Coreia do Norte disponível para reunir com Trump a "qualquer momento"

| Mundo

Trump terminou com a cimeira. Coreia do Norte disponível para negociar
|

Depois da decisão, de certa forma inesperada, de Donald Trump de acabar com a cimeira marcada para dia 12 de junho com Kim Jong-un, a Coreia do Norte respondeu esta sexta-feira ao afirmar que continua disponível para negociar com os EUA "a qualquer momento, de todas as formas".

"Reiteramos aos EUA a nossa determinação de nos sentarmos cara a cara, a qualquer momento e de todas as formas, para resolver este problema", disse Kim Kye-gwan, primeiro vice-ministro dos Negócios Estrangeiros norte-coreano, em comunicado divulgado pela KCNA.

Este responsável norte-coreano afirmou que a decisão de Trump é "lamentável", mas a resposta seguiu num tom aparentemente conciliatório. "Apreciamos o Presidente Trump por ter tomado a corajosa decisão, que nenhum outro presidente dos EUA teve, para a realização de um evento tão crucial como a cimeira", disse o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros norte-coreano. "Esperávamos que a chamada `fórmula Trump´ ajudasse a esclarecer as preocupações dos dois lados".

Kim Kye-gwan acrescentou que as críticas recentes a certos responsáveis norte-americanos foram uma reação a uma "retórica descontrolada" que provou a necessidade urgente de se avançar para uma cimeira. "O seu (Trump) anúncio
repentino e unilateral de cancelar a cimeira foi inesperado para nós e só podemos lamentar".

No entanto, afirmou o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, a Coreia do Norte continua disponível para resolver todas as questões com Washington "a qualquer momento, de todas as formas".

O Presidente dos Estados Unidos cancelou esta quinta-feira a cimeira com Kim Jong-un. Em carta enviada ao líder da Coreia do Norte, entretanto revelada pela Casa Branca, Donald Trump argumentou que a "hostilidade aberta" em declarações recentes impedem a realização, nesta altura, do encontro que estava marcado para 12 de junho.

Um alto responsável da administração Trump afirmou à BBC que a decisão foi tomada devido a uma série de "promessas quebradas" de Pyongyang, nomeadamente quando a Casa Branca enviou altos responsáveis para uma reunião em Singapura preparatória da cimeira. "Os norte-coreanos simplesmente não apareceram", disse.
Coreia do Sul apanhada de surpresa

Numa primeira reação ao fim da cimeira, o presidente da Coreia do Sul mostrou-se "perplexo" e considerou "lamentável" que o encontro tenha sido cancelado.

Moon Jae-in não terá sido informado sobre a decisão de Trump. Só soube quando foi publicamente revelada.

Já esta manhã, a Coreia do Sul apelou a que se mantenha aberta uma linha de comunicação direta entre os líderes da Coreia do Norte e dos EUA. Ao mesmo tempo, Moon Jae-in reafirmou a intenção de manter os esforços de colaboração entre as duas coreias.

Também esta manhã, o Ministério chinês dos Negócios Estrangeiros afirmou a necessidade de Washington e Pyongyang revelarem paciência e tentarem encontrar uma forma de voltarem à mesa das negociações.

Tópicos:

Kim Jong-un, Trump, coreia do Sul, coreia do norte,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.