Em direto
Euro2024. Decide-se o grupo C da competição

Europeias. Debate entre partidos com assento parlamentar

por Graça Andrade Ramos, Rachel Mestre Mesquita, Inês Geraldo - RTP

Esta noite, todos os partidos com assento parlamentar debateram entre si as ideias que defendem para as próximas eleições europeias a acontecer no próximo dia 9 de junho.

Partidos estiveram em debate entre si Pedro A. Pina - RTP

Mais atualizações Voltar ao topo
Momento-Chave
por RTP

Maioria dos partidos é favorável ao reconhecimento do estado da Palestina

A fechar o debate a oito, os partidos foram questionados sobre a Palestina e se estará na hora de Portugal reconhecer território como um Estado oficial. Praticamente todos os partidos apoiam o reconhecimento, alguns com certas condições.

Apenas o Chega deu uma opinião contrária. Tânger Correia considerou que é o momento errado para reconhecer o estado da Palestina, apesar de afirmar que o Chega apoia a solução de dois estados. 

AD e PS mostraram-se em consonância com o que países como a Irlanda, Espanha e Noruega fizeram esta semana e o PCP lembrou que há muitos anos que tenta passar na Assembleia da República uma resolução para esse efeito.

O Bloco de Esquerda disse que Portugal já parte tarde para esta decisão e a IL declarou que a Autoridade Palestiniana tem de ser o poder oficial do estado e que o Hamas não pode fazer parte da solução de dois estados. 

PAN e Livre dizem que é o "momento certo" para reconhecer a Palestina e que o genocídio que está a decorrer na Faixa de Gaza deve ser terminado.
pub
Momento-Chave
por RTP

Marta Temido diz que "em justiça fiscal deve haver combate à evasão"

A candidata do Partido Socialista defende a necessidade de uma política fiscal mais justa onde as grandes empresas e fortunas contribuam. "Nós (socialistas europeus) não estamos disponíveis para que o investimento em mais defesa, mais segurança, seja feito à custa de outras áreas que para nós são críticas e essenciais", afirmou.

pub
Momento-Chave
por RTP

"Temos de acelerar esta transição energética", defende PAN

O PAN quer "saúde para todos em toda a Europa", e conidera que o atraso da transição energética só poderá prejudicar esse objetivo e o desenvolvimento da Economia europeia.

"Mais custos irão existir para as famílias, para os bancos, para a Economia", sustenta Pedro Fidalgo Marques, citando conclusões do BCE.

"Temos de acelerar esta transição energética", defende ainda.
pub
Momento-Chave
por RTP

Chega quer apoio à iniciativa privada, sobretudo às PME

O candidato do Chega concorda com cotrim de Figueiredo quanto ao facto do crescimento económico ser "fundamental".

Para Tânger Correia o apoio ao setor privado é um passo fundamental, sobretudo à PME´s, considerando "terrível" que o PRR tenha ido beneficiar os empreendimentos públicos.

O comabte à corrupção, outra bandeira do partido, é igualmente crucial, sublinha o candidato ao PPE.
pub
Momento-Chave
por RTP

Il. "Sem crescimento económico a economia é um jogo de soma nula"

Cotrim Figueiredo diz que "temos de facto de por a Europa a crescer" para responder "até a muitos dos temas que estivemos aqui a debater".

O candidaro da Iniciativa Liberal volta a atacar Marta Temido para afirmar que, ao fim de oito anos, fica provado que "o PS não faz a mínima ideia de como se põe uma economia a crescer".
pub
Momento-Chave
por RTP

Sebastião Bugalho quer "mais crescimento económico" em vez de "impostos europeus"

Sebastião Bugalho, "e a AD", é contra a idei a de "impostos europeus", considerando ainda assim, que "a realidade é como ela é e a Europa vai precisar de mais dinheiro".

A solução, mais do que impostos, "através do crescimento económico".
pub
Momento-Chave
por RTP

Candidata do BE diz que UE tem de investir em canais seguros e integração

Catarina Martins defendeu que a União Europeia tem de investir em canais seguros e políticas de integração. A antiga líder do Bloco de Esquerda recusou a ideia de que "há portas escancaradas, isso é mentira", afirmou.

pub
Momento-Chave
por RTP

O Pacto das Migrações "não é o que assinaríamos" assume Marta Temido

A cabeça de lista do PS, Marta Temido, assumiu que o novo Pacto europeu de Migrações e Asilo, apoiado pelo seu partido em Bruxelas, "não é o que assinaríamos".

pub
Momento-Chave
por RTP

Livre recusa o novo Pacto de Migração e Asilo que não reflete valores europeus

Francisco Paupério defendeu que "os Direitos Humanos são inatacáveis" e que "devemos imprimir os nossos valores nos nossos tratados".

"Nós quando falamos de valores europeus temos de cumprir nos nossos tratados e nos nossos pactos esses valores", afirmou o candidato do Livre às eleições europeias.
pub
Momento-Chave
por RTP

"Chega quer um país de ódio" acusa João Oliveira

O candidato da CDU às eleições europeias acusa o Chega de querer construir um país de ódio "onde as pessoas olham umas para as outras desconfiadas e com medo".

pub
Momento-Chave
por RTP

IL quer uma "triagem mais eficaz" dos imigrantes

João Cotrim de Figueiredo quer que "as rergras que já existem sejam aplicadas", entre elas a "regra da prova dos meis de subsistência" e a verificação de alegações, impossível devido a falta de recursos do sistema nacional de contorlo de imigração.

"A dignidade das pessoas tem de ser defendida", afirma, considerando que muitas vezes em busca de vidas melhores acabam por ficar com vidas "piores". "É inadmissível que se ache que isto é um pronlema menor".
pub
Momento-Chave
por RTP

O Pacto das Migrações é uma "armadilha" diz candidato do Chega

Tânger Correia explica que o Pacto "obriga" os países europeus a receber emigrantes. "obriga, obriga", afirma perante a contestatação.

"Todo ele é um conceito que vai atacar a soberanioa dos países", acrescenta, considerando que "cada país é que deve determinar que emigração é que quer e de que precisa". "nós somos a favor da emigração", acrescenta, lembrando que foi o Chega o primeiro a falar da "bomba relógio" da imigração.

"Vão a Vila Nova de Milfontes", recomenda, denunciando ainda os "VVTL", ao abrigo fos quais entram os imigrantes.
pub
Momento-Chave
por RTP

O Pacto de Migrações inquieta o PAN por "uma questão de direitos humanos"

O Pacto de Migrações inquieta o PAN por "uma questão de direitos humanos", diz Pedro Fidalgo Marques, criticando o "discurso de ódio, de medo e de desinformação" promovido pela "extrema-direita".

A Europa "não está de portas escancaradas", "há regras" como os vistos de trabalho, defende.

A Europa não pode não responder a quem foge de morte, de pobreza ou de defómenos climáticos extremos, refere. Por outro lado, os probelmas podem ser resolvido "a montante", evitando estas migrações.

Já o sistema de acolhimento e de processamento "tem de funcionar".




pub
Momento-Chave
por RTP

Francisco Paupério considera que "não podemos ir para além do direito internacional" no apoio à Ucrânia

O cabeça de lista do Livre explicou que a posição do seu partido é clara:"o povo ucraniano deve decidir quando e como acaba esta guerra, cabe-nos apoiar", cumprindo todas as regras do direito internacional.

"Devemos atuar sempre de acordo com o direito internacional (...) e todas as armas que são enviadas de defesa para a Ucrânia têm também de ser escrutinadas por nós para saber que tipo de uso é que é feito", afirmou Francisco Paupério.

"Não podemos matar civis, não podemos ir para além das regras do direito internacional", sublinhou.


pub
Momento-Chave
por RTP

PAN quer taxar "lucros" da indústria de Defesa para apoiar a "reconstrução" ambiental da Ucrânia

O investimento em Defesa pode vir a colocar em causa outros objetivos de defesa ambiental e para o PAN, que "tem estado do lado da Ucrânia", essa é uma questão que também tem de ser equacionada.

"A primeira consequência são as vidas que se estão a perder", frisa o cabeça de lista do partido às europeias, Pedro Fidalgo Marques, mas há também a lembrar "os solos contaminados, que põem em causa a sua autonomia alimentar", e a destruição de instalações de saneamento básico e de tratamento de águas residuais.

O PAN quer taxar de forma "extraordinária" os "lucros excessivos" que se prevêm para a industria de Defesa com o incremento dos investimentos, de forma a apoiar a defesa humanitária e a "reconstrução da biodiversidade".


pub
Momento-Chave
por RTP

"Todos temos receio face à guerra" admite Marta Temido

A antiga ministra da Saúde, Marta Temido, considerou que atualmente não estão reunidas as condições para parar o conflito na Ucrânia através da via diplomática. "A questão é que as condições para essa paz têm de ser também aquelas que a Ucrânia entende que são aceitáveis", nomeadamente a integralidade do seu território, afirmou a candidata socialista às eleições europeias.

pub
Momento-Chave
por RTP

"A Ucrânia tem o direito a defender-se" defende Catarina Martins

A atual candidata do Bloco de Esquerda (BE) às eleições europeias defendeu que a "Ucrânia tem o direito a defender-se e que as tropas russas devem retirar-se do território ucraniano". Catarina Martins disse que "nós devemos apoiar a Ucrânia na sua autodeterminação e no seu direito ao seu território".

pub
Momento-Chave
por RTP

João Oliveira diz que "enviar mais armas para a Ucrânia não é apoiar"

O cabeça de lista da CDU às eleições europeias lamentou que o Governo português não esteja empenhado na solução de paz, nem na Ucrânia nem na Palestina, e defendeu que enviar mais armas para a Ucrânia não é apoiar. João Oliveira sublinhou a necessidade de chegar a um "acordo de paz" e acusou a União Europeia de não ter feito esforços nesse sentido. "Não vi a União Europeia insistir na paz", afirmou.

pub
Momento-Chave
por RTP

Incursão da Ucrânia na Rússia deve ser "meramente estratégica" pensa Bugalho

Sebastião Bugalho considera ser "consensual" entre os países que apoiam a Ucrânia que qualquer incursão em território russo "deve ser meramente estratégica" a infraestruturas energéticas ou militares.

Ataques a alvos civis são "uma linha vermelha", acrescenta. "É a Rússia que está em guerra com a Europa, não é a Europa que está em guerra com a Rússia", lembra.

"O nosso objetico é a paz ucraniana, é a derrota de Vladimir Putin", acrescenta, "caso contrário a segurança dos nossos filhos, de que falava João Oliveira e que eu também não quero ver na linha da frente da batalha, ficam entregues a Vladimir Putin".

Para Bugalho, hoje foi "um dia de festa" para Portugal, que ao celebrar 50 anos de democracia "recebe o presidente de um país que luta pela sua democracia". Afirmação recebida com indignação por João Oliveira.

Bugalho acha estranho ver defender a vitória do pesidente russo "que foi um dos maiores financiadores dos partidos de extrema-deireita na Europa nos últimso anos", num à parte para o candidato da CDU.





pub
Momento-Chave
por RTP

"Não é uma Ucrânia em estado de fraqueza que vai negociar a paz" defende Tânger Correia

Tânger Correia considera que o uso de armas dos aliados por parte da ucrânia contra alvos em solo russo é legitimo, concordando com Cotrim de Figueiredo.

"Nós faremos a paz que a ucrânia quiser", afirma, acrescentando "para haver paz tem de haver força". "Não é uma Ucrânia em estado de fraqueza que vai negociar a paz".

"Todos nós", EUA e UE, devem dar essa força, sublinha.

O ex-embaixador e vice-presidente de Chega lembra que o presidente da República vai chefiar a delegação portuguesa à conferência de paz na Suíça, apoiando a Ucrânia ao mais alto nível, considerando que a ausência da Rússia, que poderá esvaziar as  conclusões da reunião, indica que "não estamos ainda na fase do one-to-one".
Sebastião Bugalho questiona Tânger Correia. "Já o ouvi sugerir uma cooperação entre a ucrânia e a Rússia".

"No dia em que a Ucrânia fizer a paz nos seus termos com a Rússia", esclarece o ex-embaixador.
pub
Momento-Chave
por RTP

Guerra. "Putin, se não perder na Ucrânia, não fica por ali", vaticina Cotrim de Figueiredo

Sobre a possibilidade da Ucrânia atacar solo russo com armamento fornecido pelos aliados, que divide os candidatos, Joáo Cotrim de Figueiredo considera que, se forem de caracter "defensivo", não vê "razões para estarem fora do cardápio de soluções que ajudem o povo ucraniano a defender-se daquela agressão bárbara".

O apoio de Portugal "tem sido incondicional e deve continuar a sê-lo", acrescenta, "para garantir que todas as opções, políticas, diplomáticas e militares continuam em cima da mesa para que a solução final seja a de que a Ucrânia reganhe a sua soberania", livre para decidir se quer ou não pertencer à NATO e à UE.

"Receio a escalada do conflito mas receio ainda mais as consequeências do conflito ser resolvido a favor da federação Russa", frisa, lembrando as "ambições imperialistas da Rússia".

"Putin, se não perder na Ucrânia, não fica por ali".


pub
Momento-Chave
por RTP

"A deriva de Von der Leyen não começou agora" afirmou Francisco Paupério

O cabeça de lista do Livre às eleições europeias defendeu que a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, deve voltar ao espaço democrático e à transição climática e que não se deve esquecer das promessas eleitorais que fez em 2019, nomeadamente no setor climático e no setor social.

pub
Momento-Chave
por RTP

Avanço da extrema-direita ameaça "direitos humanos" afirma PAN

Pedro Fidalgo Marques lamenta os entraves recentes à transição verde iniciada há alguns anos, com o PPE e todos os seus partido à direita a colocar várias propostas numa "lista negra", como a "lei do restauro que está presa no Conselho Europeu".

Quando o PAN alerta para o avanço da extrema-direita "falamos do retroceder de direitos humanos", como o direito à IVG em toda a Europa ou aos direitos LGBTQ+.

"Percebemos que as pessoas estão descontentes", mas o voto na extrema-deireita não pode ser um "voto de protesto".

Fifalgo Marques questiona Sebastião Bugalhao se, caso von der Leyen se alie aos conservadores e reformistas, os eurodeputados portugueses votarão contra esses direitos, entre portestos do cabeça de lista da AD.


pub
Momento-Chave
por RTP

João Oliveira defende que "aprofundar a democracia combate a extrema-direita"

O cabeça de lista da CDU às eleições europeias defendeu que o caminho para combater a ascensão da extrema-direita faz-se através dando a confiança à população de que a sua vida pode ser diferente. "É garantindo o respeito pelos poderes políticos, mas garantindo emprego, salários condignos, direito à habitação, à educação, à saúde", afirmou.

pub
Momento-Chave
por RTP

Catarina Martins acusa Von der Leyen de negociar com extrema-direita e desconsiderar direitos das mulheres e Direitos Humanos

A candidata do Bloco de Esquerda às eleições europeias acusa a presidente da Comissão Europeia de negociar a sua recondução para mais um mandato com a extrema-direita. Catarina Martins diz que von der Leyen "diz que tem três linhas vermelhas", mas que não as cumpre e que "nessas linhas vermelhas nunca consta nem a liberdade das mulheres nem os Direitos Humanos" .

pub
Momento-Chave
por RTP

Liberais "não apoiarão Ursula von der Leyen" em caso de aliança com reformistas e conservadores

Relativamente à candidatura de Ursula von der Leyen, se escolher aliar-se ao refiormistas e extremistas, "não contará com o apoio dos liberais", afirma Cotrim de Figueiredo, esperando que depois de 9 de junho a questão nem se ponha.

pub
Momento-Chave
por RTP

Marta Temido acredita que Ursula von der Leyen pode abrir as portas da UE à extrema-direita

A cabeça de lista do Partido Socialista às eleições europeias está convencida de que a atual presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, pode abrir as portas da governação da União Europeia à extrema-direita se for reconduzida para mais um mandato.

pub
por RTP

Cotrim de Figueiredo ataca Catarina Martins

Cotrim de Figueiredo responde a Catarina Martins a questiona a "grande volta que foi dar para atacar os liberais".

"esqueceu-se de referir a posição do Partido Liberal Europeu sobre o acordo feito nos Países Baixos, que sabe muito bem mas preferiu omitir, que foi não só condenar mas abrir um processo de suspensão do VVD".

"Em campanha fui peremptório na condenação desse acordo", acrescentou, lembrando que o Bloco de esquerda nunca condenou o entendimento do Syriza com os Gregos Independentes, um partido "xenófobo, antisemita, nacionalista, anti-imigração".

"Está enganado" responde Catarina Martins com um sorriso. Cotrim de Figueriedo diz que não encontrou quaqluer referência na internet mas refuta que a IL seja atacada por posições do seu grupo europeu, quando a questão do VVD já foi respondida.
pub
Momento-Chave
por RTP

Entendimentos à direita no PPE. "Isso é discutir o sexo dos anjos" diz Tânger Correia

Tânger Correia ri-se ao ser questionado sobre a pertença do Chega ao grupo que acolhe a extrema-direita, o ID.

"Acho divertido arranjar fissuras entre mim e o André Ventura", refere.

"Isso é discutir o sexo dos anjos" neste momento, frisa sobre as famílias do PPE, frisando que "vai haver um jogo novo" após 9 de junho, incluindo uma possível "reconfiguração das direitas".

"Acho que estão uma série de opções abertas", refere, mesmo se o Chega está no ID. "Está sobretudo a disputar as eleições de dia 9". "Isso é que é importante", remetendo para o futuro a questão.


pub
Momento-Chave
por RTP

Sebastião Bugalho sobre AD e PPE. "Temos linhas vermelhas das quais não abdicamos"

Sobre a aproximação do PPE e de Ursula von der Leyen ao conservadores e reformistas, Sebastião Bugalholembra que a "AD tem uma identidade própria dentro do PPE", quanto à aproximação a outras famílias políticas.

"Temos linahs vermelhas das quais não abdicamos", sublinha, como o "Estado de Direito" e a "pertença europeia".

Já a aproximação de von der Leyen à família que integra o PIS, Lei e Justiça, o partido polaco que contesta ambos, Bugalho lembra que "há uma forma muito simples de resolver a entrada dos extremismos" na Comissão Europeia.

"É saber porque é que a dra Marta Temido não apoia a candidatura de von der Leyen", atira.



pub
Momento-Chave
por RTP

"Sair do binómio défice e dívida". Pedro Fidalgo Marques defende foco no investimento

O candidato do PAN, Pedro Fidalgo Marques, defendeu que "temos de sair do binómio défice e dívida" e olhar para o orçamento numa "ótica de investimento" que, no seu entender, vai gerar mais economia. "Se se focar no investimento gera-se emprego", afirmou.

pub
Momento-Chave
por RTP

Francisco Paupério diz que as regras orçamentais não permitem investimento público e transição verde

O candidato do partido Livre às eleições europeias disse as regras orçamentais que foram aprovadas "não permitem um investimento público para combater não só questões de saúde e habitação, mas também para incentivar a transição verde". Para Francisco Paupério, os países do sul da Europa que tem défice excessivo e dívida acima dos 60% vão "estar sempre dependentes da aprovação da UE para investir no tipo de indústria que querem" e ter menor capacidade de atrair investimento.

pub
Momento-Chave
por RTP

"Não podemos continuar reféns dos juros" defende candidato do PAN

"Temos aqui um bloco central que não fala em investimento para a Europa", lamenta Pedro Fidalgo Marques.

"Não podemos continuar reféns dos juros", afirma. "Quem está a pagar isso é obolso dos portugueses".


pub
Momento-Chave
por RTP

"Insistir no fim da independência do BCE é deixar a inflação à solta" afirma Cotrim de Figueiredo

"Nada do que discutimos aqui tem a ver com a intervenção do embaixador Tânger Correia", atira Cotrim de Figueiredo em resposta ao vice-presidente do Chega.

Já "insistir no fim da independência do BCE é colocar o BCE da dependência de decisões políticas por políticos e deixar a inflação à solta", sublinha, lembrando que "a inflação é o imposto mais crual que afeta os mais pobres mais do que qualquer outros".
pub
Momento-Chave
por RTP

"Na Europa, PS e PSD estão junto", acusa Tânger Correia

"Fica claro que maioria dos presentes está a considerar o investimento público", afirma.

Já "o Chega defende exatamente o oposto, que é o investimento privado".

pub
Momento-Chave
por RTP

Bugalho diz que esquerda apoiou o tratado orçamental

Sebastião Bugalho. "Concordo com a crítica do Francisco Paupério àquilo que se passava antes", no provilégio aos países ricos.

Agora, "desde que cumpramos com o défice e com a dívída, passa a ser possível a países ricos e países pobres terem regras diferentes", acrescenta, interrompido ao afirmar que os países da esquerda apoiaram o "tratado orçamental".
pub
Momento-Chave
por RTP

Catarina Martins diz que as regras orçamentais são "más" e "um retrocesso"

A cabeça de lista do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, defendeu que as regras orçamentais da União Europeia representam um retrocesso e "uma imposição contra a capacidade de investimento". A líder bloquista disse que cada vez que a União Europeia teve uma crise conseguiu superá-la porque quebrou as regras. "Se tivéssemos regras boas não tínhamos que viver sempre em excecionalidade", defendeu.

pub
Momento-Chave
por RTP

Cotrim de Figueiredo. "O PRR tem em anexo 352 metas a atingir"

Cotrim de Figueiredo diz que "não é a primeira vez que a Comissão tenta influenciar a política economica dos países", lembrando que só o PRR tem "um anexo com 352 metas a atingir, trimestre, após trimestre, após trimestre".
pub
Momento-Chave
por RTP

"Não há países que possam viver sem regras", diz Cotrim de Figueiredo

João Cotrim de Figueiredo, da Iniciativa Liberal, comenta também as novas regras orçamentais da UE, dizendo que "gerir crises não substitui gerir bem o dia a dia", numa alfinetada a Bugalho.

"Não há país, ou grupos de países no caso da União Europeia, que possam viver sem regras orçamentais", afirma, acrescentando que estas podem ser "previsíveis" ou "casuísticas" e que isso se reflete na capacidade de financiamento.

"Estas regras são mais flexíveis, mas ainda não sabemos se será mais para a Comissão se para os países", aponta, referindo que "agora em junho" será fixada a "trajetória de referência" pela Comissão e "só em setembro" os países irão publicar os seus orçamentos a quatro anos tendo-a em conta.

"Este tipo de regras pretende obviar" o hábito dos governos gastarem mais em ciclos favoráveis e retraírem-se em tempos magros, o que se reflete na recessão, afirma.


pub
Momento-Chave
por RTP

João Oliveira diz que regras orçamentais não servem a Portugal

O cabeça de lista da CDU, João Oliveira, disse "para um país como Portugal que precisa de fazer um investimento decisivo nos serviços públicos, no investimento para a habitação, na valorização das carreiras profissionais" as regras orçamentais da União Europeia "são um espartilho". "Não nos servem", afirmou João Oliveira.

pub
Momento-Chave
por RTP

João Oliveira diz que a flexibilidade do Orçamento era uma promessa que não foi concretizada

O candidato da CDU às eleições europeias disse que o orçamento que foi aprovado no Parlamento Europeu "é exatamente o contrário" do que estava previsto, "não apenas porque há muito menos flexibilidade" mas também porque aos critérios do défice e da dívida, acresceram os critérios da despesa. "O que foi aprovado põe em causa a contratação" pública, afirmou João Oliveira.

pub
Momento-Chave
por RTP

Tânger Correia. "É na execução orçamental que a porca torce o rabo"

O embaixador António Tânger Correia, cabeça de lista do Chega, entra no debate para afirmar que, para o seu partido, "o diálogo entre os países soberanos e a Comissão [Europeia] é um diálogo desequilibrado".

A Comissão "tem muito maior alavancagem" e "a execução orçamental não pode ser tão equitativa quanto devia ser", afirma.

"Estamos a criar uma Europa a duas velocidades, que é um fantasma que nos persegue há muito tempo", aponta.

O Chega considera que as regras vão continuar a política da mão estendida", lamentou. Mesmo tendo de cumprir as metas do défice e da dívida, "pilares básicos", a execução orçamental país a país vai ser dificultada, refere.


pub
Momento-Chave
por RTP

PPE. Eurodeputados portugueses "estiveram sempre ao lado dos portugueses" diz Bugalho

P candidato da AD responde à "provocação" de Marta Temido. "Esquece-se sempre que os eurodeputados do PSD e do CDS no PPE votaram sempre contra o aumento das taxas de juro".


pub
Momento-Chave
por RTP

Marta Temido diz que novas regras orçamentais da UE "representam um avanço"

A cabeça de lista do PS às eleições europeias, Marta Temido, afirmou que as novas regras orçamentais da União Europeia conferem maior flexibilidade e "são mais amigas do investimento".

pub
Momento-Chave
por RTP

Novas regras europeias "deixaram de tratar todos por igual"

Para Sebastião Bugalho, "as novas regras da governânça europeia" significam que conseguimos aprender com "as crises da troika, das crises da dívida soberana, das crises do euro".

"Garantem a cada Estado autonomia orçamental", sublinhou o cabeça de lista da AD às europeias, considerando "consensual" que as "contas certas sõ algo positivo para o país".

pub
por RTP

Descomplicar a Europa: Eurodeputados visitam escolas secundárias de norte a sul do país

Nos meses que antecipam as eleições europeias de junho, o Terra Europa organizou debates em escolas secundárias por todo o país.

Centenas de alunos tiveram a oportunidade de conversar com eurodeputados portugueses e ver esclarecidas as suas dúvidas e preocupações sobre o futuro da Europa.
pub
Momento-Chave
por RTP

Debate com todos os partidos com assento parlamentar

Esta noite, todos os partidos com assento parlamentar vão debater entre si as ideias que defendem para as próximas eleições europeias a acontecer no próximo dia 9 de junho. Depois de vários debates a quatro, chegou a hora de os cabeças-de-lista de cada partido debater com todos os candidatos ao Parlamento Europeu. 

O debate tem início às 21h00.
pub