"Zero Latency" imerge jogadores em mundos virtualmente reais

por Nuno Patrício, Sara Piteira - RTP

“Lisboa foi invadida por zombies e precisa de ti para os exterminar”. Não fossem os zombies figuras de ficção, este podia ser o ‘convite bélico’ para acabar com uma eventual invasão de seres mortos-vivos na nossa capital.

Mas na realidade eles estão por cá e quem os trouxe foi a Zero Latency, pertencente à empresa espanhola Climbing Planet.

Uma Realidade Virtual (RV) tão próxima do real imaginário que no transporta para um mundo em que os zombies existem e não estão com meias medidas para nos alistarem à legião mais morta que viva.

Mas este é apenas o primeiro cenário que a Zero Latency dá a conhecer, a quem queira experimentar esta nova sensação de jogar em espaço real, num cenário virtual, a partir de segunda-feira, dia 18 de dezembro, no espaço comercial Dolce Vita Tejo.


Seis jogadores numa arena física de 225 metros quadrados
A experiência RV Zero Latency baseia-se numa tecnologia que se adapta a diferentes áreas de jogo e número de jogadores.

O primeiro centro nasceu em Melbourne na Austrália, em 2015, depois Tóquio, pela mão da empresa de jogos Sega. Em Novembro de 2016 é aberto o primeiro centro em Orlando, nos Estados Unidos, e poucos meses depois Europa, com a instalação de uma arena em Madrid.

Agora, este tipo de arena jogável, a quinta no mundo e a segunda da Península Ibérica e Europa, chega a Lisboa com uma zona de jogo com cerca de 225 metros quadrados.
 
A empresa conta ter no final de 2017 16 centros espalhados por oito países de quatro continentes.


Um jogo sem barreiras físicas
O espaço de jogo Zero Latency praticamente não tem paredes físicas, o que permite ao jogador andar, correr e lutar em diferentes cenários virtuais e em sucessivos níveis do videojogo “Zombie Survival”.

Este jogo é o primeiro disponível estando prevista a disponibilização de outros proximamente, de modo a alargar a variedade de experiências disponibilizadas ao público.


 
Os “ghostbusters” reais
Quem vai experimentar esta realidade virtual tem de obrigatoriamente vestir um equipamento eletrónico que nos transporta para dentro do jogo.

Os jogadores entram em campo munidos com óculos RV, auscultadores e uma espécie de shotgun física, tudo ligado a uma pequena mochila, que contem um computador que, via Wireless, os conecta ao servidor fornecedor do jogo.

Um sistema que permite uma total liberdade de movimento e que, para quem olha de fora, julga estar na presença das personagens do filme “ghostbusters”.

Sim, porque na verdade, o jogo é uma verdadeira caça a fantasmas.

E quem experimenta não fica indiferente, como foi o caso do Youtuber “Sir Kazzio”.


A arena de jogo é ainda composta por um conjunto múltiplo de câmaras que dá a informação ao computador, em tempo real, sobre a localização dos jogadores.

E, para os mais cépticos, que pensam que o atraso (delay) entre jogador e computador pode estragar a imersão, acreditem que nem vão dar por isso, dai o nome de Zero Latency.

Para já este espaço arranca com o jogo Zombie Survival, mas a empresa promotora tem já em vista mais jogos virtuais: Outbreak, Origins, Singularity e o Engineering

Uma aposta também com olho no turismo português
Alberto Marcos, gestor da Zero Latency, em conversa com a RTP, disse acreditar no sucesso do projeto em Portugal e que não teve em conta para escolha deste tipo de jogo se o país seria o mais rico ou o maior da Europa, coisa que Portugal e Espanha não são, mas na verdade, a tendência é que são cada vez mais as pessoas que procuram estes dois países, em turismo, “e Lisboa seria o local exato para instalar o segundo centro de jogos de realidade virtual, depois de Madrid”.


O espaço RV Zero Latency está instalado no Dolce Vita Tejo, junto à zona de restauração, e está acessivel a todos o jogadores maiores de 13 anos.

Este espaço de jogo virtual está de portas abertas de segunda a quinta-feira das 14h00 às 22h00, na sexta-feira até às 23h00. Aos fins-de-semana, ao sábado, com horário mais alargado entre as 11h00 às 23h00 e no domingo das 11h00 às 22h00.

O preço por pessoa é atualmente de 24,95 euros, com um tempo de jogo de aproximadamente 30 minutos.

Além das bilheteiras no centro, será também possível comprar bilhetes online, mas a olhar para esta nova experiência  recomenda-se a reserva on-line atempada do dia e hora da sessão pretendida.
Tópicos