Alexandre Brito

Quanto vale Neymar? Basta olhar para a conta dele... a do Instagram e do Facebook

Depois da contratação do jogador brasileiro pelo Paris Saint-Germain, que pagou 222 milhões de euros ao Barcelona, a pergunta que muitos colocam é: vale esse dinheiro? O PSG vai alguma vez recuperar o investimento? Provavelmente não. Mas para avaliar este negócio é preciso olhar com atenção para uma realidade que ganha cada vez mais força no mundo do futebol. E que está relacionada com o mundo digital, com as redes sociais.

Em campo não há dúvida de que estamos perante um dos melhores jogadores do mundo. É novo, ainda tem uma longa carreira pela frente, e já provou que pertence à elite dos atletas de futebol. A par, por exemplo, de Cristiano Ronaldo e Messi.

Mas um jogador leva uma equipa aos títulos? Não. Sozinho não. O que terá então levado o Paris Saint-Germain a pagar 222 milhões pelo brasileiro?

Em primeiro lugar foi a forma mais rápida de colocar o clube no pequeno grupo de equipas com impacto mundial. O Real Madrid, o Barcelona ou o Manchester United já lá estão. O PSG não estava. Entrou agora.

De um dia para o outro o clube francês é falado em todo o mundo. Foi Neymar que tornou isso possível. Porquê?

Basta olhar para duas contas de Neymar (que não a do banco): Facebook e Instagram.

No Instagram, Neymar tem mais de 79 milhões de seguidores. Uma simples fotografia que colocou com a camisola do PSG - e lá estavam os patrocinadores oficiais do clube - teve mais de dois milhões e meio de gostos. No Instagram, Neymar tem mesmo mais seguidores do que a Nike. A marca anda lá próximo, com cerca de 73 milhões de seguidores, mas não chega ao número de Neymar.

No Facebook o fenómeno é idêntico. A página de Neymar é seguida por 60 milhões de pessoas. A Nike, uma vez mais em comparação, tem cerca de 29 milhões.

No mundo do futebol só Cristiano Ronaldo consegue superar estes números.

E por que é que isto é importante? Já acontece, mas o impacto da publicidade, direta e indireta, vai passar, nos próximos tempos, cada vez mais pelo digital, pelas redes sociais.

Neymar sabe isso. O PSG também.

Se olharmos até para a forma como o futebol é consumido nos dias de hoje, em canais premium dependentes de uma subscrição paga, facilmente se percebe que cada vez menos pessoas têm contacto com as transmissões dos jogos. Ou seja, a publicidade tem que encontrar alternativas para atingir mais pessoas. O truque, digamos assim, está nas redes sociais.

O mundo digital terá ainda mais força quando empresas como a Amazon ou o Facebook tomarem o lugar das televisões.

Ainda recentemente, por exemplo, foi anunciado que a Amazon comprou os direitos de transmissão do circuito ATP de ténis no Reino Unido. A Sky perdeu esse jogo.

O Facebook continua a querer entrar em força no mundo do vídeo. Já transmitiu em direto, por exemplo, os treinos das seleções nacionais durante o europeu de futebol. E espera-se que possa reforçar essa presença com a compra de direitos desportivos.

Perante isto, a Google, com o YouTube, também vai ter que marcar espaço.

Quando a guerra dos direitos das transmissões desportivas passar de vez para este campo, alguma televisão terá força financeira para fazer frente? Duvido.

É por este campo, do digital, que as transmissões de deporto vão passar nos próximos anos.

O PSG sabe isso. Neymar também. E já estão a ganhar.

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O verão acabou e com ele as horas de lazer nas praias. Mas a presença humana nestes locais ainda se faz sentir.

      Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.