Frente Comum marca greve da função pública para 27 de outubro

| Economia

|

A coordenadora da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, Ana Avoila, anunciou uma greve nacional para 27 de outubro.

O anúncio foi feito esta sexta-feira aos jornalistas à saída de uma reunião no Ministério das Finanças sobre as matérias para a administração pública que irão constar na Lei do Orçamento do Estado para 2018.


Em causa está a falta de respostas às reivindicações da Frente Comum, como o aumento dos salários, o descongelamento imediato das progressões na carreira, a reposição do pagamento das horas extraordinárias e as 35 horas para todos os trabalhadores, explicou Ana Avoila.

A dirigente sindical considera que as rondas negociais com a equipa do Ministério das Finanças resultaram em "nada".

"Fez-se um esforço mas isto não é nada e defrauda as expectativas dos trabalhadores", disse a sindicalista, acrescentando que "esta greve é para ser feita, só não será feita se o Governo quiser. Está nas mãos do Governo", frisou Ana Avoila.

Esta será a terceira greve convocada pela Frente Comum desde a tomada de posse do atual Governo. Na próxima quinta-feira, em véspera de entrega do Orçamento do Estado, o Governo volta a reunir com os sindicatos.

Antes do anúncio desta greve, a coordenadora da Frente Comum tinha dito à RTP que a proposta do Governo era "uma mão cheia de nada".

"É uma proposta que faz o faseamento de progressões das carreiras que deviam estar feitas há muito tempo, algumas estão congeladas desde 2002. É uma proposta que não serve, que vai frustrar as expectativas dos trabalhadores", referiu a responsável.

Da mesma forma, a Federação dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP) e Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) sublinharam, em declarações à RTP, que as propostas do Governo não são satisfatórias.

José Abraão, da FESAP, considerou que o próximo ano "é altura de virar a página", enquanto Helena Rodrigues, já à saída da reunião desta tarde com o executivo, acusou o Ministério de não acabar de ver com a austeridade na função pública.
Governo quer "quadro orçamental de rigor"
Em comunicado, o Ministério das Finanças explicou esta sexta-feira que as medidas previstas no OE2018 devem ser adequadas "num quadro orçamental de rigor e credível".

"O período de ajustamento caracterizou-se pela tomada de medidas de caráter temporário e não-estrutural que impedem o desenvolvimento e a qualidade dos serviços públicos. Estas medidas devem ser agora adequadas, num quadro orçamental de rigor e credível", pode ler-se no documento.

O Ministério liderado por Mário Centeno sublinha ainda que a proposta apresentada esta sexta-feira aos sindicatos estão incluídas medidas "que garantem que os trabalhadores terão um aumento de rendimento já a partir do próximo ano".

Destaca também que o descongelamento das progressões e a redução dos cortes nas horas extraordinárias, entre outras medidas, está prevista pelo documento orçamental. Sobre o descongelamento das progressões, o Ministério das Finanças garante que "todos os trabalhadores, em todas as carreiras, verão as respetivas carreiras desbloqueadas".

Mas tendo em conta o "elevado impacto orçamental", de 600 milhões de euros, "os acréscimos remuneratórios daí decorrentes serão pagos de forma faseada", reafirmam as Finanças.

c/ Lusa

Tópicos:

Frente Comum, Função Pública, Greve,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.