CDS-PP abstém-se em voto de pesar pela morte de Alípio de Freitas

| Política

No Parlamento, foi cumprido um minuto de silêncio
|

A Assembleia da República aprovou esta quarta-feira um voto de pesar pela morte do jornalista Alípio de Freitas, descrito num texto submetido por BE, PS, PEV e PAN como “um lutador de toda uma vida pela liberdade e pela emancipação do povo pobre”. A abstenção do CDS-PP foi a nota dissonante. As demais bancadas votaram a favor.

O Parlamento exprimiu assim “o seu pesar pela morte de Alípio de Freitas”, manifestando ainda “aos seus familiares e amigos a sua solidariedade”.Alípio de Freitas entrou na RTP nos anos de 1980. Ficou na empresa pública até 1994.


Homem de grande firmeza - assim o cantou Zeca Afonso. E assim era Alípio de Freitas”, lê-se no texto do voto de pesar, que se refere também ao antigo jornalista da RTP como “um lutador de toda uma vida pela liberdade e pela emancipação do povo pobre”.

Alípio de Freitas, prossegue o texto, “foi português e foi brasileiro” e, “com uma coragem invulgar, enfrentou as oligarquias fundiárias do Nordeste brasileiro, defendendo, com risco da sua vida, os camponeses sem terra”.

O jornalista morreu na terça-feira, em Lisboa, aos 88 anos. Para o dia 17 de junho estava previsto um espetáculo em sua homenagem com a participação de vários artistas, nomeadamente a filha, Luanda Cozetti.

O Sindicato dos Jornalistas associara-se àquela iniciativa para assinalar o “percurso de lutador do seu associado”.
“Resistir é preciso”

Nascido em Bragança, Alípio de Freitas foi padre em Portugal e figura revolucionária em solo brasileiro, onde trabalhou no apoio às populações mais pobres, lecionou no meio académico e participou em ações de ocupação de terras. Foi detido e vítima de tortura.

Viveu como exilado no México. E também em Cuba. No regresso ao Brasil, ajudou a liderar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores. E ao cabo de quase uma década de prisão naquele país da América do Sul, de 1970 a 1979, assinou a obra “Resistir é preciso”.

Alípio de Freitas esteve igualmente ao lado de camponeses em Moçambique. Foi cofundador da Associação José Afonso e da Casa do Brasil em Lisboa.

c/ Lusa

Tópicos:

Alípio de Freitas, Brasil, Jornalista, Parlamento, RTP, Revolucionário, Voto de pesar,

Artigos Relacionados

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à Antena 1, o presidente do PS elogia a chamada "geringonça", mas coloca reservas quanto à hipótese de ter BE e PCP num futuro executivo socialista.

    As famílias já pediram o repatriamento, mas o MNE diz que ainda não tem uma solução.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.