Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras estreia Concertino do compositor Sérgio Azevedo

| Cultura

A Orquestra de Câmara de Cascais e Oeiras (OCCO), dirigida por Nikolai Lalov, sendo solista a pianista Diana Botelho Vieira, estreia no sábado a composição Concertino para Piano e Orquestra, de Sérgio Azevedo.

Em declarações à agência Lusa, o compositor realçou a "complexidade" da peça, a segunda dedicada à pianista Diana Botelho Vieira, sua mulher, e que a pianista estreia.

"Por outro lado, é uma espécie de presente a mim próprio, que celebro 50 anos em agosto próximo", disse Sérgio Azevedo à agência Lusa.

"Esta peça - Concertino para Piano e Orquestra -, começou para ser para jovens intérpretes, mas acabou por ficar bastante difícil e virtuosística e, portanto, mais complexa", afirmou o compositor, acrescentando que "é uma peça clássica em três andamentos (lento, rápido, lento), bastante melodiosa".

"Situa-se numa linha de concertos do século XX como os de Prokofiev e Chostakovitch, numa linguagem tonal acessível. Eu não quis uma peça difícil a esse nível, apesar de ser difícil para o solista", disse à Lusa Sérgio Azevedo.

A estreia da obra de Sérgio Azevedo, com uma duração de cerca de 21 minutos, faz parte do programa do concerto da OCCO, no sábado, no Auditório Municipal Ruy de Carvalho, em Carnaxide, no concelho de Oeiras, que inclui "Noturno", de António Fragoso, e também, deste compositor, com orquestração de Azevedo, "Três Peças do Século XVIII", e a Sinfonia nº 1, "Clássica", de Serguei Prokofiev.

A relação do compositor com esta orquestra "é de mais de 15 anos", tendo Sérgio Azevedo composto várias peças para o agrupamento, que gravou um CD monográfico exclusivamente constituído por composições suas.

Diana Botelho Vieira, natural dos Açores, além de obras de Sérgio Azevedo, estreou composições de Inês Badalo, Brett Madsen e Parisa Sabet.

A pianista estudou com Irina Semenova, no Conservatório Regional de Ponta Delgada, com Alexei Eremine, na Academia Nacional Superior de Orquestra, em Lisboa, e com Ludmila Lazar, no Chicago College of Performing Arts-Roosvelt University, nos Estados Unidos.

No ano passado editou o seu primeiro CD, constituído por peças para crianças de autoria de Sérgio de Azevedo.

Outra obra do compositor será estreada na próxima sexta-feira, pela orquestra de alunos do Conservatório de Felgueiras, "O Rouxinol", de cerca de uma hora, para solistas e coro.

Esta composição é inspirada no conto "O Rouxinol e o Imperador da China", de Hans Christian Andersen.

Sérgio Azevedo é professor na Escola Superior de Música de Lisboa, e autor, entre outras composições, de "Hukvaldy Trio" para violino, violoncelo e piano (2015), uma encomenda do Trio Pangea, de Concerto para Clarinete (2016), uma encomenda da Fundação Calouste Gulbenkian, do Concerto para Flauta (2016) e de um Quarteto de Cordas (2017).

"Mais importante do que uma estreia - que tem a sua importância -, é (manter) a regularidade de obras, nos programas das salas de concerto", disse o compositor à Lusa.

Tópicos:

Auditório Ruy Carvalho, Concertino, Câa Cascais Oeiras, Diana Botelho, Inês Badalo Brett Madsen, Irina Semea, Ludmila Lazar Chic College, Ponta Delgada, Prokofiev, Quarteto, Sinfonia, Sérgio Azevedo Carnaxide,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.