Não há respeito pelos Direitos Humanos na Guiné Equatorial

por Frederico Moreno

Luc Gnago, Reuters

É uma realidade que entra em contradição com os princípios básicos da Comunidade de Países de Língua Portuguesa. Várias organizações e observadores consideram que a Guiné Equatorial ainda tem um longo caminho a percorrer no campo do respeito pelos Direitos Humanos.

O novo membro da CPLP aplicava até há bem pouco tempo a pena de morte e é apontado como uma das ditaduras mais corruptas do mundo.

Por outro lado, a enorme riqueza obtida através do petróleo, a partir da década de 1990, agudizou os desequilíbrios no país e, segundo várias organizações de defesa dos direitos humanos e também de antigos habitantes do país, fomenta a corrupção e o enriquecimento ilícito.

A Guiné Equatorial é o terceiro maior exportador de petróleo de África mas a maioria da população vive abaixo do limiar da pobreza.

C/ Ana Laura
pub