Argentina. Despenalização do aborto rejeitada

| Mundo

Milhares de pessoas esperaram o resultado em frente ao Palácio do Congresso, em Buenos Aires.
|

O projeto de despenalização do aborto voluntário até à 14ª semana foi rejeitado pelo Senado. Apesar da decisão, muitas mulheres disseram acreditar que o aborto ainda vai ser legalizado.

Dos 71 legisladores do Senado, 38 votaram contra e 31 votaram a favor. O debate demorou cerca de 15 horas.


De acordo com o Guardian, a “pressão da igreja católica impediu a aprovação”, segundo ativistas do sexo feminino que apoiaram o projeto-lei.

Nascido na Argentina, o Papa Francisco não escondeu a oposição ao projeto-lei. Ainda de acordo com o jornal britânico, o Papa pediu a legisladores anti-aborto que “pressionassem os colegas a rejeitar o projeto”.

“A Igreja pressionou os senadores a votarem contra o projeto”, disse Ana Correa, membro do movimento feminista NiUnaMenos (Nenhuma mulher a menos).

A rejeição do projeto-lei significa que o aborto é apenas legal caso a vida ou a saúde da mulher estejam em perigo, ou em casos de violação.

Nariela Belski, diretora da Amnistia Internacional da Argentina, disse ao jornal britânico que numa pesquisa feita este ano cerca de “60% das pessoas apoiavam a lei do aborto”.

“Sou otimista. Não foi aprovado hoje, mas amanhã é outro dia. Isto ainda não acabou”, disse Natalia Carol, de 23 anos.

Victoria Osuna, de 32 anos, ativista anti-aborto, disse à Reuters: “A votação mostrou que a Argentina ainda é um país que representa os valores da família”.
Acesso ao aborto em nove províncias
Embora a lei permita o aborto quando há risco para a mulher, o acesso a essa prática não é implementado em todo o território argentino.

Das 25 províncias do país, apenas nove têm protocolos para que as mulheres possam abortar legalmente. 

As dificuldades relacionadas com abortos clandestinos são a principal causa de morte de mulheres grávidas na Argentina. No entanto, desde 2012, na província de Santa Fé, esses protocolos fizeram com que as mortes por abortos clandestinos diminuíssem.

Tópicos:

, Aborto, Aprovação, Argentina, Legalização, Mulheres, Projeto-Lei, Saúde, Senado,

A informação mais vista

+ Em Foco

Raptos e assassínios de opositores em países estrangeiros, levados a cabo pelos serviços secretos, têm um longo historial.

Logo após a recuperação das armas roubadas, o ex-chefe do Estado-Maior do Exército proibiu a PJ de entrar na base de Santa Margarida.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.