Para Madalena Rilhas, a solução passa pelo alargamento do estacionamento no Rio do Porto para "apoio de proximidade à vila", porque o parque criado na Portela fica "cheio com os utentes da estação de comboios".

António Fernandes, também comerciante, referiu que as alterações agora previstas são idênticas às do anterior plano e que a autarquia "vai começar pelo telhado", porque primeiro muda a circulação e só depois "vai fazer as infraestruturas".

O grupo de comerciantes e moradores, em comunicado, apontou os custos para as centenas de pessoas que trabalham na vila, que terão de passar a pagar transporte de ligação do estacionamento na Portela.

"Não fomos notificados, mas é normal se há pessoas que acham que devem meter uma providência cautelar. O que tem graça é que se calhar algumas das pessoas, senão todas, que põem a providência cautelar são as mesmas que andaram a pedir para que o trânsito saísse da vila", comentou à Lusa Basílio Horta (PS).

O presidente da autarquia sublinhou que a "reforma do trânsito não tira um único lugar de estacionamento na vila, pelo contrário aumenta 69 lugares", e que nos parques de estacionamento foram criados mais 1.000 lugares.

"A única coisa que está em cima da mesa é tirar o trânsito do terreiro do nosso palácio, que é o coração da vila histórica", sublinhou Basílio Horta, assegurando que a autarquia está aberta "para ouvir as críticas" e acolherá as "que se mostrarem justas".

O autarca argumentou que "vai haver ligação dos parques ao centro histórico, com várias carreiras, com um passe mensal com preço modesto de 20 euros".

"Entre as 20:00 e as 08:00 o acesso ao centro histórico é aberto a todos", pela Consiglieri Pedroso (junto ao Hotel Lawrence), adiantou.

Em relação ao sentido único na Estrada de Monserrate, a partir da Regaleira, o autarca alegou que "não podia continuar dois sentidos" numa estrada sem passeios e que será estudada uma "solução tecnológica" no futuro para os moradores.

Tópicos:

Barbosa, Consiglieri, Estrada, Piedade, Portela, Sintra Sintra,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.