Encerramento de balcões dos CTT gera protestos nas ruas

| País

Populares em protesto contra o fecho dos Correios na Areosa, Porto
|

O anúncio do encerramento de 22 balcões dos CTT no princípio do ano motivou esta sexta-feira protestos em diferentes municípios. Dezenas de pessoas juntaram-se em Alpiarça, Areosa e Santo António, no Funchal, para exigir a manutenção dos postos a abater ao abrigo da reestruturação dos Correios.

Alpiarça foi um dos municípios onde se registaram concentrações. Ali pediu-se que o posto dos CTT local se mantenha em funções. O presidente da Câmara, Mário Pereira, esteve presente e explicou à imprensa que os Correios deixaram em aberto a continuação do espaço.

“Apresentamos aquilo que são os aspetos mais sensíveis deste processo e que mexem com a nossa população. Essas preocupações foram acolhidas pelo conselho de administração e serão a base para a discussão nas próximas semanas”, declarou Mário Pereira.


O líder daquela autarquia do distrito de Santarém disse que enquanto continuar a haver contactos com a administração o posto dos correios vai manter-se aberto.

Mário Pereira lembrou a importância de continuar a ter no município os CTT, que servem perto de oito mil pessoas e afiguram-se como um serviço fundamental, sobretudo para os idosos. Muitos têm acesso à reforma a partir do posto dos Correios.

O autarca lembrou que, apesar da privatização dos CTT, a empresa tem de manter o princípio de serviço público ao invés do princípio económico, revelando que o posto de Alpiarça não dá prejuízo.

Fernanda Granel, da CUSP, lembrou que a estação de correios não pode sair de Alpiarça devido à importância que tem para a população idosa do município e que a papelaria que se encontra por perto não cobre os mesmos serviços.

Dina Serranho, da direção nacional do Sindicato dos Correios e Telecomunicações, deixou fortes críticas à administração dos CTT, afirmando que o encerramento dos postos serve apenas para dar dinheiro aos acionistas de uma empresa que não está a servir bem as populações.
Esquerda critica fecho em Santarém
O PS mostrou-se indignado pelo encerramento dos postos de correio de Alpiarça e Alferrarede, lançando uma questão ao Governo sobre se conhece os critérios que estão a levar ao encerramento dos balcões dos CTT.

Uma questão que está a ser corroborada por BE e PCP, havendo uma grande preocupação por parte dos três partidos em relação à qualidade apresentada pelos serviços que devem ser de utilidade pública.

Os deputados pertencentes ao Partido Socialista de Santarém afirmam que o serviço de correios é preponderante para manter a “coesão territorial, soberania e integração”, lembrando que os CTT sempre foram uma empresa de referência em Portugal enquanto esteve sob tutela pública.

O BE também não percebe as notícias que anunciam o encerramento dos postos de Alpiarça e Alferrarede e lembra que o partido apresentou, há menos de um mês, um projeto de lei para que os CTT fossem novamente nacionalizados.
Areosa contra encerramento
Em Rio Tinto repetiu-se o cenário de Alpiarça. Dezenas de populares juntaram-se para contestar o fecho do posto da Areosa, pedindo um serviço de correios público e com qualidade, deixando críticas a decisões “meramente económicas”.

Com vários cartazes a pedir a manutenção do posto dos CTT na Areosa, a população que se concentrou gritou que os “CTT são do povo, não podem fechar”. Os correios da Areosa estão localizados na fronteira dos concelhos de Gondomar, Porto e Maia e serve, aproximadamente, perto de 20 mil pessoas.

O vereador do PCP na Areosa esteve presente no local e criticou a decisão de fechar o balcão que diz ter um grande impacto na população, acusando a administração da empresa de “fechar serviços de forma cega”.

De acordo com Daniel Vieira o posto apresenta afluência de muita gente, tendo, frequentemente, filas e relembrou que este encerramento se deve à privatização dos CTT e más decisões de inúmeros executivos.
Freguesias do Funchal surpreendidas
A freguesia de Santo António, no concelho do Funchal, acordou com espanto após ter conhecimento do encerramento do posto dos CTT. A população ali residente diz que o fecho do posto, ao qual se soma o encerramento do balcão do Arco da Calheta, está a causar vários constrangimentos.

O posto de Santo António já servia a população há 25 anos e estava acessível a 28 mil pessoas.

A Junta de Freguesia de Santo António já se mostrou indignada com o encerramento do posto, que aconteceu a 15 de dezembro, e revela que as alternativas apresentadas não estão a servir bem as população desta região do arquipélago da Madeira.

c/ Lusa

Tópicos:

Alpiarça, Areosa, Madeira, Protesto, Correios,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.