A primeira "selfie" de Kim Jong-un

| Mundo

|

Kim Jong-un apareceu naquela que será a primeira selfie do líder da Coreia do Norte. O momento foi captado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros de Singapura, Vivian Balarishnan. A fotografia foi tirada horas antes da cimeira histórica com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Kim Jong-un passou a maior parte do dia longe da vista do público. Não deixou, no entanto, de aproveitar a viagem para um passeio noturno, durante o qual visitou algumas das atrações turísticas populares da cidade-estado. 


O líder da Coreia do Norte passou pela zona do luxuoso resort de Marina Bay Sands, onde há centros comerciais, bares, restaurantes e casinos. Já durante uma visita aos Jardins da Baía, que possuí a maior estufa de vidro do mundo, o líder norte-coreano posou para o que se acredita ser a sua primeira selfie pública. 

A fotografia foi partilhada nas redes sociais do ministro de Negócios Estrangeiros de Singapura, Vivian Balarishnanm, à esquerda na imagem.
Vivian Balakrishnan

Jalanjalan #guesswhere?

O ministro de Educação da Singapura, Ong Ye Kung, à direita, também publicou uma selfie com Kim Jong-un, que divulgou depois no Facebook.
Ong Ye Kung

Guess where? Honored to be able to show Singapore to our special guest.

Kim Jong-un encontrou-se com Donald Trump nesta terça-feira para discutir o futuro do programa nuclear e as relações com os Estados Unidos da América. Este foi o primeiro encontro entre um presidente dos EUA e um líder norte-coreano desde o final da Guerra da Coreia (1950-53).

Tópicos:

Cimeira, Kim Jong-un, Vivian Balakrishnan, Coreia do norte,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.