Autárquicas 2021. Beja

por RTP
Imagem de drone: RTP | Grafismo: RTP

Conheça os candidatos, os números do concelho e os resultados das últimas eleições autárquicas de 2017.

Na contagem decrescente para as Eleições Autárquicas, que terão lugar no final do mês de setembro, a RTP realiza um ciclo de 22 debates. Reveja aqui o debate de Beja na íntegra.
Candidatos à Presidência da Câmara
Gonçalo Monteiro - BE
Gonçalo Monteiro tem 31 anos de idade, é gestor comercial. Gonçalo Monteiro é militante do Bloco de Esquerda há mais de 10 anos e, em 2017, foi cabeça de lista pelo BE à União de Freguesias de Pontinha e Famões, no concelho de Odivelas, tendo desempenhado funções autárquicas na respetiva Assembleia de Freguesia, bem como, na Assembleia Municipal. Regressou a Beja em 2018.

Nuno Palma Ferro - “Beja Consegue” (PSD, CDS, PPM, IL, Aliança)
Nuno Palma Ferro, de 50 anos, lidera a candidatura “Beja Consegue”. Professor de Matemática, com experiência no ensino básico, secundário e superior. Tem mestrado em Ensino pela Universidade de Évora.

Nasceu em 1970, Luanda e é habitante de Beja desde 1971.

Antigo presidente da associação de Patinagem do Alentejo (2004-2016).

Paulo Arsénio - PS
O atual presidente da Câmara de Beja recandidata-se ao Paulo Arsénio, de 49 anos, foi eleito presidente da autarquia há quatro anos.

Natural de Évora, Paulo Arsénio é licenciado em História pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde também se pós-graduou em História Contemporânea (séculos XIX e XX). Reside em Beja desde 1982, altura em que regressou, com 11 anos, da República Federal da Alemanha.

Técnico de administração tributária adjunto na Direção de Finanças de Beja, é militante do PS desde 1991 e atual presidente da concelhia de Beja. Entre março de 1998 e outubro de 1999 foi deputado socialista eleito pelo círculo de Beja, além de presidente da Juventude Socialista do Baixo Alentejo de 1998 a 2000.

Pedro Pinto - Chega
Pedro Pinto, empresário e jornalista, 44 anos, foi o cabeça-de-lista do partido CHEGA pelo círculo de Beja nas legislativas de Outubro. É também o secretário-geral do partido, Presidente Comissão Política Distrital do Chega . Pedro Pinto é natural de Portalegre, mas grande parte da sua família vive no Distrito de Beja, particularmente no concelho de Moura.

Antigo director da Revista “Ruedo Ibérico”, Pedro Pinto pretende ser o candidato pela defesa da tauromaquia, "querendo ser a voz da festa brava no parlamento", como explica uma nota de imprensa.

Vítor Picado - CDU
Vítor Picado, de 44 anos, natural da freguesia de Cabeça Gorda é o candidato da CDU à Câmara Municipal de Beja. De 2009 a 2013 integrou o Executivo da Câmara Municipal de Beja, enquanto vereador eleito pela CDU em regime de não permanência. No mandato seguinte, entre 2013 e 2017, foi vereador, desempenhando também as funções de vice-presidente. Em outubro de 2017 volta a ser vereador sem pelouro em regime de não permanência.

Vítor Picado é licenciado em Psicologia Educacional, pelo Instituto Superior de Psicologia Aplicada e possui uma pós graduação em Psicologia da Educação na área de Especialização de Necessidades Educativas Especiais, pelo Instituto Politécnico de Beja e Universidade do Algarve. É militante do Partido Comunista Português e membro da Comissão Concelhia de Beja do PCP.
Beja em númerosPopulação: 33 401 (-6,8% em relação a 2011)
N.º de eleitores: 28 723
Desemprego: 5,9%
Setor com mais trabalhadores: Agricultura (31,6%)
Rendimento médio mensal: 1 102€

Notas metodológicas: A RTP reuniu os dados de cada concelho no que diz respeito à população, rendimento médio mensal, setores dominantes na economia e taxa de desemprego. Para além dos concelhos capitais de distrito, damos destaque a outros quatro concelhos por decisão editorial. São eles: Almada, Amadora, Figueira da Foz e Odemira.
Nos casos de Odemira, Faro e Lisboa, por terem um número elevado de estrangeiros residentes, incluímos também a percentagem de cidadãos estrangeiros no total da população.
A nível da população, conta o número absoluto de pessoas apurado no Censos 2021 e a variação percentual em relação ao Censos anterior (2011). Já o número de eleitores diz respeito a junho de 2021, conforme consta em Diário da República n.º116/2021, Série de 2021-06-17.
Quanto ao rendimento médio mensal, contabiliza-se o valor em euros do rendimento dos trabalhadores por conta de outrem em 2019. Para efeitos de comparação, a média nacional era de 1.206€, mas apenas seis concelhos analisados igualam ou estão acima desse valor.
Em relação ao setor com mais trabalhadores, é apresentado nesta infografia o que obteve a percentagem mais elevada de respostas por concelho, ou seja, aquele que em cada concelho emprega mais pessoas. Os dados são relativos a 2019, mas refletem a tendência dos últimos anos.
Contamos ainda com os dados do desemprego, com a percentagem de desempregados inscritos no IEFP em 2020. Para comparação, a percentagem nacional foi de 5,8 por cento.
Por fim, lembramos também os resultados de há quatro anos, nas Eleições Autárquicas de 1 de outubro de 2017.
Fontes: INE, PORDATA, IEFP, Secretaria-Geral da Administração Interna

Tópicos
pub