Posi�ao Corrente: minutos e segundos
Ir para o Minuto:
Play - Príncipes do Nada

Príncipes do Nada (IV)

12 Jan, 2017 | Episódio 2

É no hospital de Bafatá, na Guiné-Bissau, que começa o segundo episódio da quarta série de Príncipes do Nada. Catarina Furtado e a sua equipa acompanham o dia-a-dia de uma pequena equipa médica que não mede esforços para salvar vidas em condições, muitas vezes, adversas. Este é também o regresso da equipa de Príncipes do Nada ao hospital onde, em 2010, se colocou a primeira pedra para a construção de um bloco operatório. O projeto teve como responsáveis a Cooperação Portuguesa e o Fundo das Nações Unidas para a População, contando com o contributo dos espetadores da RTP através de um donativo angariado numa emissão especial de solidariedade. Reduzir a mortalidade materna e neonatal é prioridade na Guiné-Bissau. Estima-se que, por cada 100 mil nados vivos, 900 mulheres perdem a vida. Cerca de metade dos partos não tem acompanhamento devido. O país continua, assim, a apresentar uma das piores taxas de mortalidade materna e neonatal no mundo lusófono.
De seguida, a equipa viaja até à remota vila de Adara, na costa oeste da ilha de Ataúro, em Timor-Leste. Para sobreviverem e criarem os filhos, as mulheres da vila ousaram mergulhar num território reservado aos homens: dedicaram-se à caça submarina. Margarida é a protagonista desta história que levou a equipa de Príncipes do Nada literalmente para dentro de água. A resiliência das mulheres timorenses mostra-nos como a luta pela igualdade de género neste país se continua a fazer todos os dias.
Esta nova série dos Príncipes do Nada será gravada na Guiné, Turquia, Timor, Camboja, Brasil, Guatemala, Angola, Portugal e São Tomé e Príncipe. Formato televisivo português emitido pela RTP, criado em coautoria entre a Embaixadora da Boa Vontade do Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP), Catarina Furtado, e o realizador Ricardo Freitas. Reportando as histórias e as experiências dos que, em contextos adversos, lutam pela melhoria das condições de vida das populações mais desfavorecidas, o programa Príncipes do Nada pretende promover a cidadania e os Direitos Humanos. O programa abrange temas tão urgentes como a excisão feminina, os sistemas de saúde deficitários, o trabalho infantil, a fome, o acesso à educação, a desigualdade de género, as crises humanitárias e a sobreexploração de recursos naturais. Em Portugal, Príncipes do Nada também tem acompanhado o trabalho inspirador de várias organizações, associações e voluntários que tentam melhorar as condições de vida dos mais vulneráveis, como é o caso dos idosos deixados à solidão ou dos refugiados que arriscam a sua vida fugindo de zonas de conflito. Em cada episódio, mergulhamos em realidades dramáticas através de exemplos de esperança, que mostram como o valor da vida pode e deve ser sempre a prioridade. Príncipes do Nada foi distinguido como o melhor programa de televisão em 2010 pela Associação Portuguesa de Telespetadores. O projeto estende-se ainda ao universo online, através da produção de conteúdos específicos para o seu website e página de Facebook.