Covid-19. Bélgica regista primeiro caso da nova variante na Europa

por Andreia Martins - RTP
François Lenoir - Reuters

A Bélgica confirmou esta sexta-feira que foi detetado um primeiro caso no país da nova variante B.1.1.529, identificada pela primeira vez na África do Sul. É o primeiro caso diagnosticado na Bélgica e também no continente europeu.

As autoridades belgas adiantam que se trata de uma jovem adulta sem qualquer ligação a África do Sul ou países da África Austral, mas que manifestou sintomas 11 dias depois de viajar entre a Turquia e o Egito.

A informação foi confirmada esta sexta-feira pelo ministro belga da Saúde, Frank Vandenbroucke. "Temos um caso confirmado desta variante. Trata-se de alguém que chegou do exterior, que testou positivo a 22 de novembro e não foi vacinado", indicou o governante.

A paciente em causa apresentava uma carga viral elevada no momento do diagnóstico e desenvolveu sintomas graves.

Para já, o ministro apelou à calma e contenção: "É uma variante suspeita, não sabemos se é muito perigosa".

Nas últimas horas, vários países do mundo suspenderam - ou preparam-se para suspender - voos de ligação à África Austral, onde foram identificados os primeiros casos da nova variante.
Suspensão de voos também deve incluir "outros países afetados"
Já esta tarde, minutos após a confirmação do primeiro caso na Europa por parte do Governo belga, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, defendeu que todas as ligações aéreas aos países onde foram registados casos da nova variante devem ficar suspensas até que se saibam mais informações sobre a variante B.1.1.529.

"Todas as ligações aéreas para esses países devem ser suspensas até que tenhamos um entendimento mais claro sobre o perigo que esta nova variante representa", afirmou a dirigente europeia em conferência de imprensa, referindo-se a países da África Austral onde foram identificados os primeiros casos.

Os viajantes que regressam desta região devem ainda "respeitar regras rigorosas de quarentena", vincou.

No entanto, a responsável referiu também à suspensão de voos que envolvam "outros países afetados", sem precisar quais. Durante a manhã desta sexta-feira, Ursula von der Leyen tinha anunciado a proposta, por parte da União Europeia, em ativar um um mecanismo travão para suspender voos da África Austral com destino aos Estados-membros da UE.

De destacar que a Bélgica, país onde foi registado o primeiro caso da nova variante da Europa, acolhe grande parte das sedes e instituições da União Europeia.

"Estamos a levar muito a sério as notícias sobre a nova variante altamente mutante. Sabemos que as mutações podem levar ao aparecimento e à propagação de ainda mais variantes do vírus, que se podem disseminar a nível mundial dentro de poucos meses, pelo que é agora importante que todos nós na Europa atuemos muito rapidamente, de forma decisiva e unida", afirmou ainda Ursula von der Leyen.

Este primeiro caso da nova variante na Europa é detetado no dia em que os peritos da Organização Mundial da Saúde se reúnem em Genebra para discutir a mais recente variante de Covid-19, a ser designada uma variante de "interesse" ou de "preocupação".

Discutem-se também as informações disponíveis sobre esta variante e o que podem significar em termos de transmissibilidade e imunidade.

De acordo com os cientistas, a variante B.1.1.529 contém um total de 32 mutações incomuns na proteína spike, a parte do vírus que a maioria das vacinas usa para preparar o sistema imunitário contra a Covid-19. É cerca do dobro das mutações encontradas na variante Delta, altamente transmissível.

Estas mutações podem afetar a capacidade de disseminação do vírus, mas também podem tornar mais difícil a resistência por parte das células do sistema imunitário.
Tópicos
pub