Eleições. Emigrantes elegem dois deputados do PS e dois do PSD

por RTP
O PS venceu as legislativas de 6 de outubro com 36,34% dos votos Luís Ruivo - Lusa

Os votos dos emigrantes portugueses já foram contados e elegeram dois deputados do PS e dois do PSD. Esta é a primeira vez em 20 anos que o Partido Socialista elege um deputado pelo círculo eleitoral de Fora da Europa.

Pelo PS foram eleitos Augusto Santos Silva pelo círculo eleitoral de Fora da Europa - sendo que será substituído por Paulo Porto Fernandes quando assumir a pasta dos Negócios Estrangeiros - e Paulo Pisco pelo círculo da Europa.

O PSD vê eleito José Almeida Cesário pelo círculo eleitoral de Fora da Europa e Carlos Gonçalves pelo círculo da Europa.
Assim, o PS venceu as legislativas de 6 de outubro com 36,34% dos votos e um total de 108 deputados. O PSD foi o segundo partido mais votado, com 27,76% dos votos e 78 deputados.

Elegeram ainda deputados para a Assembleia da República BE (9,52% dos votos e 19 deputados); CDU (6,33% e 12 deputados); CDS-PP (4,22% e 5 deputados); PAN (3,32% e 4 deputados); Chega (1,29% e 1 deputado); Iniciativa Liberal (1,29% e 1 deputado) e Livre (1,09% e 1 deputado).

O PS venceu sem maioria absoluta, para a qual precisaria de, pelo menos, 116 deputados.
PS elege 20 anos depois
O PS conseguiu eleger um deputado pelo círculo eleitoral Fora da Europa 20 anos depois de o ter feito, desta vez o atual ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

A última vez que os socialistas tinham conseguido eleger um deputado pelo círculo Fora da Europa foi nas legislativas de 1999, quando António Guterres era líder do PS e primeiro-ministro e conseguiu exatamente metade dos mandatos na Assembleia da República.

O PS conseguiu então vencer a eleição nos círculos da emigração, elegendo os dois deputados pelo círculo da Europa e um pelo de Fora da Europa, que se somaram aos 112 eleitos no continente e regiões autónomas.

Com metade dos deputados, os socialistas foram então obrigados a negociar a aprovação dos orçamentos, a última das vezes com a colaboração do deputado dissidente do CDS Daniel Campelo, ex-presidente da Câmara de Ponte de Lima, no que viria a ser conhecido como o orçamento limiano.

Desde então o PS tem vindo a conseguir equilibrar a eleição no círculo da Europa, dividindo os dois deputados com o PSD, mas perdendo os outros dois mandatos para o PSD por Fora da Europa.

c/ Lusa
Tópicos