Direto
Final da Taça de Portugal. Acompanhe em direto este jogo com a RTP e a Antena 1

Francisco Rodrigues dos Santos exclui recandidatura à liderança do CDS-PP

por RTP
Francisco Rodrigues dos Santos anunciou a demissão da presidência do CDS-PP na noite de domingo Manuel de Almeida - Lusa

O líder demissionário do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, não será recandidato ao cargo. Deverá ter lugar ainda esta semana uma reunião do Conselho Nacional do partido para definir a data do congresso previsto para o final de março ou o início de abril.

A posição de Rodrigues dos Santos é confirmada já depois de o eurodeputado Nuno Melo ter anunciado, no Facebook, estar disponível para avançar com uma candidatura à liderança do CDS-PP. Isto se garantir condições institucionais para tal.

Na noite de domingo, quando se tornou claro que o CDS-PP ficaria afastado do Parlamento, Francisco Rodrigues dos Santos colocou a ênfase no que disse ser "uma certa bipolarização" e na ausência de "um clima de paz interna".Por um lado, afirmou Rodrigues dos Santos ao anunciar a demissão, o CDS-PP foi "o partido mais penalizado por uma certa bipolarização que foi sendo ventilada através das diferentes sondagens, que mais próximo da eleições foram trazidas a lume".

O líder demissionário disse, por outro lado, ter ficado ao corrente "de muitas pessoas que, para não permitir que António Costa vencesse as eleições, tendo um voto de convicção no CDS, acabaram por dá-lo ao PSD".

"E também o facto de o partido não ter beneficiado durante estes dois anos da minha liderança de um clima de paz interna que permitisse concentrar-se na sua verdadeira vocação, que era fazer oposição ao PS", enfatizou, para acrescentar que não pôde desfrutar de "tréguas dos opositores internos, fosse nas televisões, fosse nos jornais".

"O que falhou", reconheceria adiante, foi o facto de o CDS-PP não ter alcançado uma votação suficiente: "Porque se tivéssemos tido votos isto não teria acontecido".
Tópicos
pub