Casas devem ser preparadas para aguentar sismos pouco intensos

| País
Casas devem ser preparadas para aguentar sismos pouco intensos

A ver: Casas devem ser preparadas para aguentar sismos pouco intensos

Foto: Rafael Marchante - Reuters

Os especialistas não estão preocupados com o sismo sentido esta manhã em toda a zona de Lisboa e que registou uma magnitude de 4.3 na escala de Richter.

O engenheiro Carlos Sousa Oliveira, do Instituto Superior Técnico, refere que tem havido vários sismos, mas sublinha que este foi o que teve maior magnitude, dentro dos padrões normais.

O epicentro do sismo desta quinta-feira, em Sobral de Monte Agraço, fica relativamente perto de Benavente, onde em 1909 se deu um sismo de magnitude 6.3. Um abalo semelhante "pode ocorrer a qualquer altura", referiu ainda o engenheiro do IST.

Quanto ao futuro é "prematuro fazer alguma coisa". "Temos de estar com atenção", afirma.

"Os sismos nunca são previsíveis", lembra, mas têm um histórico que se repete. Contudo "as roturas que se dão nas falhas não se antecipam".

Este sismo, explica Carlos Sousa Oliveira, teve um dos valores de magnitude mais alto do período recente, o que nos mostra que "a terra está viva" e requer "atenção".

No IST existe um curso para preparar as pessoas para sismo de fraca intensidade mas que podem derrubar objetos ou prateleiras.

O curso passa por ensinar as pessoas a reagir e a preparar uma casa para um terramoto.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Em abril, uma cimeira histórica entre Coreias reaproximou dois países de costas voltadas há mais de 60 anos. O que esperar do futuro?

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.