Vinte e uma causas em cinco pilares formam programa do PS

| Política

Pessoas, valorização do território, inovação e coesão, combate às desigualdades e um “Portugal global” são os cinco pilares do projeto de programa eleitoral socialista
|

As pessoas, a valorização do território, a prioridade política à inovação e à coesão, o combate às desigualdades no país e a promoção de “um Portugal global” são os cinco pilares em que assenta o projeto de programa eleitoral do PS, lançado esta quarta-feira, no Rato, por António Costa e João Tiago Silveira. Distribuídas por estes pilares estão “21 causas” a convergir para a ideia de um Estado “forte e moderno”.

Nos termos do guião do que virá a ser o programa socialista para as próximas legislativas, o partido de António Costa propõe-se conseguir “a melhoria da qualidade da democracia” e “uma governação diferente”.
A Convenção Nacional que colocará a chancela no programa eleitoral do PS vai ter lugar a 5 e 6 de junho no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, adiantou o dirigente socialista João Tiago Silveira.


Assume também como objetivos garantir a defesa de um território alargado, segurança interna e política criminal, a agilização da justiça, a simplificação e digitalização da administração, uma melhor regulação dos mercados, a valorização das regiões autónomas e a descentralização enquanto ponto de partida para a reforma do Estado.

Sandra Machado Soares, Guilherme Terra, Pedro Ribeiro, Ricardo Passos Mota - RTP

Antes de ser adotado em Convenção Nacional, no início de junho, o programa eleitoral do PS terá de ser avaliado ainda esta quarta-feira pela Comissão Política e no próximo domingo pela Comissão Nacional.

O partido manter-se-á, por outro lado, aberto a propostas de militantes e independentes até ao dia 29 de maio. De 25 a 29 de maio, decorrem o “lançamento e votação pelos cidadãos no âmbito do programa participativo”.

O documento agora apresentado, sustentou João Tiago Silveira, aparta-se do passado “por conter uma calendarização de medidas concretas e impacto estimado”. Mas também por ser “mais participado com temas que serão colocados brevemente à votação de militantes e cidadãos”.

O coordenador do Gabinete de Estudos dos socialistas propugnou mesmo que o projeto é “mais claro ao ter sumários em linguagem clara, com comparação das medidas do PS com o que a coligação fez no Governo”.
Propostas
Na elaboração do projeto trabalharam 24 grupos temáticos, que se reuniram 15 vezes. O processo teve a participação de mais de 1.500 pessoas. Foram também ouvidas as 1.070 estruturas do PS.
Os socialistas defendem um caminho alternativo à austeridade, acenando com a ideia de que “há margem para se poder fazer uma política diferente”.

E João Tiago Silveira revelou quais são os três desafios a preencher para relançar a economia: aumentar o rendimento disponível das famílias; resolver o problema de financiamento das empresas e promover o emprego combatendo a precariedade.
Nestas “21 causas”, um dos desafios é então o de promover um “Estado forte, inteligente e moderno”.

O PS pretende “serviços públicos de qualidade para os cidadãos, que não se percam em burocracias que não interessam ao cidadão”. Um “serviço público forte, inteligente e moderno”.
“A defesa do Serviço Nacional de Saúde” é uma das prioridades do partido, que quer “repor o equilíbrio no seu financiamento”. Os socialistas pretendem criar novas unidades de Saúde Familiar nos próximos quatro anos, o que equivale a “um médico de família para mais meio milhão de portugueses”.
Os objetivos dos socialistas passam ainda pelo combate ao insucesso escolar e, no seu projeto de programa eleitoral, propõem a “diversificação da oferta formativa e a aposta no ensino profissional nas escolas públicas em articulação com as empresas.

João Tiago Silveira sublinhou que “62 por cento dos adultos entre os 25 e os 64 anos não completaram o ensino secundário”. É um “problema que existe e afeta a qualificação dos portugueses e competitividade do país”.

Para combater esta situação, o PS propõe um programa de educação e formação de adultos assente na formação, reconhecimento e certificação de competências, tendo em conta as necessidades individuais dos formandos”.
Conta corrente entre Estado e contribuintes
O documento socialista aposta ainda na celebração de “um pacto de confiança” com universidades e politécnicos “através de contratos para projetos institucionais com metas e objetivos”. “Necessitamos de mais gente no ensino superior. Estamos abaixo da média europeia e a Europa quer ir mais longe, ser mais exigente e ter mais pessoas no ensino superior”.
Outras medidas que constam entre as “21 causas” é a imposição de um terço de um dos sexos nos conselhos de administração das empresas cotadas em bolsa e a adoção por casais do mesmo sexo. “Exigir um equilíbrio de género no patamar dos 33 por cento”.

O PS pretende permitir que “as pessoas com rendimento abaixo de um certo montante e empresas com IRC abaixo de certo valor possam compensar créditos sobre o Estado que tenham ao Fisco e à Segurança Social”.
O PS promete ainda “aumentar o abono de família e o abono pré-natal e introduzir uma majoração para as famílias monoparentais beneficiárias desses abonos”. O objetivo é combater a pobreza de crianças e jovens.
Auditores nos ministérios e “perguntas cidadãs”
Ao intervir nesta sessão de apresentação do programa, já depois da exposição de João Tiago Silveira, o secretário-geral do PS indicou, por seu turno, que a cartografia política do partido passará pela integração de auditores do Ministério Público nos ministérios ligados a obras públicas, tendo em vista prevenir a corrupção.

“É necessário reforçar a prevenção da corrupção no sector das obras públicas. Por isso, restabeleceremos a existência nos ministérios fundamentais dos auditores, função exercida por magistrados do Ministério Público”, defendeu.
Susana Barros - Antena 1

Os auditores teriam intervenção obrigatória em todas as adjudicações de obras públicas, “de forma a assegurar a intervenção de uma magistratura autónoma qualificada em todo o processo negocial”.

“Queremos uma forma de governar com maior rigor, rigor que temos praticado na elaboração do programa de Governo e que este novo processo decisório em matéria de obras públicas é um exemplo”, enfatizou o líder socialista.
O programa eleitoral socialista, adiantou António Costa, vai prever a obrigatoriedade de o plano de grandes obras públicas ser aprovado com maioria de dois terços no Parlamento.


“Vamos também criar a nova figura de perguntas cidadãs, tendo em vista possibilitar um debate permanente e continuado entre Governo e o conjunto dos cidadãos para melhorar a proximidade entre eleitores e membros do executivo”, prosseguiu António Costa, que não deixou de invocar a experiência enquanto autarca.

Quanto à reforma do sistema eleitoral, Costa reafirmou a defesa da criação de círculos uninominais, com respeito pela proporcionalidade: “Espero que na próxima legislatura se encerre por muitos e bons anos o debate que há décadas se arrasta em torno da reforma do sistema eleitoral”.

Tópicos:

António Costa, Eleitoral, Eleições, Governo, Legislativas, PS, Partido, Programa, Projeto, Rato, Secretário-geral, Socialistas,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.