Florence: “grande ameaça” nos próximos dias

| Mundo

|

O furacão Florence, que esta sexta-feira atingiu a costa atlântica dos Estados Unidos, representa uma “grande ameaça” nas próximas 24 a 36 horas, alerta a Agência Federal das Situações de Emergência dos Estados Unidos.

O Florence, que chegou acompanhado de chuvas diluvianas e ventos fortes, tocou terra no Estado da Carolina do Norte e já causou enormes inundações.

“Persistirá uma grande ameaça durante mais 24 a 36 horas”, nomeadamente por causa do grave risco de inundações, alertou Jeff Byard, responsável da FEMA.

O furacão desloca-se, de forma lenta, pelos Estados da Carolina do Norte e da Carolina do Sul e Virginia. O Florence deve descarregar o equivalente a oito meses de chuva, em apenas dois ou três dias.


Os Estados da Carolina do Norte e da Carolina do Sul deverão continuar a ser fortemente fustigados pelo furacão durante o fim de semana.

Os meteorologistas da Agência Federal Oceânica e Atmosférica (NOAA) sublinharam que o Florence “está a avançar lentamente” e, portanto, “despejará” as suas chuvas torrenciais sobre as mesmas regiões durante longas horas.

Os solos já estão ensopados de água, após duas semanas de chuva, e o risco de inundações súbitas é, por isso, muito elevado, mesmo no interior, disse Byard na mesma ocasião.As autoridades consideram que o Florence é a tempestade mais forte a afetar a região nas últimas três décadas.

Algumas zonas inundadas são demasiado perigosas para que “as equipas de socorro intervenham”, explicou o responsável, lamentando que haja pessoas que não cumpriram a ordem de evacuação.

Os ventos fortes, com rajadas que atingem os 140 quilómetros por hora, têm provocado várias quedas de árvores.

Mais de um milhão e meio de pessoas foram obrigadas a abandonar as suas casas umas foram para casas de familiares e outras foram colocadas em abrigos. Primeiras vítimas mortais
Na cidade de Wilmington, na Carolina do Norte, a primeira localidade da costa Este dos EUA a ser atingida pelo furacão Florence, os ventos fortes fizeram cair uma árvore em cima de uma casa, o que provocou dois mortos e um ferido grave.

A polícia da localidade confirmou, na rede social Twitter, que as vítimas são uma mulher e o seu filho, uma criança. O pai foi transportado ao hospital, desconhecendo-se a gravidade do seu estado.

“Uma mulher e o seu bebé morreram quando uma árvore caiu sobre a sua casa. O pai está ferido” e hospitalizado, escreveu a polícia.

Outra mulher, que sofria de problemas de saúde, faleceu, de ataque cardíaco, em Pender County depois de pedir ajuda.

O Florence dirige-se para oeste a 9 quilómetros por hora, o que o levará ao interior da Carolina do Norte e depois para o estado vizinho da Carolina do Sul.

No Estado da Carolina do Norte, mais de 500 mil militares estão a postos para apoiar a população atingida pelo furacão.

O Florence poderá deixar 2,4 milhões de pessoas sem energia elétrica. Só na Carlina do Norte, mais de 634 mil casas e empresas estão sem eletricidade.

A Casa Branca já anunciou que o Presidente Donald Trum se vai deslocar, a meio da próxima semana, às zonas afetadas pelo furacão Florence.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, afirmou que nenhum cidadão português sofreu prejuízos na passagem do furacão Florence e que o Governo está a acompanhar o alerta de super tufão em Macau.

C/Lusa

Tópicos:

Carolina do Norte, Carolina do Su, Chuva, Florence, Virginia, vento, Furacão,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.