Inteligência artificial perpetua estereótipos sexistas

| Tecnologia

|

A UNESCO afirma que a inteligência artificial perpetua estereótipos de género e encoraja o uso de linguagem imprópria e sexista pelos utilizadores, devido à existência exclusiva de vozes femininas em assistentes digitais, como a Siri ou a Alexa.

relatório da UNESCO, feito em colaboração com o Governo alemão e a EQUALS Skills Coalition – uma parceria entre Governos, empresas e atores não-estatais – foi apelidado de "I’d Blush If I Could" (Eu corava se pudesse), a resposta dada anteriormente pela Siri quando os utilizadores lhe diziam "You’re a slut", o equivalente a és uma oferecida.


A agência das Nações Unidas critica o facto de as assistentes digitais possuírem maioritariamente vozes femininas e terem "personalidades" submissas. É o caso da Siri (da Apple), da Alexa (da Amazon) e da Cortana (da Microsoft), que possuem vozes femininas por predefinição. A palavra "Siri", na mitologia nórdica, significa "mulher bonita que te leva à vitória" e até o primeiro robô humanoide é feminino – a Sophia. 

Esta inteligência artificial perpetua a ideia de que "as mulheres são prestáveis, dóceis e desejosas por agradar, disponíveis com o carregar de um botão ou com um comando de voz", diz o relatório. Reforça a falsa imagem de que as mulheres são inerentemente submissas e "a sua passividade, sobretudo quando há um abuso explícito, reforça narrativas sexistas". 

Por outro lado, as respostas que estas vozes replicam são também obedientes. "A Siri respondeu de forma provocadora a pedidos de favores sexuais feitos por homens ("Oh"; "Agora, agora"; "Eu corava se pudesse"; "A tua linguagem!"), mas de forma menos provocadora a pedidos sexuais feitos por mulheres ("Isso não é simpático" ou "Eu não sou ESSE tipo de assistente pessoal").
"Respostas, desviantes, fracas e apologéticas" 

A organização diz que "a subserviência das assistentes de voz digital torna-se particularmente preocupante quando estas máquinas – antropomorfizadas como mulheres pelas empresas tecnológicas – dão respostas desviantes, fracas e apologéticas ao abuso sexual verbal". 

Pelo menos cinco por cento das interações com as assistentes digitais são de caráter explicitamente sexual, mas esse número poderá ser maior, dada a dificuldade em detetar este tipo de discurso.

Saniye Gülser Corat, a diretora para a Igualdade de Género da UNESCO, alerta para a necessidade de olhar para quem está por trás desta inteligência artificial: "Estamos a cozinhar os preconceitos no sistema por não termos mulheres com um lugar à mesa".

Melinda Gates afirmou que esta situação é representante de um problema superior: a ausência de mulheres nas áreas da engenharia e informática. O número de mulheres no setor da inteligência artificial é "tão pequeno que é inacreditável".
Discriminação laboral 

No ano passado, António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, tinha dito também que as pessoas tradicionalmente excluídas na tecnologia deveriam ser finalmente incluídas no espaço digital.

De facto, no seu relatório, a UNESCO diz os países mais desenvolvidos - logo, mais igualitários - são também aqueles em que as mulheres ocupam menos cargos relacionados com estas áreas. 

Segundo o Pew Research Centre, as mulheres são alvo de maior discriminação no recrutamento e no próprio trabalho, em que, frequentemente, são isoladas ou consideradas menos competentes por causa do seu género. Tal leva a uma frequente desistência das respetivas áreas, ou mesmo a um completo desencorajamento de tentar entrar nelas.

Desta forma, a UNESCO recomenda que empresas e Governos não predefinam assistentes digitais com vozes femininas. Sugere também que a tecnologia deveria ser programada de forma a desencorajar insultos sexistas e linguagem abusiva e que as empresas desenvolvam uma máquina neutra, nem feminina, nem masculina.

Tópicos:

Alexa, Igualdade de género, UNESCO, desigualdade, Siri,

A informação mais vista

+ Em Foco

É até hoje a mais icónica das aventuras da exploração espacial. Há 50 anos, o Homem chegava à Lua à boleia da NASA. Percorrermos aqui todos os detalhes da missão, dia a dia.

    O programa Artemis, da NASA, tem como objetivo regressar ao satélite natural da Terra e, simultaneamente, preparar a viagem a Marte.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.