Em direto
Zelensky visita Portugal com acordo de cooperação militar na agenda

Caso Stormy Daniels. Júri que vai julgar Donald Trump está completo

por Graça Andrade Ramos - RTP
Sarah Yenesel - EPA Pool

É um julgamento histórico e a escolha do júri durou toda a semana. Os últimos cinco jurados suplentes foram finalmente escolhidos esta sexta-feira, completando a fase preliminar no Tribunal de Manhattan. A apresentação da acusação deverá iniciar-se segunda-feira. Até junho deverá ser conhecido o veredicto.

Trump é acusado de quase 35 crimes de falsificação de registos comerciais no uso de fundos de campanha para abafar alegações sobre um caso extraconjugal com uma atriz da indústria pornográfica. Afima-se inocente e diz que os encontros sexuais nunca ocorreram.

Esta é a primeira vez que um ex-presidente dos Estados Unidos da América se senta no banco dos réus acusado de conduta criminosa.

"Temos agora um painel completo", anunciou o juiz Juan Merchan, que dirigiu as entrevistas tanto dos procuradores como da equipa de defesa de Donald Trump e que teve a última palavra na seleção.

O ex-presidente assistiu a tudo, conferenciando por vezes com o seu advogado, Todd Blanche.

Os cinco jurados suplentes são uma mulher casada que gosta de arte e se considera apolítica, um profissional de áudio, um especialista em contratos, um executivo de uma empresa de vestuário e um gestor de projetos de construção. O sexto, escolhido na quinta-feira, é uma mulher gestora de ativos.

O dia iniciou-se com a chamada de 22 potenciais membros de júri suplentes, escolhidos de um grupo de 96, a quem foi perguntado se se sentiam capazes de ser justos e imparciais quanto à figura do controverso magnata e provável nomeado pelo Partido Republicano à reeleição para a Casa Branca.

Numa atmosfera cheia de tensão, dois desataram a chorar e três afirmaram estar demasiado ansiosos para fazer parte dos jurados. Outros reconheceram que seriam incapazes de imparcialidade.

Uma mulher foi escusada do serviço de jurada por terem sido revelados demasiados pormenores sobre a sua vida na comunicação social, o que levou Merchan a atender as suas queixas e a pedir mais "gentileza" à imprensa.

O júri principal é composto por sete homens e cinco mulheres, e inclui dois advogados, um professor, um gestor de saúde na reforma, um gestor de desenvolvimento de produtos, um engenheiro de sistemas de segurança, um engenheiro de software, um terapeuta da fala e um fisioterapeuta.

A maioria são nativos de Nova Iorque ou oriundos de todos os Estados Unidos e de países como a Irlanda e o Líbano.

O presidente do júri, que assume funções de liderança e de porta-voz dos jurados, é um homem casado, que trabalha em vendas e consome informação em media como o New York Times, a MSNBC e a Fox News.

Os 12 jurados principais e os seis suplentes irão ouvir testemunhos e advogados, estudar provas e concluir se o ex-presidente dos Estados Unidos é ou não culpado de ter pago milhares de dólares à atriz porno Stormy Daniels durante a campanha presidencial de 2016.

O crime de que Donald Trump é especificamente acusado é a ocultação, através de fraude em registos empresariais, do pagamento de 130 mil dólares realizado pelo seu ex-advogado Michael Cohen a Stormy Daniels, antes da eleição, para garantir o silêncio dela sobre encontros de cariz sexual com Trump ocorridos dez anos antes.

Trump declarou-se não culpado das 34 acusações de falsificação de registos comerciais para ocultar a alegada transação, levantadas pelo procurador do Distrito de Manhattan, Alvin Bragg. Nega igualmente ter-se encontrado com Daniels, cujo verdadeiro nome é Stephanie Clifford.

Apesar de estarem a correr contra ele três outros processos criminais, este é o único julgamento de Trump que deverá ocorrer antes da eleição de 5 de novembro próximo, à qual ele deverá concorrer enquanto candidato pelo Partido Republicano, contra o atual presidente Joe Biden, um democrata que procura igualmente a reeleição.

O ex-presidente é acusado em Washingtone e na Georgia pelos seus esforços para reverter a sua derrota eleitoral em 2020, assim como na Florida, por reter ilegalmente documentos confidenciais após deixar o cargo em 2021.

As datas do julgamento dos outros três casos criminais ainda permanecem indefinidas. Mesmo condenado nop caso Stormy Daniels, Donald Trump continua a ser elegível à presidência norte-americana.

O ex-presidente tem denunciado os vários processos como uma "caça às bruxas". Esta sexta-feira, voltou a queixar-se da "injustiça" do caso e denunciou a "inconstitucionalidade" da ordem judicial que o obriga ao silêncio evitando que ataque testemunhas, procuradores, jurados e pessoal judicial.

"Todas as pessoas podem dizer o que quiserem sobre mim", afirmou. "Podem dizer o que quiserem. Podem continuar a inventar mentiras e tudo o resto. Eles mentem. São uma verdadeira escória. Mas sabem que mais? Eu não posso falar", afirmou aos reporteres.

O edifício do Tribunal de Manhattan está rodeado de um forte cordão policial, para evitar que as multidões, a favor e contra o ex-presidente, perturbem os trabalhos.

Esta sexta-feira ficou marcada por um episódio chocante. Um homem atirou panfletos ao ar e gritou palavras de ordem, antes de se regar com combustível, ateando fogo a si próprio.

A imolação decorreu por pelo menos três minutos e deixou apenas um cadáver carbonizado. Não se conhecem por enquanto os motivos do suicida e se se relacionam de algum modo com o processo e com Donald Trump.

com Lusa
pub