Sondagem da Católica. PSD vence regionais da Madeira mas deixa escapar maioria absoluta

por RTP
A sondagem que aponta para o fim da hegemonia laranja na Madeira foi realizada pelo CESOP–Universidade Católica Portuguesa para a RTP durante o fim de semana que passou Gregório Cunha - Lusa

Uma sondagem da Universidade Católica Portuguesa realizada no último fim-de-semana aponta para o fim da hegemonia laranja na Madeira, apesar da vitória do PSD nas regionais (38%) do próximo dia 22 de setembro. Os números (apenas 23 deputados) indicam um cenário novo nas últimas quatro décadas no arquipélago, com o fim do ciclo de maiorias absolutas dos social-democratas. O PS surge em segundo lugar, a nove pontos percentuais dos social-democratas, num registo de 29% de votos que poderá valer 18 dos 47 deputados da assembleia legislativa madeirense.

A sondagem que aponta para o fim da hegemonia laranja na Madeira foi realizada pelo CESOP–Universidade Católica Portuguesa para a RTP durante o fim de semana que passou, de 14 e 15 de setembro.

De acordo com os dados agora revelados, o PPD/PSD deverá ter a preferência de 38% dos eleitores (valor calculado a partir de uma intenção direta de voto de 28%), enquanto o PS regista a preferência de 29% do eleitorado (a partir de uma intenção de 21%). De acordo com esta contabilidade, os social-democratas garantem apenas 23 deputados, ficando a um assento da margem mínima de 24 que assegura a maioria absoluta.



A seguir vêm BE e CDS-PP com 5%, o JPP (Juntos Pelo Povo) com 4% (conseguiu 10,28% em 2015), a CDU (PCP-PEV) com 3%, o PAN com 2% e o Aliança e o MPT ambos com 1,5%.

Os números apontam ainda para uma subida em flecha dos socialistas, que obtiveram apenas sete mandatos em coligação nas últimas regionais de 2015 e anteveem neste estudo a possibilidade de atingir os 18 deputados, enquanto os democratas-cristãos do arquipélago vêm a sua bancada encolher para menos de metade (de sete para três), caso se confirme o resultado da sondagem da Católica. O CDS-PP, segundo partido mais votado nas últimas regionais, ficaria, a confirmar-se os números, agora em quarto lugar.

De registar a possibilidade de Aliança e MPT elegerem um deputado cada. O PAN deverá voltar a ter um assento no parlamento regional, deputado que perdeu em 2011. Já a CDU pode perder um lugar.



São estimativas que deixam em aberto vários cenários de governação, sendo o mais viável aquele de um executivo de coligação à direita.

Em resposta à sondagem, em caso de uma maioria relativa, esta é uma possibilidade que a amostra não despreza completamente: 37% aceitariam um “Governo [regional] apoiado pelo PSD e outro ou outros partidos” e 39% comprariam a ideia de um “Governo apoiado pelo PS e outro ou outros partidos”.

Falando na popularidade dos políticos da Madeira, Miguel Albuquerque (PSD) e Paulo Cafôfo (PS) surgem empatados no estudo, reunindo ambos 37% de preferências na resposta a “quem seria melhor Presidente do Governo Regional”.



Em termos de adesão ao ato eleitoral do próximo domingo, a concretizarem-se as respostas fornecidas neste inquérito, os madeirenses deverão fazer cair os números da abstenção de mais de 50% para uma percentagem bem mais modesta.

Foram 64% os inquiridos a garantirem que “de certeza que irão votar”; 18% responderam que “em princípio vão votar”.

Esta sondagem abordou também os eleitores insulares quanto às próximas legislativas, que se realizam a 6 de outubro. O PSD obtém, na Madeira, 41%, de acordo com as estimativas de resultados das eleições para a Assembleia da República. Os socialistas aparecem em segundo lugar, com 31%.



Seguem-se BE (8%), CDS-PP (5%), JPP (5%), CDU (4%) e PAN (2%).

Ficha técnica

Esta sondagem foi realizada pelo CESOP–Universidade Católica Portuguesa para a RTP nos dias 14 e 15 de setembro de 2019. O universo alvo é composto pelos indivíduos com 18 ou mais anos recenseados eleitoralmente e residentes na Região Autónoma da Madeira (R.A.M.). Foram selecionadas dezoito freguesias da R.A.M. de modo a garantir que as médias dos resultados eleitorais das últimas eleições nesse conjunto de freguesias (ponderado o peso eleitoral de cada uma) estivessem a menos de 1 ponto percentual dos resultados das candidaturas mais votados em cada eleição. Os domicílios em cada freguesia foram selecionados por caminho aleatório e foi inquirido presencialmente em cada domicílio o próximo aniversariante recenseado eleitoralmente. Todas as entrevistas foram efetuadas com recurso a tablets, respondendo os inquiridos à sua opção de voto de forma totalmente confidencial. Foram obtidos 1375 inquéritos válidos, sendo 57% dos inquiridos mulheres. Todos os resultados obtidos foram depois ponderados de acordo com a distribuição de eleitores residentes na Região por sexo, escalões etários, e freguesia na base dos dados do recenseamento eleitoral e das estimativas do INE. A taxa de resposta foi de 58%*. A margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 1375 inquiridos é de 2,6%, com um nível de confiança de 95%.

* A taxa de resposta é estimada dividindo o número de inquéritos realizados pela soma das seguintes situações: inquéritos realizados; inquéritos incompletos; não contactos (casos em que é confirmada a existência de um inquirido elegível, mas com o qual não foi possível realizar a entrevista); e recusas.
Tópicos
pub