Tiago Rodrigues cancela ida a festival em Israel e adere a boicote cultural

| Política

|

O diretor artístico do Teatro Nacional D. Maria II, Tiago Rodrigues, cancelou a sua participação num festival em Jerusalém, em junho, e decidiu aderir ao boicote cultural a Israel, de acordo com um comunicado hoje divulgado por aquela entidade.

 

"Decidi não apresentar o meu espetáculo no Israel Festival, em junho, porque acredito que é a única forma de garantir que o meu trabalho artístico não servirá para justificar ou apoiar um governo que comete deliberadas violações dos direitos humanos e está atualmente a atacar violentamente o povo palestiniano", refere o autor, ator e encenador.

Tiago Rodrigues admite que, por ser diretor artístico de um teatro nacional, a decisão "poderá originar desconforto no plano diplomático". "Foi uma decisão ponderada e devo, acima de tudo, obedecer à minha consciência. Aconselhei-me com amigos e colegas em quem confio. Li declarações de muitos intelectuais e artistas, nomeadamente israelitas. Também testemunho a terrível e violenta conduta do governo israelita neste momento", afirma.

No comunicado, Tiago Rodrigues começa por explicar que, embora se oponha "de forma veemente à opressão do povo palestiniano pelo governo israelita", aceitou o convite para apresentar a peça "By Heart" em junho, no Israel Festival, em Jerusalém, "promovido por uma organização sem fins lucrativos que se apresenta como um projeto artístico que promove uma sociedade plural e pacífica".

O autor diz ainda que aceitou o convite por acreditar "que o povo de um país e a sua administração política não são a mesma coisa". "Quando apresento espetáculos nos EUA, por exemplo, faço teatro para americanos mas não estou, com isso, a subscrever a atuação da administração Trump. Se estivesse a agir em relação à administração Trump, seria contra", acrescenta.

Entretanto, o autor apercebeu-se, "através das comunicações oficiais do festival", que a edição deste ano "'marca o 70º aniversário da independência do Estado de Israel'".

"A menção desta celebração por parte do festival não é acompanhada de uma única palavra de crítica à conduta do Estado de Israel face ao povo palestiniano durante os últimos 70 anos. Este é um anúncio de grande significado político sobre o qual não fui informado quando fui convidado a participar no festival. Não aceito que o meu trabalho artístico seja usado com motivos políticos sem o meu acordo", lê-se no comunicado.

Além disso, "a organização do festival anuncia com grande destaque o apoio de vários ramos do governo israelita, mas mantém silêncio no que toca aos inaceitáveis atos de violência ordenados por esse mesmo governo contra o povo palestiniano". "Esta omissão é profundamente perturbante e não posso aceitá-la", defende.

Tiago Rodrigues decidiu também, além de "boicotar" a participação no festival, "aderir ao movimento de boicote cultural a Israel, na convicção de que a pressão global e coletiva poderá produzir resultados semelhantes aos do boicote à África do Sul durante o 'apartheid'".

"By Heart", espetáculo no qual Tiago Rodrigues ensina um poema a dez pessoas do público, sem preparação prévia, ao mesmo tempo que vai desfiando histórias da sua avó misturadas com ficção e personagens de livros, já foi apresentado em Roma, Trodheim (Noruega), Amesterdão, Rennes e Marselha (França) e em Atenas.

"By Heart" é uma das peças que Tiago Rodrigues criou e encenou na companhia Mundo Perfeito e cedeu ao Teatro Nacional D. Maria II (TNDM II). A cedência estará vigente enquanto for diretor artístico do TNDM II.

 

Tópicos:

Israel, Tiago Rodrigues, Dona Maria II,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.