António Costa diz que prioridade em Pedrógão é reconstruir casas

| LUSA-INBOX

|

O primeiro-ministro disse esta segunda-feira que a prioridade em Pedrógão Grande é reconstruir as casas destruídas pelo incêndio de há um mês e adiantou que neste momento "há mais de cinco casas" em construção.

"A prioridade agora é fazer aquilo que é essencial, que é a reconstrução", afirmou, adiantando que há "mais de cinco casas" que neste momento já estão em construção, estando também já restabelecidas as ligações rodoviárias, de comunicações e as redes elétricas.

Contudo, António Costa, que falava à margem da cerimónia de inauguração do novo terminal do aeroporto de Faro, sublinhou que o processo de reconstrução "vai levar o seu tempo" e que ninguém pode ter a ilusão de que se vai reconstruir mais rapidamente do que foi destruído.

"Uma casa arde num minuto, mas infelizmente não se reconstrói num minuto e é nesse trabalho que nós temos que concentrar, que temos que fazer e que estamos a fazer", referiu o primeiro-ministro aos jornalistas, observando ainda que "nenhum arquiteto faz um projeto de um dia para o outro".

Segundo o primeiro-ministro, o processo de reconstrução das casas está, por enquanto, a concentrar os donativos angariados por um fundo criado pelo Estado para ajudar as vítimas dos incêndios, que são essencialmente donativos vindos de outros países, já que em Portugal a preferência foi a de encaminhar os donativos para o setor social.

Os incêndios iniciados a 17 de junho em Pedrógão Grande provocaram 64 mortos e mais de 200 feridos, consumindo mais de 53 mil hectares.

Os fogos da região Centro afetaram aproximadamente 500 habitações, quase 50 empresas e os empregos de 372 pessoas.

A informação mais vista

+ Em Foco

Na Grande Entrevista da RTP, o ministro João Matos Fernandes lamentou que os problemas ambientais sejam muitas vezes menorizados.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.