PS considera confirmado que deputados das ilhas cumpriram normas sobre viagens

| Política

O PS defende que a conferência de líderes de hoje confirmou que os deputados dos Açores e Madeira cumpriram as normas em vigor do regime de viagens seguidas "há mais de uma década" na Assembleia da República.

Esta posição foi transmitida à agência Lusa pelo vice-presidente da bancada socialista Pedro Delgado Alves, adiantando, no entanto, que a conferência de líderes concluiu igualmente que os serviços da Assembleia da República nunca harmonizaram o regime dos abonos de transporte com a nova forma de fixação das tarifas de residentes nas regiões.

A conferência de líderes parlamentares decidiu hoje remeter o parecer da subcomissão de ética sobre apoios a viagens de deputados ao conselho de administração da Assembleia da República, ficando a aguardar as suas "conclusões".

Segundo os deputados e secretários da mesa Duarte Pacheco (PSD) e António Carlos Monteiro (CDS-PP), os diversos partidos políticos poderão fazer chegar àquele órgão do parlamento eventuais contributos sobre o assunto, não existindo qualquer prazo-limite estipulado para uma nova pronúncia sobre a matéria.

Na sequência da posição adotada pela conferência de líderes, Pedro Delgado Alves considerou que foi seguida a linha sustentada pelo PS sobre apoios de deslocação a deputados, designadamente ao remeter "as suas conclusões para avaliação do Conselho de Administração da Assembleia da República", tendo em vista "ponderar uma revisão do regime aplicável a todos os deputados residentes em território nacional".

"O parecer confirmou que os deputados residentes nas regiões autónomas cumpriram as normas em vigor sobre a matéria e que se limitaram a seguir os procedimentos seguidos há mais de uma década na Assembleia. O parecer apontou, no entanto, para o facto de os serviços da Assembleia da República nunca terem harmonizado o regime dos abonos de transporte com a nova forma de fixação das tarifas de residentes nas regiões", observou Pedro Delgado Alves.

Ou seja, para o vice-presidente da bancada socialista, a conferência de líderes "remeteu para o Conselho de Administração a ponderação de uma solução que atualize e deixe claro o modelo para futuro".

"Foi sublinhado, de resto, e como consta do parecer da Subcomissão de ética por proposta do PS, que se trata de uma necessária revisão do regime aplicável a todos os deputados em matéria de abonos de transporte, assegurando a coerência e uniformidade do modelo", acrescentou Pedro Delgado Alves.

O conselho de administração do parlamento - no qual têm assento os diversos grupos parlamentares dos partidos políticos e também o secretário-geral da Assembleia da República - poderá agora decidir simplesmente uma alteração do valor em causa (500 euros por semana).

Em alternativa, se houver uma opção pela alteração das atuais regras de cálculo e método de atribuição deste tipo de apoios, tais medidas terão de ter uma decisão última em sede de reunião plenária da Assembleia da República.

O valor de referência dos abonos não foi reponderado pela Assembleia da República quando a legislação que regula esses apoios para todos os residentes nas regiões autónomas foi alterada, em 2015, passando a estabelecer um "direito ao reembolso acima de uma taxa máxima de esforço para as passagens de avião", assinalou o parecer requerido pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues.

A subcomissão de ética concluiu que, "por se traduzir, ou poder traduzir, numa diminuição do custo efetivo a suportar pelas passagens de avião, faz todo o sentido que o direito ao reembolso seja tido em conta no cálculo do valor de referência propostos pelos serviços à aprovação do Conselho de Administração".

"O valor de referência relativo às viagens de avião deve ser o da taxa máxima de esforço legalmente fixada para residentes acrescido do eventual excedente acima do valor elegível, quando a lei o imponha", segundo o documento.

A subcomissão de ética considerou que uma "eventual opção pelo suporte direto pelos serviços dos custos relativos às passagens de avião, semelhante ao regime vigente para os deputados eleitos pelos círculos fora do território nacional, teria de acautelar um tratamento personalizado, deputado a deputado, por forma a serem respeitadas as exigências diferenciadas dos calendários e dos horários de envolvimento político-parlamentar de cada deputado".

Ferro Rodrigues tinha pedido à subcomissão de ética e à comissão eventual para a transparência uma interpretação conjugada da resolução do parlamento que regula os apoios às viagens dos deputados das regiões autónomas e da legislação do subsídio de mobilidade de todos os residentes insulares, bem como uma eventual necessidade de alteração legal.

Em abril, o jornal semanário Expresso noticiou que vários deputados dos círculos eleitorais das regiões autónomas dos Açores e da Madeira beneficiam da duplicação de apoios estatais ao transporte entre o continente e as ilhas.

Deputados eleitos por aqueles círculos, além de disporem de 500 euros semanais fixos para eventuais deslocações, optariam por gozar do subsídio de mobilidade concedido a todos os residentes insulares, mediante um sistema de reembolso das passagens de avião.

A notícia levou a um pedido de desculpa e à renúncia ao mandato do deputado BE eleito pela Madeira Paulino Ascensão. Pelo PS, estarão nesta situação o líder da bancada socialista, Carlos César, e os deputados Lara Martinho, João Azevedo Castro, Luís Vilhena e Carlos Pereira, e, pelo PSD, parlamentares como Berta Cabral, Costa Neves, Sara Madruga da Costa e Paulo Neves.


 

Tópicos:

Azevedo, Berta Cal, Delgado Alves, Lara, Pacheco, Subcomissão,

A informação mais vista

+ Em Foco

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

    Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

      O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.

        Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.