Seis sindicatos de professores avançam com greve para dia 14

| País

Seis sindicatos de professores entregam hoje no Ministério da Educação um pré-aviso de greve para o dia 14, exigindo nomeadamente o descongelamento de carreiras e um regime especial de aposentação.

Os "seis sindicatos independentes" que assinam o pré-aviso (ASPL, PRÓ-ORDEM, SEPLEU, SIPE, SIPPEB e SPLIU) divulgaram a decisão em comunicado, no qual a justificam com a "ausência de respostas" a questões como condições e horários de trabalho bem definidos, combate à precariedade docente, e "maior eficácia, eficiência e humanismo no funcionamento dos agrupamentos de escolas e escolas não agrupadas".

Os dois maiores sindicatos de professores, FNE e Fenprof, anunciam também na tarde de hoje se vão ou não convocar uma greve, mas para o dia 21.

Hoje o secretário-geral da Federação Nacional da Educação (FNE) disse, após uma reunião com a tutela, que as respostas do Ministério da Educação são "claramente insuficientes" para evitar que a greve seja feita.

Também a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) remeteu para hoje à tarde a decisão sobre a greve.

FNE e Fenprof anunciaram na quinta-feira a intenção de convocar uma greve para o dia 21, que ficou condicionada às conversações de hoje com o Governo.

Tópicos:

FNE,

A informação mais vista

+ Em Foco

Milícias separatistas apoiadas e armadas pelos Emirados Árabes Unidos tomaram a capital do sul, reforçando a sua posição face aos antigos aliados sauditas.

    Dois anos depois do grande incêndio de Pedrógão, a floresta continua por ordenar e o Governo conta com pelo menos uma década para introduzir as mudanças necessárias.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

        Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.