Morreu Stephen Hawking

| Mundo

Stephen Hawking morreu aos 76 anos
|

O físico inglês, paralisado por uma doença degenerativa, que se tornou conhecido por produzir algumas das teorias mais importantes da física moderna, morreu esta quarta-feira.

Stephen Hawking tinha 76 anos. A notícia foi avançada por um porta-voz da família.

Stephen Hawking estava profundamente debilitado. O cientista sofria de uma doença degenerativa há vários anos. Só se movia em cadeira de rodas e recorria a um computador para poder falar.

Entre as teorias mais célebres de Stephen Hawking está uma relacionada com a formação do universo e com buracos negros.


O cientista britânico morreu na sua residência, na cidade inglesa de Cambridge. Sua família enviou uma declaração oficial à imprensa confirmando a morte do físico e cosmólogo. Lucy, Robert e Tim, seus filhos, afirmaram que Hawking era "um grande cientista e um homem extraordinário cujo trabalho e legado viverão por muitos anos".

Considerada uma das mentes mais brilhantes da história da ciência, ele fez grandes contribuições à comunidade científica, com teorias como a do espaço-tempo e do funcionamento dos buracos negros, a partir das quais conseguiu aproximar o público de temas que poderiam parecer complexos para muitos.

Hawking realizou seu trabalho académico nas universidades britânicas de Oxford e Cambridge. Autor de best-sellers como "Uma Breve História do Tempo" e "O Universo numa Casca de Noz", o cientista foi responsável por popularizar a física teórica junto de um público leigo.

A informação mais vista

+ Em Foco

A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

    Marco Aurélio de Mello considera que a prisão de Lula da Silva, após condenação em segunda instância, viola a Constituição brasileira.

      Sintra podia ser uma "mini Davos". A sugestão foi feita informalmente por um dos académicos que participou na reunião do BCE concluída em 20 de junho.

        Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.