Reportagem Paris em choque após ataques reivindicados pelo Estado Islâmico: a situação ao minuto

Paris em estado de choque. Os sete ataques simultâneos ocorridos esta sexta-feira em vários pontos da capital francesa fizeram mais de 129 mortos e 350 feridos. Está confirmada a morte de um cidadão português e de uma lusodescendente. O Estado Islâmico já confirmou, em comunicado, a autoria dos ataques em Paris, dizendo que "França é o alvo principal por ter ousado insultar o nosso Profeta e por se gabarem de lutar contra o Islão”. E continuam: “este ataque é apenas o começo de um aviso de tempestade e um aviso para aqueles que querem aprender a lição”.

Existe conteúdo novo
Clique aqui para atualizar
Toda a Informação

Fazer refresh a esta área
Clique aqui para atualizar


22h20: Damos por suspenso o acompanhamento ao minuto da situação em Paris. A síntese dos acontecimentos pode ser vista aqui.


21h17: Governo francês avança que situação do Hotel Pullman é falso alerta.

21h09: Agência Reuters avança que zona da Torre Eiffel foi evacuada


A agência Reuters dá conta de que há uma forte presença policial junto ao Hotel Pullman, perto da Torre Eiffel. Uma testemunha avançou à agência que a zona da Torre Eiffel foi evacuada.

A estação do comboio suburbano de Champs de Mars, perto da Torre Eiffel, foi encerrada.

20h39: Comunidade Islâmica Portuguesa condena ataques com manifestação à porta

O imã da Mesquita Central de Lisboa, Sheik David Munir, condenou hoje os ataques terroristas de sexta-feira em Paris, enquanto cerca de 30 pessoas ligadas ao Partido Nacional Renovador (PNR) se manifestavam à porta daquele templo.

"Ficámos chocados e tristes, como qualquer pessoa de bom senso. O mais chocante para um muçulmano é que quem fez aquilo seja também muçulmano, porque Islão significa Paz", afirmou hoje o sheik David Munir, dentro da mesquita, no final da oração das 19:00.

20h16: Jovem lusodescendente morreu no ataque ao Bataclan

Uma jovem lusodescendente, que estava na Bataclan quando ocorreu o ataque, perdeu a vida este sábado. As autoridades francesas revelaram a notícia esta noite às autoridades lusas, apurou o enviado especial da RTP em Paris.

Durante o dia, o Governo português tinha já confirmado que um cidadão português, residente em Paris, tinha morrido nos ataques. Tinha 63 anos.

19h56: Portuguesa socorreu 40 pessoas em casa. A RTP falou com ela.

Margarida Sousa é uma portuguesa que vive na capital francesa há mais de 20 anos. Na sexta-feira acolheu no prédio onde trabalha como porteira cerca de 40 pessoas que conseguiram fugir dos terroristas que atacaram o Bataclan. -

19h17: Manuel Valls promete atacar o Estado Islâmico

O primeiro-ministro francês dá esta noite uma entrevista à televisão francesa TF1. Valls afirma que “estamos em guerra” e “atacaremos o inimigo jihadista”.

19h12: Veículo utilizado é belga e foi alugado por um francês

Um dos veículos usado pelos autores dos atentados desta sexta-feira, em Paris, está matriculado na Bélgica. O veículo foi alugado por um francês residente na Bélgica. Este homem, precisou o procurador de Paris, foi sujeito a um controlo rodoviário esta manhã em território belga.

Com este homem seguiam duas outras pessoas que foram detidas pela polícia belga e não são conhecidas dos serviços de informação franceses.

18h15: Procurador actualiza números dos atentados

O Procurador da República acaba de actualizar o número de mortos para 129, com a existência ainda de 352 feridos, entre os quais 99 em estado crítico.

Entretanto, sabe-se também até ao momento que foram identificados oito estrangeiros entre as vítimas mortais: um português, um espanhol, dois belgas, dois romenos e duas tunisinas.


17h53: Ataques de Paris matam cidadãos estrangeiros

Entre os mais de 120 mortos dos ataques de Paris encontram-se vários estrangeiros. O ataque tirou a vida, conforme confirmado pelo Governo de Lisboa durante a manhã, a um cidadão luso de 63 anos. O homem morava em Paris e morreu junto ao Stade de France.

De acordo com a France Presse, há ainda um cidadão espanhol, dois romenos, duas jovens tunisinas e dois belgas. Há ainda vários norte-americanos entre os feridos. Estocolmo avança que também um cidadão sueco poderá ter morrido nos ataques.


17h32: Líder do Estado Islâmico na Líbia morto em ataque dos EUA

O líder do autoproclamado Estado Islâmico na Líbia, Abou Nabil, foi morto durante um ataque aéreo norte-americano na noite de sexta-feira para sábado.

A informação foi revelada pelo porta-voz do Pentágono que precisou que este ataque foi “autorizado e iniciado antes do ataque terrorista de Paris”.

17h20: Passos envia carta a família de português morto em Paris

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, escreveu hoje uma carta à família do português morto nos ataques de sexta-feira em Paris, expressando "profunda dor e consternação" pela tragédia que "jamais será esquecida".

"Quero, neste momento de profunda dor e consternação, apresentar em meu nome pessoal, do meu Governo e do povo português, as mais sinceras condolências pelo trágico falecimento", começa por escrever Passos.

Em carta enviada à família, Passos manifesta "profunda dor e consternação" pela tragédia que "jamais será esquecida".

Publicado por RTP Notícias em Sábado, 14 de Novembro de 2015

17h05: Encontrado passaporte junto a corpo de atacante

Um passaporte sírio foi encontrado pelas autoridades junto ao corpo de um dos atacantes de Paris. O ministro grego disse este sábado que o passaporte foi usado para passar pela Grécia em outubro.

“O utilizador do passaporte passou pela ilha de Leros a 3 de outubro de 2015, quando foi identificado de acordo com as regras da União Europeias”, revelou o governante helénico em comunicado.

Fonte policial grega revelou à Reuters que jovem utilizador do passaporte fazia parte de um grupo de 69 refugiados que passou por Leros, recusando-se a desvendar o nome do senhor.


16h53: Europa junta-se a minuto de silêncio de segunda-feira

A União Europeia "está profundamente chocada e em luto", devido aos ataques terroristas em Paris, e sugeriu o cumprimento de um minuto de silêncio, ao meio-dia de segunda-feira, em memória dos mortos de sexta-feira à noite.

"Foram ataques contra todos nós", lê-se numa declaração dos chefes de Estado e do Governo da UE, que garantiram que vão "enfrentar a ameaça em conjunto", com "todos os meios necessários" e uma "determinação inabalável".

"Nós, os europeus, vamos lembrar o dia 13 de novembro de 2015 como um dia de luto europeu. Todos os europeus estão convidados a juntar-se a um minuto de silêncio, em memória das vítimas, ao meio-dia de segunda-feira, dia 16 de novembro", lê-se na declaração conjunta.

Um gesto de homenagem às vítimas dos atentados de sexta-feira em Paris.

Publicado por RTP Notícias em Sábado, 14 de Novembro de 2015

16h48: Lisboa e Porto homenageiam França

A Torre de Belém, em Lisboa, e o Teatro Rivoli, no Porto, vão iluminar-se, hoje à noite, com as cores da bandeira francesa, num gesto de homenagem às vítimas dos atentados de sexta-feira, em Paris.

16h28: Operações relacionadas com Paris decorrem na Bélgica

As autoridades belgas estão a desenvolver operações relacionadas com os ataques de Paris em Bruxelas. De acordo com as televisões RTBF e RTL, as operações decorrem no bairro de Molenbeek e já motivaram a detenção de um homem.


16h18: Cidadão francês detido em Londres

 
Um cidadão francês foi detido hoje, no aeroporto de Gatwick, em Londres, na posse de uma arma, informou a polícia num comunicado.

"Objetos pessoais e o que parece ser uma arma de fogo foram apreendidos e enviados para investigação forense. Contudo, a viabilidade da arma ainda tem de ser estabelecida", lê-se no comunicado da polícia de Sussex.

16h05: Governo francês envia mais 1.500 militares para as ruas de Paris

O ministro francês do Interior anunciou que será novamente reforçada a segurança na capital gaulesa. Bernard Cazeneuve anunciou que o Conselho de Ministros decidiu incrementar os meios militares.

O ministro francês anunciou que 1.500 militares irão garantir a “segurança dos locais estratégicos” e irão patrulhar a capital.

De acordo com o diário francês Libération, o governante relembrou ainda que estão proibidas as manifestações e os ajuntamentos em Paris até à próxima quinta-feira.



16h00: Estabelecimento culturais permanecem fechados este domingo

Os museus, salas de espetáculo e outros estabelecimento culturais públicos irão permanecer fechados este domingo em toda a região da Ile-de-France. A informação foi avançada pelo ministério da Cultura.

15h55: Alemanha apela a não associar ataques de Paris à crise migratória

O ministro alemão do Interior apelou este sábado a que todos se abstenham de fazer uma “ligação apressada” entre os ataques de Paris e a crise migratória. A Alemanha é o principal país de acolhimento de refugiados.

A declaração de Thomas de Maizière foi feita depois de a Polónia já ter vindo a público com declarações mais polémicas. Varsóvia afirmou que não poderá respeitar os acordos europeus de relocalização de migrantes.

“As decisões do Conselho Europeu, que criticámos, sobre a relocalização dos refugiados e migrantes para todos os países da União Europeia têm ainda a força do direito europeu, mas depois dos eventos trágicos de Paris não vemos possibilidade política de os respeitar”, revelou Konrad Szymanski, futura responsável pelos Assuntos Europeus do Governo conservador ainda em formação.


15h36: Paris mantém Cimeira do Clima apesar dos atentados

A Cimeira do Clima, prevista para o fim do ano em Paris, vai manter-se apesar dos atentados que assolaram a capital francesa esta sexta-feira. O ministro francês dos Negócios Estrangeiros afirmou que haverá segurança reforçada no evento, mas que é “absolutamente indispensável” que este se realize.

A Cimeira do Clima deverá ter início no próximo dia 30 de novembro com uma reunião de chefes de Estado e de Governo.

15h30: Avião com destino a França evacuado em Amesterdão

Um avião A321 com destino a França foi evacuado para que fosse revistado depois de terem sido feitas ameaças a este voo nas redes sociais. O incidente ocorreu no aeroporto de Amesterdão – Schiphol.

15h10: "Há muita gente em França disposta a destruir o modelo ocidental"

O diretor de informação da RTP, Paulo Dentinho, era correspondente em Paris em janeiro, quando aconteceram os ataques contra o Charlie Hebdo.

Para Dentinho, "o grau de sofisticação parece ser muito mais elevado nestes atentados", do que no atentado ao Charlie Hebdo. E acrescenta "há muita gente no interior de França que está disposta a destruir o modelo de vida ocidental".

Uma análise feita há momentos no Jornal da Tarde da RTP.

14h53: Apelo à prudência dos órgãos de comunicação social


O Conselho Superior do Audiovisual (CSA) de França, equivalente à Entidade Reguladora da Comunicação Social, enviou uma nota às redações francófonas. O organismo pede às televisões e rádios que “não difundam qualquer indicação suscetível de por em causa o desenvolvimento das investigações em curso”.


14h41: "Paris está a viver" apesar dos atentados

Paris tenta recompor-se dos atentados que assolaram a capital francesa esta sexta-feira. Hermano Sanches Ruivo, português e vereador do município de Paris, relembrou que "Paris está a viver" apesar do momento "excecional e gravíssimo".

Ao início da tarde, os transportes públicos funcionavam e poucas estações de metro estavam fechadas. Apesar disso, manifestações públicas foram canceladas e estabelecimentos públicos foram fechados.

"Temos de compreender e ter o maior cuidado possível", com o vereador a apontar que não deverão ser fechadas as escolas na segunda-feira.


14h19: Papa Francisco lamenta atentados sem "justificação nem religiosa, nem humana”

O papa Francisco disse hoje que os atentados terroristas de Paris "não têm justificação nem religiosa, nem humana. Isto não é humano"

"Estou comovido... Não entendo estas coisas, são difíceis de entender, feitas por seres humanos. Por isso estou comovido e rezo", declarou Francisco por telefone.

 

"Sinto-me muito próximo do povo francês, tão amado, estou próximo dos familiares das vítimas e rezo por todos eles", declarou.


14h12: Nova Iorque reforça segurança

A segurança foi reforçada em várias cidades da Europa e também nos Estados Unidos. O relato feito no Jornal da Tarde pela correspondente da RTP em Washington, Márcia Rodrigues.

13h54: Atacante identificado

As autoridades francesas identificaram o corpo de um dos presumíveis responsáveis pelo ataque ao Bataclan. Trata-se de um cidadão francês, já conhecidos dos serviços de informação. As fontes da France Presse não especificaram qual a sua identidade nem o seu percurso.

13h48: Último balanço: 300 pessoas hospitalizadas

O último balanço feito pelos hospitais parisienses aponta para 300 pessoas hospitalizadas, das quais 80 pessoas estão em estado de “urgência absoluta”.

13h43: Torre Eiffel permanece fechada até nova ordem

A Torre Eiffel não abriu este sábado e vai permanecer fechada até nova ordem, anunciou a sociedade que explora a icónico monumento. O monumento acolhe entre 15 a 20 mil pessoas por dia.

13h35: As questões que permanecem sem resposta

Ainda há muita informação por ser revelada sobre os atentados de Paris. O Libération apresenta as quatro principais questões pelas quais ainda se esperam resposta.

Os responsáveis pelos ataques continuam à solta? As autoridades já revelaram que oito terroristas foram “neutralizados”, mas ninguém arrisca dizer que todos os atacantes foram já parados.

Conhecemos o número total de vítimas? O diário recorda que o balanço é ainda provisório. Os últimos números oficiais apontam para 127 mortos e 250 feridos. No entanto, 99 feridos encontravam-se em estado crítico.

Conhece-se o nome das vítimas? Ainda não, recorda o diário. A identificação, em especial de quem se encontrava no Bataclan, deverá ser longa, uma vez que muitos espetadores tinham deixado os seus documentos pessoais nos bengaleiros. O Governo confirmou já a morte de um cidadão português nas imediações do Stade de France.

 Porquê estes locais? Os ataques ocorreram em seis locais diferentes, todos no centro de Paris. O que motivou as escolhas destes locais? Porquê estes e não outros?


13h31: Aeroporto de Gatwick foi evacuado

O aeroporto de Gatwick, em Londres, foi evacuado em janeiro. A polícia retirou pessoas do terminal depois de ter encontrado um pacote suspeito. A notícia é avançada pela agência Reuters, aguardando-se ainda mais pormenores.

13h19: Polónia avisa que "não poderá" receber refugiados após ataques

Depois de os atentados de Paris, Varsóvia anunciou que não poderá respeitar os acordos europeus de relocalização de migrantes.

“As decisões do Conselho Europeu, que criticámos, cobre a relocalização dos refugiados e migrantes para todos os países da União Europeia têm ainda a força do direito europeu, mas depois dos eventos trágicos de Paris não vemos possibilidade política de os respeitar”, revelou Konrad Szymanski, futura responsável pelos Assuntos Europeus do Governo conservador ainda em formação.

13h09: Manuel Valls entrevistado esta noite

O primeiro-ministro dará esta noite uma entrevista à televisão francesa. Manuel Valls preside esta tarde a um conselho de ministros extraordinário.

13h05: José Cesário confirma morte de português de 63 anos

O Governo de Lisboa confirma que um cidadão português morreu nos atentados de Paris. O secretário de Estado das Comunidades explicou tratar-se de um emigrante residente em França, de 63 anos, que morreu na zona do Stade de France.

12h45: Minuto de silêncio esta segunda-feira

A França fará um minuto de silêncio esta segunda-feira e as bandeiras estarão a meia haste. Esta homenagem às vítimas dos atentados, bem como a confirmação do luto nacional de três dias anunciado por François Hollande, fazem parte de uma circular assinada pelo primeiro-ministro Manuel Valls.


12h05 - Português morre nos atentados em Paris


Encontrava-se perto do Estádio de França e morreu nos atentados terroristas desta sexta-feira, disse fonte oficial do ministério dos Negócios Estrangeiros português.

A mesma fonte acrescentou que, de momento, esta é a única informação disponível e facultada pelas autoridades locais parisienses.

11h45 - Áreas foram "cuidadosamente escolhidas com antecedência", diz Estado Islâmico


“Oito irmãos carregaram cintos explosivos e armas em áreas específicas no coração da capital francesa que foram cuidadosamente escolhidas com antecedência. O Estádio de França durante um jogo contra a Alemanha que o imbecil François Hollande estava a ver, o Bataclan onde centenas de fãs estavam juntos numa festa de perversão e outros sítios nas ruas 10th, 11th e 18th. A França e aqueles que seguem o mesmo padrão têm de saber que continuam a ser os principais alvos do Estado Islâmico.”

11h30 - "Este ataque é apenas o começo de um aviso de tempestade"


O grupo estado Islâmico afirma, em comunicado, que “estudou cuidadosamente os locais” que os seus militantes, munidos de cintos de explosivos e metralhadoras, desempenharam em vários locais da capital francesa.

“França é o alvo principal por ter ousado insultar o nosso Profeta e por se gabarem de lutar contra o Islão”. E continuam “este ataque é apenas o começo de um aviso de tempestade e um aviso para aqueles que querem aprender a lição”.

11h15 - Estado Islâmico confirma autoria dos ataques

O Estado Islâmico acaba de divulgar um comunicado, citado pela agência Reuters, onde reivindica a autoria dos ataques em Paris, dizendo que a França continuará a ser um dos seus principais alvos.


11h12
- A seleção alemã de futebol que jogou esta sexta-feira no Stade de France dormiu esta noite no estádio, não querendo sair do recinto devido aos ataques terroristas em Paris

O comunicado que pode ver aqui em francês já está a circular nas redes sociais.

11h03 - PSP reforça segurança nas embaixadas em Portugal e aeroportos

PSP reforçou hoje a segurança das embaixadas de França, Reino Unido, Estados Unidos e Alemanha na capital portuguesa, bem como nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro.

Porta-voz do Comando Metropolitano de Lisboa adiantou que o reforço da segurança em torno dos aeroportos e de embaixadas foi feito por iniciativa da PSP durante a madrugada de hoje, após os atentados ocorridos em Paris.

10h57 - "Nada pode ser como dantes. O terrorismo fez demasiadas vítimas" - Nicolas Sarkozy


Nicolas Sarkozy, antigo Presidente francês, declara que o povo francês tem de se unir e lutar contra a barbárie jihadista imposta pelo Estado Islâmico.



10h50 - Marine Le Pen, a líder do partido de extrema-direita Frente Nacional já reagiu aos atentados de Paris nas redes sociais.

“Uma raiva fria aperta-nos o coração”, escreveu Le Pen.




10h40 - "A França será impiedosa com a barbárie do Daesh e agirá com todos os meios" - Hollande

François Hollande vai falar ao Parlamento francês na segunda-feira numa sessão extraordinária.

O Presidente francês classifica os ataques como um "ato de guerra cometido por um exército terrorista, o Estado Islâmico. Um exército jihadista, contra a França. Contra os valores que defendemos por todo o mundo. Contra aquilo que nós somos. É um ato de guerra que foi preparado, organizado, planificado a partir do exterior com uma cumplicidade que ainda não podemos determinar. Um ato de barbárie absoluta”, disse o Hollande, na sua segunda intervenção depois dos ataques desta sexta-feira.


“A França será impiedosa com a barbárie do Daesh. Agirá com todos os meios, no quadro do direito e sobre todos os terrenos, internos e externos, em concertação com os nossos aliados que também são afetados por esta ameaça terrorista”, salientou o Presidente francês.

“Neste período grave, doloroso e decisivo do nosso país, apelo à unidade, à união, ao reencontro, ao sangue frio. Eu próprio na segunda-feira me dirigirei ao Congresso, em Versalhes, na noite de segunda-feira, para juntar a nação em torno desta prova. A França é forte e mesmo quando é ferida ela levanta-se sempre e nada a poderá atingir, mesmo quando a dor nos assola. A França é sólida, é valente e triunfará perante a barbárie (…) Meus compatriotas, o que nós defendemos é a nossa pátria e, acima de tudo, os valores da Humanidade. A França saberá assumir as suas responsabilidades. Apelo a esta união indispensável. Viva a República, viva a França.”, concluiu François Hollande.

10h20 - Mariano Rajoy já mostrou a sua solidariedade para com o povo francês.


"Sentimo-nos magoados e ameaçados pelos modos de vida que construímos durante séculos de progresso e civilização (...) Por isso hoje todos somos França e por isso estamos todos juntos".

10h15 - Ministério do Interior francês pede, em comunicado, aos parisienses que se mantenham em casa
, divulgando um número de informações ao público (0800406005).

"As pessoas que se encontrem em casa ou em instalações de trabalho na região parisiense, devem evitar sair, salvo em caso de necessidade absoluta", diz o Ministério na página da Internet

Autoridades francesas criaram a plataforma www.securite.interieur.gouv.fr para reunir testemunhos que possam ajudar nas investigações.

10h05 - Número de feridos sobe para 250 pessoas

10h00 - François Hollande decreta três dias de luto nacional e declara que se trata de "um ato de guerra" levado a cabo pelo Estado Islâmico.

9h45 - Angela Merkel já prometeu uma resposta
conjunta à campanha do medo. A chanceler alemã diz que está em contacto próximo com o governo francês e garante que vai haver uma resposta a este ataque.


09h38
De acordo com a imprensa francesa, o Estado Islâmico lançou um vídeo em que avisa que ataques continuarão caso a França continue a sua intervenção em territórios sírios.

“Enquanto vocês continuarem o bombardeamento [da Síria], não vão viver em paz. Até vão ter medo de ir ao mercado”, diz a agência Reuters.

9h30
- Espaços públicos e turísticos todos fechados em França

Todos os locais turísticos da capital francesa estão encerrados ao público este sábado. As competições desportivas deste fim-de-semana também foram suspensas e a Disneylândia, situada nos arredores de Paris, também estará fechada hoje, em solidariedade pelo que aconteceu.

09h21
- Nas redes sociais foi partilhado um vídeo do Le Monde onde são mostradas imagens chocantes, em que se ouvem tiros e vêem pessoas a fugir em pânico da sala de espetáculos, Bataclan



Images de la fusillade au Bataclan por lemondefr
09h00
- A chanceler alemã Angela Merkel anunciou hoje de manhã uma reunião ministerial de crise e prometeu que vai fazer de tudo para ajudar a França no combate a estes terroristas.

8h45 -
O presidente francês, François Hollande, vai faltar a um encontro do G20 e está reunido esta manhã no Palácio do Eliseu com outros membros do governo.

8h40 - Há companhias aéreas a suspender os voos para Paris
. As autoridades pedem para que os cidadãos não saiam de casa.


Mais de 1.500 soldados franceses já foram enviados para as ruas de Paris. O Metro da capital francesa foi encerrado.

A Bélgica anunciou também o encerramento das fronteiras. Os governadores das cidades de Nova Iorque e Washington, nos EUA, reforçaram a segurança nas ruas.

08h20 - Pelo menos 128 pessoas morreram. Há 180 pessoas feridas, das quais 80 em estado muito grave.
É o íltimo balanço oficial das autoridades francesas.

03h10
- Último balanço dos ataques em Paris em pelo menos seis diferentes pontos da cidade:

Bataclan
: Perto de 100 vítimas mortais, incluindo os quatro terroristas. Na sala de espetáculos decorria um concerto de rock e encontravam-se cerca de 1500 pessoas. Algumas foram feitas reféns durante perto de três horas.

Estádio de França: Quatro mortos. No recinto, decorria o amigável França x Alemanha, quando se ouviram várias explosões nas proximidades.

François Hollande assistia à partida e foi imediatamente evaquado. Das três explosões de que há registo, pelo menos uma foi originada por um kamikaze.

O público acabaria por ser evacuado do estádio com relativa calma.

Rue de Charonne, próxima da Praça da Bastilha: 18 mortos contabilizados. O atirador terá disparado durante dois a três minutos.

Rue Alibert: Pelo menos 14 mortos ao fim de um tiroteio num restaurante cambodjano. Foi este o primeiro incidente a ser noticiado, pouco depois das 21h00.

Rue de la Fontaine, perto de Bataclan: O terraço de uma pizzaria é palco de um tiroteiro, causando a morte de pelo menos cinco pessoas. O autor dos disparos usou uma metralhadora automática.

Boulevard Voltaire, também perto de Bataclan:
Uma vítima mortal.

Os números provisórios contabilizam para já 120 vítimas mortais, 200 feridos, 80 dos quais em estado graves.

02h20
- As últimas informações avançadas pelas agências dão conta de um número total de 120 mortos, incluindo quatro dos atacantes na sala de espectáculos de Bataclain, que ainda tentaram acionar explosivos. Estes são os atentados mais graves em solo francês dos últimos 30 anos.

Dos sete locais onde ocorreram inicidentes, foram especialmente dramáticos os acontecimentos na sala de espetáculos de Bataclan, no centro de Paris, onde morreram pelo menos cem pessoas entre as mais de 1500 que assistiam a um concerto.

Em Saint Dennis, nas imediações do Estado de França, onde jogavam as seleções francesa e alemã, a polícia registou três explosões, pelo menos uma delas provocada por um bombista suicida.

Na sequência destes trágicos acidentes, François Hollande decretou o estado de emergência e o encerramento das fronteiras. Decorre entretanto um Conselho de Ministros extraordinário pela noite dentro, com a presença das principais figuras do Eliseu. A Europa e o Mundo mostram grande consternação e solidariedade com Paris.

Até ao momento, não houve qualquer reinvidicação oficial destes ataques.

01h59
- O Estádio de França, onde decorria o particular entre as seleções da França e da Alemanha, foi um dos locais onde ocorreram explosões. Os adeptos sairam do estádio a cantar o hino nacional.

01h54
- Município de Paris anuncia o encerramento de todas as escolas, museus, bibliotecas e outros equipamentos da cidade.

01h52 -
O 11 de setembro de Paris? O que se sabe até agora dos atentados de Paris.

01h42
- O jornal francês Le Figaro diz que alguns terroristas podem ainda estar em fuga.
É precisamente o jornal Le Fígaro o primeiro a mostrar a capa de amanhã, Uma guerra em plena cidade, diz o diário.



01h38 - Os partidos políticos franceses anunciaram a suspensão campanha para eleições regionais de dezembro.

Nicolas Sarkozy, ex-presidente francês, diz que os terroristas "declararam guerra à França".

01h32
- A imagem que corre neste momento as redes sociais, em solidariedade com Paris.



01h26
- Procurador de Paris confirma que cinco terroristas já foram mortos pela polícia.

01h23
- Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, já endereçou uma palavra de pesar a Hollande e diz que "a França não está sozinha".
01h12 - A própria banda que atuava em Bataclan não sabe do paradeiro de alguns dos elementos.

We are still currently trying to determine the safety and whereabouts of all our band and crew. Our thoughts are with all of the people involved in this tragic situation.

Publicado por Eagles Of Death Metal em Sexta-feira, 13 de Novembro de 2015
01h04 - Não há concordância nos números avançados pelos vários jornais e agências internacionais. A Agência Reuters fala em 140 mortos, enquanto a France Presse confirma para já 120 mortos.

Os sete locais da cidade de Paris onde foram registadas ocorrências:


01h01
- François Hollande já está junto ao Bataclan, local se registou o maior número de vítimas. Em declarações aos jornalistas, o Presidente francês promete combate "impiedoso" ao terrorismo.

O chefe de Estado francês acrescenta que os "terroristas" responsáveis pelo ataque de Bataclan foram mortos pela polícia.
00h57 - Torre Eiffel de luto. As luzes foram apagadas, em memória das vítimas dos atentados.
00h54 - O mundo está incrédulo perante estes ataques. A jornalista Graça Andrade Ramos faz um apanhado de todas as reações que se fizeram ouvir, incluindo em Portugal. 
00h50 - Na sequência destes ataques, o Governo espanhol poderá elevar alerta terrorista para o máximo. Madrid está atualmente no nível quatro, numa escala de cinco.

00h48
- Presidente francês mobiliza 1500 militares para as operações desta noite.

00h43
- Bélgica anuncia o encerramento de fronteiras.

00h39
- Agências e jornais avançam com novos números. Pelo menos 140 vítimas mortais em Bataclain, Estádio de França e no restaurante no centro de Paris.
00h37 - Duarte Levy, jornalista português em França, confirma à RTP3 a existência de feridos em Bataclan a falar português.

00h35
- Cavaco Silva condena "hediondos ataques terroristas". O Presidente da República expressou grande consternação ao homólogo francês pelos acontecimentos desta noite em Paris que levaram à "perda trágica de um elevado número de vítimas."

00h29
- Aeroportos e caminhos de ferro de França mantêm normalidade dos serviços, diz o ministro francês dos Negócios Estrangeiros.

00h21
- Enquanto alguns reféns são retirados da sala de espectáculos de Bataclan, confirma-se o pior. Só neste local, confirma-se a morte de "uma centena de pessoas". No concerto estavam cerca de 1500 pessoas.

Presume-se que três terroristas sejam responsáveis por este foco concreto do ataque.

As televisões captaram imagens em direto do fim da intervenção policial:

00h17 - Explosões, tiroteios, ataques múltiplos que assolaram Paris esta noite. O jornalista da RTP Emanuel Boavista faz um resumo do que sabemos até ao momento.

00h13
- A France Presse fala numa "centena de mortos" só em Bataclan, segundo as fontes políciais.  

00h12
- François Hollande cancela participação na cimeira do G20 que se realiza este fim-de-semana, na Turquia.

00h05
- Televisão francesa confirma o fim do assalto da polícia. Dois terroristas que dispararam sobre a audiência do Bataclan foram abatidos.
A France Presse diz que há "dezenas de mortos" só na sala de espectáculos onde uma centena de pessoas esteve como refém.

23h59
- Um repórter da agência Reuters avança que o assalto da polícia francesa ao local onde estão os reféns já terá terminado. A mesma agência atualiza o número de mortos para pelo menos 60. Já a France Presse fala em 39 vítimas mortais. 

23h56
- A edição online do Expresso avança que dois dos terroristas que desencadearam os ataques na sala de espetáculos do Bataclan foram mortos.

23h53
- "Estou vivo, só tenho uns cortes. Isto é uma carnificina. Há cadáveres por todo o lado."

Um dos reféns relata os acontecimentos diretamente do Bataclan. Foram ouvidos vários disparos junto à sala de espectáculos.
23h51 - Jens Stolenberg, secretário-geral da NATO, coloca-se ao lado do país: "O terrorismo nunca derrotará a democracia".

23h49
- A possibilidade de ataque terrorista era evidente. Quem o diz é Filipe Pathé Duarte, do Observatório do Terrorismo.

23h44
- No Twitter, o jornal francês Le Monde cita fontes governamentais e fala em pelo menos sete ataques em Paris e arredores.
23h41 - O mapa da Bloomberg dá a noção espacial dos três locais onde ocorreram os ataques.
23h38 - A ONU condena "ataques terroristas desprezíveis". O porta-voz do secretário-geral Ban Ki-moon exige a libertação imediata dos cerca de 100 reféns que continuam na sala de espetáculos "Le Bataclan". 

23h35
- Governo português lamenta profundamente situação na capital francesa. O gabinete de Rui Machete refere que está a acompanhar de muito perto da situação.

23h29 - As reações internacionais multiplicam-se na Europa e no Mundo. Angela Merkel diz-se "profundamente emocionada" com os acontecimentos registados esta noite em Paris. Barack Obama coloca-se ao lado do Governo francês na luta contra o terrorismo.
23h26 - O Estádio de Paris viveu momentos de pânico. Os adeptos que assistiam ao jogo amigável entre as seleções de futebol da França e Alemanha correram para o relvado ao ouvir o barulho das explosões.
23h22 - Paris ordenou o encerramento de algumas linhas do metropolitano da cidade.
23h21 - Hollande ativa novas forças militares e destaca 200 soldados franceses para o 10º e 11º bairros de Paris.

23h17
- A Agência Lusa falou com alguns portugueses residentes em Paris que falam numa situação "dramática".

"Todo o bairro está em pânico. O quarteirão da zona Richard Lenoir, Voltaire, Chemin Vert - que foi a zona onde houve os atentados do Charlie Hebdo - está em pânico. O bairro estava cheio porque hoje é sexta-feira à noite, havia muita gente na rua", disse à agência o correspondente do Expresso na capital francesa, Daniel Ribeiro.

Até ao momento, não há registo de vítimas mortais de origem portuguesa.

23h11
- Vão chegando novas imagens às redes sociais de parisienses que testemunharam as ocorrências. Aqui é bem audível o barulho de uma explosão. 



23h08
- A análise de Bernardo Pires de Lima, especialista em assuntos internacionais.

O comentador RTP fala nas questões de segurança que se levantam na capital francesa, quando ainda não passou um ano dos ataques ao jornal satírico Charlie Hebdo.
22h59 - O Presidente francês declarou o Estado de emergência e decretou o encerramento das fronteiras.

22h55 - François Hollande já falou ao pa&iacu

Emissão em direto da RTP3

A informação mais vista