Reportagem

Incêndios em Portugal. A situação ao minuto

por RTP

O incêndio em Tomar, que lavra desde as 16h00, mobiliza mais de 500 bombeiros. O vento forte está a dificultar as operações. Um avião de combate aos incêndios teve de amarar na barragem de Castelo de Bode. Há registo de um bombeiro com ferimentos ligeiros. Quatro pessoas foram assistidas.

Mais atualizações

Ponto de situação – Três fogos ativos e 90 por cento do perímetro do incêndio de Tomar em resolução

Às 00h20, estavam ativos em Portugal três incêndios, mobilizando 744 operacionais e 221 veículos.

A ocorrência a envolver mais meios de combate é o fogo que deflagrou em Tomar, às 16h10 e que tem vindo a consumir povoamento florestal, passando para os concelhos de Abrantes e Constância. O fogo foi dado como dominado no concelho de Tomar ao início da noite. No local, permaneciam, à meia-noite, 565 operacionais e 163 veículos.

O comandante distrital de Santarém revelou à RTP, que 90 por cento do perímetro do incêndio estava já em resolução, com duas frentes ativas em locais de difícil acesso.

O responsável argumentou que o vento foi o principal inimigo do combate às chamas, com rajadas que chegaram aos 100 km/hora, de forma errática, o que gerou muitas projeções e uma dificuldade acrescida para o trabalho dos bombeiros.

O fogo dirigia-se para Constância à meia-noite, mas sem risco para as populações. “Não há risco para Constância, nem para qualquer aglomerado urbano”, assegurou Mário Silvestre.


Durante a tarde as chamas chegaram a ameaçar várias casas, mas não chegou a ser necessário evacuar qualquer localidade. Quatro pessoas foram assistidas e um bombeiros sofreu ferimentos ligeiros.


Um avião de combate a incêndios, um canadair, teve de amarar na barragem de Castelo de Bode, por problemas no motor. A equipa que operava o aparelho saiu ilesa e registaram-se apenas danos materiais.

Um bombeiro teve ferimentos ligeiros e foi transportado para o hospital. Um carro dos bombeiros ficou danificado.

No Sabugal, estavam no terreno 179 operacionais e 58 veículos, num incêndio que consomia mato.

Às 23h59 deflagrou um incêndio em Moura, Beja, de caráter agrícola.

00h02 - 90 por cento do perímetro do incêndio de Tomar em resolução

O comandante distrital de Santarém, Mário Silvestre, revelou à RTP que 90 por cento do perímetro de incêndio está em resolução. Existem ainda duas "pequenas frentes ativas" porque se trata de zonas a que os meios não conseguem chegar.

23h05 - Incêndio lavra com intensidade

O vento ainda não acalmou nos concelhos de Abrantes e Constância. As chamas continuam a lavrar com intensidade. Os meios no terreno, 575 operacionais e 165 viaturas, tentam aproveitar a noite para tentar travar a progressão das chamas, que começaram em Tomar.


22h10 - 150 operacionais combatem fogo no Sabugal

Cerca de 150 operacionais estão a combater o incêndio que deflagrou hoje no concelho do Sabugal, mas, pelas 22h00, apenas "a cabeça" do fogo estava ativa, segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro da Guarda.

Segundo a mesma fonte, as chamas estão a consumir "com alguma intensidade" uma zona de mato e não existem casas em risco.

"O incêndio já teve duas frentes ativas, mas neste momento só a cabeça é que está ativa", acrescentou a fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) da Guarda.

O incêndio deflagrou pelas 17h50 na freguesia de Sortelha, concelho do Sabugal, distrito da Guarda.

22h00 - Tomar. Incêndio longe de estar controlado

Com mais de meio milhar de operacionais no terreno, o incêndio de Tomar ainda está longe de estar controlado. Com o cair da noite, os meios aéreos deixaram de trabalhar.


21h45 - Vento não dá tréguas

O comandante David Lobato, do Comando Distrital de Santarém, explicou que o vento forte está a dificultar os trabalhos dos bombeiros. As chamas continuam a lavrar com intensidade já nos concelhos de Abrantes e Constância.

O fogo está próximo de habitações, mas não as está a ameaçar, assegura o comandante, em declarações à Antena 1.

21h20 - Quase meia centena de operacionais no terreno

Há 497 operacionais a combater as chamas em Tomar, apoiados por 145 viaturas.

Em Portugal, há 5 incêndios ativos, com 765 bombeiros e 227 viaturas empenhados.

20h30 - Fogo esteve perto de habitações

As chamas já estiveram perto de habitações. Joaquina Morgado relata que o vento foi o responsável pelo avançar do fogo. A casa foi salva, com a ajuda dos bombeiros, mas ardeu uma ampla extensão de sobreiros, vinhas e oliveiras.

O fogo terá uma extensão de quase oito quilómetros, de acordo com os bombeiros de Constância.

20h00 - Viatura dos bombeiros danificada

No combate às chamas, um bombeiro ficou ferido e a vitaura em que seguia ficou danificada.

As chamas já estiveram perto de habitações.

19h30 - Casal da Serra evacuada

A localidade de Casal da Serra foi evacuada, devido ao fumo. Todos os habitantes foram retirados.

Os bombeiros de Constância estimam que a frente de fogo tem cerca de 7 a 8 quilómetros de extensão, lavrando com muita intensidade.

O fogo lavra já em três concelhos: Tomar, Constância e Abrantes.

19h26 - Sobe número de operacionais em Tomar

Neste momento, a página da Proteção Civil indica que em Tomar estão mobilizados 378 operacionais, 102 viaturas e dez meios aéreos.

19h20 - Proteção Civil confirma amaragem sem registo de feridos

Em nota enviada às redações, a Autoridade de Emergência e Proteção Civil indica que “um avião anfíbio pesado (Canadair CL215), de indicativo operacional Alfa 2, do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais, amarou esta tarde na Barragem de Castelo de Bode, após abortar a descolagem na sequência de uma operação de scooping”.

“O alerta foi dado às 17h43. A tripulação saiu ilesa, havendo a registar apenas pequenos danos materiais”, refere a ANEPC.

19h00 - Canadair obrigado a amarar devido a problema mecânico

O comandante David Lobato, do Comando Distrital de Santarém, explicou ainda à Antena1 que um avião Canadair de combate a incêndios foi obrigado a amarar após uma falha no motor.

Não há registo de qualquer ferido nesta situação. O comandante não confirma a informação que tem sido avançada de que um carro de bombeiros terá ardido.

Há registo de um bombeiro que sofreu ligeiras queimaduras e é considerado ferido ligeiro.

18h35 - Cinco incêndios em curso

Há, neste momento, cinco incêndios em curso em Portugal que mobilizam 381 operacionais, 96 viaturas e 16 meios aéreos. O fogo em Tomar é aquele que reúne mais meios.

18h20 - Incêndio em Tomar com uma frente "muito ativa"

À RTP, o segundo comandante dos bombeiros de Tomar, Vítor Tarana, revelou que o fogo lavra com uma frente muito ativa. O incêndio já entrou no concelho de Abrantes e pode ainda entrar no concelho de Constância.

O responsável assegurou que todas as infraestruturas e pontos sensíveis, como um parque de campismo ou infraestruturas da EPAL e da REN, estão protegidas. Não há habitações atingidas, não tendo sido necessário evacuar qualquer local até agora.

No local estão a operar seis meios aéreos, sendo que o vento a soprar forte, está a dificultar as operações.

18h00 - Incêndio em Tomar é o que mobiliza mais meios

Pelas 17h20, o combate às chamas estava a ser assegurado por 169 operacionais, auxiliados por 38 veículos e nove meios aéreos, de acordo com Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC). Cerca de meia hora depois, perto das 18h00, o reforço de meios era evidente, com 282 operacionais, 74 veículos e 11 meios aéreos.

A lavrar numa zona de "povoamento florestal", o incêndio deflagrou, pelas 16h10, na localidade de Contraste, na freguesia de São Pedro de Tomar, no concelho de Tomar, refere a ANEPC, na sua página na Internet.