Reportagem

Passos Coelho vs António Costa: recorde os principais momentos do debate

por Christopher Marques - RTP

Depois das televisões, as rádios receberam o derradeiro debate entre António Costa e Pedro Passos Coelho. Um frente a frente inédito, transmitido em simultâneo por três estações de rádio. Recorde os momentos principais do frente a frente.


Chegou ao fim o debate. Acompanhe os rescaldos do debate na RTP Informação e na Antena 1. A RTP Informação retransmite o debate a partir das 18h00. Esta noite, Pedro Passos Coelho é entrevistado na RTP.

11h52:
Maria Flor Pedroso termina o debate. Troca de galhardetes entre Costa e Passos.

11h51:
Costa defende que o PS se apresenta “renovado” e com “contas feitas”. O PS diz que três grandes aspetos o distinguem da coligação e promete uma atitude menos passiva em Bruxelas.

Passos considera que Portugal ultrapassou as dificuldades devido à mobilização dos portugueses e defende que outros partidos não teriam feito muito diferente.

“Precisamos de dar estabilidade e confiança para o futuro”, defende. Passos diz que quer dar capacidade aos portugueses de “sonhar com os pés no chão”.

11h48: Começam as declarações finais.


11h48: Passos defende que está tudo a correr com “normalidade” no arranque do ano letivo. Passos acusa o Governo de ter reduzido os recursos para ajudar crianças com necessidade educativas especiais, o que diz ter conduzir a uma redução do número de crianças na escola. Costa considera que Passos defende uma escola que “examina para eliminar”.

11h42: Passos acusa Costa de não ter cumprido o pacto para a redução do IRC. Costa acusa Passos de ter sido o Governo a não ter cumprido o pacto, por não ter avançado com uma redução do IRS.

11h41: Os intervenientes continuam a discutir fiscalidade e segurança social. “Se os senhores quiserem discutir a educação, nós também”, atira o moderador Paulo Baldaia.

11h40: Passos Coelho concorda com a diversidade das fontes de financiamento da Segurança Social e diz-se disponível para discutir com o PS e diz, inclusive, concordar com algumas das propostas.

Costa defende que as propostas da coligação são um corte de pensões e o plafonamento e defende uma habitação acessível.
António Costa acusa Passos Coelho de não acertar nos números.

“Há limites para tudo”, acusa, e exemplifica com o número de orçamentos retificativos. O debate aquece, quando já deveria estar a acabar, como bem lembra a moderação.

11h36: Passos Coelho concorda com a diversidade das fontes de financiamento da Segurança Social e diz-se disponível para discutir com o PS e diz, inclusive, concordar com algumas das propostas.

Costa defende que as propostas da coligação são um corte de pensões e o plafonamento.

11h31: Passos Coelho diz que está disponível, mesmo que perca as eleições, para discutir a reforma da Segurança Social com António Costa. Passos questiona Costa se ele também está disponível.

António Costa não responde e defende que foi a queda do emprego que provocou falta de financiamento na Segurança Social. Perante a insistência de Passos, Costa mantém a não resposta mas garante que não participará num corte de 600 milhões de euros nas pensões.

Passos defende a reforma da Segurança Social, com apoio da sociedade portuguesa e a contar com o contributo do PS. “Espero que António Costa a seguir às eleições mude de opinião”.


11h29: Passos Coelho diz que está disponível, mesmo que perca as eleições, para discutir a reforma da Segurança Social com António Costa. Passos questiona Costa se ele também está disponível.

11h25: Costa defende o congelamento das pensões acima das mínimas, mas não refere valores mínimos. O secretário-geral volta a acusar Passos de querer cortar 600 milhões de euros nas pensões, mas o primeiro-ministro recusa.

Costa não avança com números quanto ao que quer dizer com pensões mínimas. "As pensões mínimas são as pensões mínimas", responde Costa.

António Costa defende uma reformulação do sistema de financiamento da Segurança Social, que passaria a ser também financiada pelos lucros das empresas e não apenas pelo contributo da massa salarial.

11h23: Costa propõe criação de um “complemento salarial” que funciona como um “crédito fiscal” para ajudar quem trabalha e não tem um rendimento suficiente para ficar acima do limiar de pobreza.

Passos acusa Costa de não responder à questão quanto às prestações sociais sujeitas a condição de recurso. O debate avança para a segurança social.

11h20: Passos insiste que Costa deve explicar quais são as prestações que vai submeter a condição de recurso, uma vez que “os mil milhões de euros” que quer reduzir é um valor elevado.

11h18: Passos defende que o Governo conseguiu combater a evasão fiscal e dar a possibilidade às famílias desfavorecidas e à classe média de ter deduções, com recurso ao sistema e-fatura. Costa interrompe Passos e aponta que ninguém tem beneficiado destes pressupostos. Passos diz que conhece muita gente.

“Devem ser só amigos do senhor”, responde Costa. “Não fique nervoso nesta matéria, já que não explicou o que está no seu programa”, atira Passos.

11h16: António Costa defende que algumas prestações poderão passar a estar sujeitas à condição de recursos, mas não avança quais.

11h09: O PS insiste no fim do quociente familiar em percentagem, propondo uma redução igual para todas famílias.

Costa acusa Passos de querer fazer uma “censura fiscal”, e acusa-o de desfavorecer as famílias monoparentais por terem recorrido ao divórcio.

11h06: Depois da discussão sobre Lisboa, o debate regressa aos impostos. Passos aponta que haverá uma redução da carga fiscal, comprometendo-se a remover a sobretaxa em quatro anos.

Passos insiste que a revisão dos escalões de IRS pretendeu trazer mais progressividade dos escalões. Passos diz que “se pudesse apresentar uma proposta de acabar já com a sobretaxa e reduzir o IVA que o PS aumentou no passado” o faria.

“Não vamos fazer como outros governos fizeram no passado”, referindo-se à redução do IVA e ao aumento de salários aos funcionários públicos feito pelo Governo de José Sócrates em 2009. Passos defende ainda o e-fatura como forma de combate à evasão fiscal.

10h59: Costa pede a Passos que reconheça que os números “se confrontam com a realidade”. “O senhor repetiu, mais uma vez, que fez um favor a Lisboa”, com Passos a defender que foi a autarquia que fez um "favor" ao Governo, porque comprou os terrenos para poder privatizar a ANA.

“O senhor recebeu três mil milhões de euros. E o que lhe fez? Eu não sei, mas a dívida não amortizou”, acusa. “Nós reduzimos a dívida em Lisboa, você não”.

10h57: António Costa promete a redução da sobretaxa mas mantém que não avança com quantificações quanto à redução dos escalões do IRS. Costa diz que não se quer encontrar no lugar de Passos “que promete tudo em campanha eleitoral”, mas que depois não cumpre.

10h55: Discute-se agora a redução de impostos no Debate

10h51: Passos defende que as políticas do Governo têm criado emprego. O Governo insiste que dois terços dos jovens que beneficiam do estágio emprego arranjam trabalho.

O Governo realça ainda que o novo emprego criado tem sido menos precário, apontado para três contratos a tempo incerto por cada contrato a prazo.

10h49: Passos diz que ajudou à redução da dívida de Lisboa ao ter comprado os terrenos do aeroporto à autarquia. Costa acusa Passos de ter “lata”. Passos acusa Costa de ter uma “retórica vazia” sobre a dívida de Lisboa

“O senhor não teria conseguido reduzir a dívida ao nível que reduziu Loures, Sintra e outras câmaras do país”, acusa Passos.

10h47: António Costa defende que o combate ao desemprego é a “causa das causas” e aposta na reabilitação urbana, na redução do IVA na restauração e no apoio à criação de “emprego digno”.

10h44: Costa defende o novo regime de despedimento que o PS propõe. O secretário-geral socialista diz que o mecanismo conciliatório pretende ser uma alternativa ao litigioso, mas que não obriga o trabalhador a recorrer a ele.

A moderação pede capacidade de síntese aos dois líderes, que se têm prolongado nas respostas.

10h40: António Costa insiste que Passos Coelho aumentou a dívida em 30 mil milhões de euros e defende que não fica bem a Passos “apresentar-se como um gestor exemplar da dívida”.

O secretário-geral relembra também que nenhuma previsão internacional é igual à do Governo que prevê um défice abaixo dos três por cento. Passos ri e gera-se um momento quente entre os dois. "Também lhe devem ter dito para rir", lança Costa. "Penso pela minha cabeça", responde Passos.

10h36: António Costa acusa Passos Coelho de ser “embirrento” e diz que a Comissão já interpreta de forma flexível o Tratado Orçamental. Costa considera que Portugal se deve bater para ter uma folga cada vez maior.

Passos Coelho acusa PS de fazer “demagogia” e relembra que o PS ratificou o Tratado Orçamental, que impõe responsabilidades aos Estados. Passos insiste que Portugal conseguirá ter um défice abaixo dos três por cento em 2015.

10h31: António Costa admite a solução militar “em último lugar”, e defende que Portugal “nunca deverá renunciar” às suas obrigações de participar nos quadros internacionais em que está.

Questionado sobre o envio de tropas portuguesas, Costa considera que não é um lugar próprio para discutir essa questão, mas admite que Portugal não deve excluir essa possibilidade.

Passos diz não acreditar que uma ação militar seja a solução, mas admite que Portugal “não deixará de levar a questão ao Presidente da República, à Assembleia da República e ao Conselho de Defesa”, se a mesma se colocar.


10h27: Passos considera que é importante que os refugiados possam ser acolhidos em condições de dignidade. O primeiro-ministro espera que haja um acordo rapidamente na UE para regularizar esta situação e permitir que todos os que tenham possibilidades possam contribuir para acolher os refugiados.

O primeiro-ministro assinala que muitos refugiados procuram a Europa por condições económicas, defendendo que, também nesse caso, a Europa deve mudar alguma coisa. Para Passos, a Europa precisa de “alguma emigração” porque está a ficar envelhecido. Passos defende que a Europa deve receber mais emigrantes.

Passos considera que a situação não se vai resolver com uma situação militar, defendendo mesmo que esta poderá aumentar o problema.

10h24: Maria Flor Pedroso reconduz o debate para o tema europeu. A jornalista da Antena 1 introduz o tema dos refugiados no frente a frente.

10h23: Costa diz que o PS assume todas as suas responsabilidades e acusa Passos de não conseguir libertar-se do passado. Costa diz que Passos não teve nenhuma surpresa quando chegou ao Governo, para além da dívida da Madeira.

10h21: Passos acusa Costa de estar preso ao passado e refere que foi o PS que negociou o memorando. Passos insiste que o PS conduziu Portugal a uma situação de pré-bancarrota e refere que as propostas de PS são “uma aventura em que os portugueses não deveriam sequer ponderar”.

10h19: António Costa responde que “aquilo que o Governo português defendeu na Europa não foi uma mudança na política europeia”. Costa acusa Passos de já ser defensor da austeridade antes de ser primeiro-ministro, remetendo para um artigo escrito por Passos em 2011. O secretário-geral socialista insiste que o primeiro-ministro foi além da troika.

“Pior do que a troika é este Governo (…) A política da troika é a sua política”, acusa Costa.

10h15: Na resposta, Passos defende que Costa prefere continuar a discutir política doméstica do que a Europa. O primeiro-ministro defende que quem governa não pode prometer às pessoas o que a realidade não consente, exemplificando com o que aconteceu em Itália e em França após as vitórias de Renzi e François Hollande.

No Governo “é preciso responder aos problemas”, defende Passos.


10h12:
O secretário-geral socialista considera que há já uma nova postura na Europa e acusa o Syriza de ter tomado a postura errada para com a Europa. O PS defende que a mudança se faz por negociação. A austeridade, aponta Costa, falhou.

“Não foi a Europa que obrigou Passos Coelho a ter esta política”, garante Costa, acusando Passos de ter ido além da troika.

10h09
: António Costa inicia o debate. Europa é o primeiro tema do debate.

10h07:
Começa o debate. Acompanhe em vídeo na RTP,. Atualize a página para poder ver o debate.

10h00:
O debate começa daqui a cinco minutos. O site da RTP transmite, em vídeo e em direto, o frente a frente. Atualize esta página para poder ver o debate.

09H55:
António Costa chega ao Museu da Eletricidade, quase 30 minutos depois de a hora prevista.

09h53:
Fruto do atraso na chegada dos líderes, o debate começará só às 10h05.

09h51:
Pedro Passos Coelho chega ao Museu da Eletricidade e entra antes de António Costa. Aguarda-se a chegada do secretário-geral socialista.

09h49:
António Costa estará a chegar ao Museu da Eletricidade mas está preso no trânsito. Pedro Passos Coelho também já está nas imediações e poderá mesmo entrar primeiro, avança a Antena 1.

09:43: Nenhum dos dois líderes chegou ao Museu da Eletricidade.

António Costa, que deveria ser o primeiro a entrar, ainda não chegou e está com mais de dez minutos de atraso. Passos Coelho, avança a Antena 1, recusou entrar antes do líder socialista, preferindo seguir o que tinha sido previamente combinado.

09:42: O primeiro debate

António Costa e Passos Coelho encontram-se para o derradeiro debate. Antes, no dia 9 de setembro, os dois líderes estiveram frente a frente num debate transmitido pelas três estações de televisão.

Recorde os principais temas e argumentos deste primeiro frente a frente.



09h33: Quem é António Costa?

António Costa andou sempre na peugada da política. Em 1993, perdeu a corrida à Câmara de Loures. Catorze anos depois, vinga-se e conquista a autarquia da capital.

O perfil, as vitórias e as derrotas do secretário-geral do Partido Socialista, numa reportagem de Susana Barros.

António Costa andou sempre na peugada da política.

Posted by RTP Notícias on Quinta-feira, 17 de Setembro de 2015

09h22: Quem é Pedro Passos Coelho?


O chefe de Governo sempre recusou a ideia de viver da política, mas começou bem cedo nos quadros da Juventude Social Democrata. Para além do cargo de deputado, e agora de primeiro-ministro, nunca exerceu nenhum posto governativo.

O perfil, as vitórias e as derrotas de Passos Coelho, numa reportagem de Natália Carvalho.

Passos Coelho sempre recusou a ideia de viver da política.

Posted by RTP Notícias on Quinta-feira, 17 de Setembro de 2015

09h12: Um debate, 90 minutos, seis grandes temas. No Museu da Eletricidade, vai se debater a Europa, os impostos, o sistema de pensões, o Estado Social, a Educação e a Economia.

Europa, impostos, pensões, Estado Social, Educação e Economia, temas em debate.

Posted by RTP Notícias on Quinta-feira, 17 de Setembro de 2015

09h00:
António Costa e Pedro Passos Coelho, novamente no Museu da Eletricidade, para o derradeiro debate. Transmitimos em direto e em vídeo a iniciativa da TSF, Radio Renascença e Antena 1 a partir das 10h00.

Por agora, acompanhe a antevisão do debate na Antena 1 e relembre quais serão os principais temas deste frente a frente, moderado por Maria Flor Pedroso, Paulo Baldaia e Graça Franco.

Último debate Passos - Costa na Antena 1 a partir das 10h00 de quinta-feira e com imagem em direto só no site da RTP.

Posted by RTP Informação on Quarta-feira, 16 de Setembro de 2015