Presidente do México pede "frente comum" para a reconstrução

| Mundo

O Presidente do México, Enrique Peña Nieto, convocou na segunda-feira a formação de uma "frente comum" do Governo e da iniciativa privada para lançar a reconstrução das zonas afetadas pelo forte sismo de quinta-feira.

Durante uma visita ao estado de Chiapas, no sudoeste do país, Peña Nieto afirmou que os objetivos do Governo passam por dar atenção à população afetada, contabilizar os danos em infraestruturas e avançar com o processo de reconstrução.

Um sismo de magnitude 8,2 sacudiu o México na quinta-feira, fazendo 96 mortos, segundo o mais recente balanço oficial.

O chefe de Estado mexicano afirmou que "estão a ser distribuídas diariamente quase 100 mil refeições diárias, mais de 100 toneladas de alimentos, 45 mil litros de água, quase 100 colchões e cobertores", números que vão aumentando.

Relativamente à contabilização dos estragos em infraestruturas, incluindo habitações, assinalou que grande parte do gabinete presidencial encontra-se destacada em Chiapas e Oaxaca para realizar esta tarefa, que se espera terminada até ao final de semana, de modo a planear-se a terceira etapa: a reconstrução.

Peña Nieto expressou o desejo de que com a participação, que espera "copiosa, ativa e muito comprometida", do setor privado, sobretudo de construtoras, se possa estabelecer um plano e "fazer uma frente comum" para realizar a reconstrução.

Neste sentido, indicou que o Governo fará a sua parte, nomeadamente com o apoio das Forças Armadas.

"Contudo, creio que podemos tornar esta tarefa muito mais célere se contarmos, de forma solidária, com o apoio do setor privado", realçou o chefe de Estado mexicano.

Tópicos:

Chiapas,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Kim e Donald passaram do insulto à vontade mútua de fazer história. Bem-vindos à era das ilusões.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.