Vieira da Silva. “Cada caso é um caso no cálculo das reformas”

| Política

Vieira da Silva fez um ponto de situação da governação e do entendimento com os partidos que apoiam o Governo
|

O ministro do Trabalho e da Segurança Social, um dos ministros que integra o núcleo duro da coordenação política do Governo, perspetiva o ano de 2019 do ponto de vista político nesta entrevista à Antena 1. Reformas e salário mínimo são outros temas abordados pelo ministro.

Vieira da Silva sobre o tema reformas esclareceu que a reforma sem penalização e com 60 anos de idade, só para aqueles que descontaram 46 anos. Para todos os outros, "para cada ano, cada pessoa, vai poder ver qual é a idade em que ela pessoalmente poderá aceder à reforma sem penalização".

Nesta entrevista à jornalista Maria Flor Pedroso deixou ainda a garantia de que "o Governo não terminará a legislatura sem que esse processo seja legislado".



A propósito de casamentos e amizades, Vieira da Silva afirma que uma "solução mais ambiciosa do ponto de vista governativo é uma solução que exigirá mais mudanças" entre os partidos que constituem a atual solução política.

Vieira da Silva diz que "os partidos (terão) de estar mais preparados para cada um de nós introduzir mais inovação na sua forma de olhar os outros e na sua forma de olhar o país". Lembra que para esta solução de Governo existir todos os partidos tiveram de mudar.

Considera que a próxima legislatura vai ser "diferente porque muito influenciada pela experiência que tivemos, o que quer dizer que não deixará de haver um debate muito profundo com os (quatro) partidos".

Falta saber o resultado das eleições e se os partidos querem mesmo todos continuar. O PS quer.

Vieira da Silva não acredita num entendimento do PS com a direita em 2019, ano eleitoral.

Convidado a comentar a afirmação de Pedro Nuno Santos esta semana, "se o PS se entender à direita não contem comigo", Vieira da Silva é mais cauteloso porque "afirmações definitivas são sempre perigosas quando se trata de defender a liberdade e a democracia agora, o quadro político em que vivemos não aponta para qualquer espécie de acordo estrutural com os partidos à direita do PS".

Para Vieira da Silva, uma solução ao centro não é "uma solução que interesse a Portugal, o que não exclui compromissos parcelares".
Valor do salário mínimo

Questionado sobre se é possível ir além dos 600 euros no valor do salário mínimo, previstos no programa de Governo, como reclamam a esquerda e as centrais sindicais, o ministro do Trabalho confessa que o Governo "tem vontade política, mas resta saber se é a medida adequada".
Vieira da Silva diz, no entanto, que nada será feito contra os parceiros, e "se pudermos ser mais ambiciosos, não será o Governo que vai travar essa ambição".



Reconhece que o sector da Saúde é um sector de "tensão neste Governo, como em todos os governos".

Uma área que é tutelada por Mário Centeno, sendo que Vieira da Silva, apesar de se reconhecer "no objetivo de redução da nossa fragilidade externa", não aceitou a provocação do “Somos Todos Centeno”: "Eu chamo-me Vieira da Silva e não gosto de frases feitas!"

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.