Marcelo sai em defesa do multilateralismo e não aplaude discurso de Trump

| Mundo

|

O Presidente português disse esta terça-feira que optou por não aplaudir o discurso do homólogo norte-americano, Donald Trump, como forma de "obediência" à posição portuguesa na defesa do multilateralismo e do diálogo entre nações. Portugal acredita "acima de tudo na orientação do secretário-geral das Nações Unidas", António Guterres.

Em declarações aos jornalistas à margem da 73ª Assembleia Geral das Nações Unidas, o chefe de Estado português diz que a linha de orientação de Guterres "está correta" e "coincide com a linha que nós defendemos".
 
"Há outras orientações, mas que são diversas das nossas", apontou.  
 

O Presidente da República frisou ainda que Portugal tem como visão a "defesa do multilateralismo e do diálogo". 

 
"Defender a preocupação com as alterações climáticas, defender a concertação permanente para resolver os conflitos mundiais, defender o livre comércio internacional e não o protecionismo", completou.
 
O chefe de Estado revelou ainda que a intervenção que fará na quarta-feira nas Nações Unidas "vai nesse sentido".
 
"Portanto, em função do sentido da intervenção, é natural que, perante as várias intervenções de outros países, nós reajamos em obediência à nossa orientação fundamental. Temos sobretudo de defender aquilo em que acreditamos", apontou.  
 
No discurso dirigido à Assembleia Geral da ONU, o Presidente norte-americano rejeitou a "ideologia do globalismo" em prol da "doutrina do patriotismo".

"Honro o direito de todas as nações do mundo a seguirem e respeitarem os seus costumes, crenças e tradições. Os Estados Unidos não vos vão dizer como viver, trabalhar ou rezar. Apenas vos pedimos para que respeitem também a nossa soberania", frisou Donald Trump. 

Antes, o secretário-geral António Guterres tinha alertado que o “multilateralismo está sob fogo precisamente quando mais precisamos dele”.

Na abertura da reunião anual dos 193 chefes de Estado e de Governo, António Guterres notou que, “entre os países, a cooperação é menos certa e mais difícil”, e ainda que “as divisões no seio do Conselho de Segurança são graves”.

c/ Lusa

A informação mais vista

+ Em Foco

Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

    O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.

      Na Venezuela, os sequestros estão a aumentar. Em Caracas, só este ano foram raptadas 107 pessoas.

        Faltam seis meses para a saída do Reino Unido da União Europeia. Dia 29 de março de 2019 é a data para o divórcio. A RTP agrega aqui uma série de reportagens sobre o que o Brexit pode significar.