Secretário-geral da NATO diz que Portugal tem margem para aumentar gastos com Defesa

| Mundo

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, defendeu hoje que Portugal deve aproveitar o crescimento económico para gastar mais em Defesa e mostrou-se confiante de que todos os aliados possam atingir os 2% de investimento até 2024.

"Portugal começou a aumentar o orçamento da Defesa e vemos que, com o crescimento económico que está a registar, há mais margem para o aumento dos gastos em Defesa", disse, defendendo ainda que os Aliados têm de investir mais e melhor neste setor.

O secretário-geral da NATO recordou que cada país apresentou um plano para atingir o compromisso estabelecido em 2014, quando, na cimeira da Aliança Atlântica, realizada no País de Gales, os aliados se comprometeram a, no espaço de 10 anos (até 2024), destinar 2% do Produto Interno Bruto a despesas militares. Atualmente, Portugal canaliza 1,32% do PIB para este setor.

Jens Stoltenberg congratulou-se ainda pelo crescimento de 5% alcançado em 2017 no investimento dos aliados na organização, lembrando que o reforço é "muito maior" do que se poderia pensar em 2014.

"Depois de anos de queda, desde 2014 que assistimos ao crescimento no investimento em Defesa por toda a Europa. Os planos nacionais demonstram que podemos esperar um crescimento ainda maior. Este ano, esperamos que oito Aliados atinjam o objetivo dos 2%, e que até 2024 outros 15 países o façam", enunciou em conferência de imprensa, na sede da organização, em Bruxelas.

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte considerou que este é "um progresso substancial", mas sublinhou que ainda há um longo caminho a percorrer

Questionado sobre se o reforço do investimento em Defesa da União Europeia, nomeadamente através do Fundo Europeu de Defesa e da PESCO (Cooperação Estruturada Permanente nas áreas da defesa e segurança na Europa), pode levar a entidade comunitária a competir com a NATO, Stoltenberg foi perentório.

"Os esforços da UE na Defesa vão ser complementares à NATO. Vão ser uma alternativa, não vão competir com a NATO. Penso que esse esforço pode fortalecer a NATO, a Europa e a UE. Ao fortalecermos o pilar da defesa na Europa, estamos a fortalecer a NATO", advogou.

O secretário-geral, que falava na antevisão da reunião de ministros da Defesa da Aliança Atlântica, que vai decorrer quarta e quinta-feira, em Bruxelas, recordou que "mais de 90% das pessoas que vivem na UE fazem parte da NATO".

"Os nossos Aliados estão cientes que a sua defesa depende da NATO, sobretudo depois do `Brexit`. 80% das nossas forças militares depois da saída do Reino Unido [da UE] virá de países não comunitários. Não há forma de a UE substituir a NATO, mas o maior investimento na defesa vai fortalecer o pilar da defesa da Europa. Os nossos aliados asseguraram-nos que não querem duplicar a NATO. Isto foi-nos reiterado pela UE, nas várias conversas que tivemos", sublinhou.

Para Stoltenberg, é preciso "evitar novas barreiras dentro da NATO", pelo que uma indústria da defesa comunitária mais competitiva seria bem-vinda.

AMG // VM

Tópicos:

PESCO, Tratado,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.