Louçã quer acordos anuais entre PS e Esquerda

| Conversa Capital
Louçã quer acordos anuais entre PS e Esquerda

Francisco Louçã considera que os acordos do PS com a Esquerda ainda não estão cumpridos e sugere que os próximos sejam negociados anualmente com cada Orçamento do Estado. O antigo líder do Bloco de Esquerda antevê, no futuro, a existência de dois dossiers muito difíceis e “cuja a negociação não é evidente”: o Novo Banco e as leis laborais.

Em entrevista ao programa “Conversa Capital” da Antena 1 e do Jornal de Negócios, Francisco Louça considera que os acordos que foram assinados ainda não foram cumpridos e que há matérias como o salário mínimo e a alteração dos escalões do IRS por resolver.

O economista defende "que com cada Orçamento fosse feito uma definição, em comum, dos grandes objetivos para o ano".

"Em 2017, se as pensões e Salário Mínimo vão ser isto, o investimento deve ter determinados objetivos", especificou.

Segundo Francisco Louçã é necessário que o documento "fique claro, para que seja mobilizador, para que tenha um sentido político esta programação anual dos acordos que vigoram pelos quatro anos".
Louçã defende continuidade de Centeno
O ex-coordenador do Bloco de Esquerda afirma que "é preciso que Mário Centeno continue nas suas funções".

No entanto, admite que o ministro das Finanças foi atingido pelo facto de ter feito um "acordo errado com António Domingues".


“Precisamos de ter coerência de políticas e ministros que nós sabemos que estão a respeitar o seu contrato com o país”, defendeu.

Em relação à exigência de revelação dos SMS trocados, entre Mário Centeno e António Domingues, Francisco Louça, recorda que se trata de conversações privadas que não podem ser divulgadas e critica a posição do PSD e do CDS-PPOffshores e Maria Luís Albuquerque
Em relação ao caso das offshores, Francisco Louçã afirma que Maria Luís Albuquerque só tem uma defesa possível: “declarar-se incompetente”.

O economista não acredita que Maria Luís Albuquerque, Vítor Gaspar e até o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, não tenham tido conhecimento do dinheiro enviado para os paraísos fiscais.

Para Louçã a evidência torna-se mais clara ao saber-se que parte do dinheiro teve proveniência no BES. Futuro da CGD
Em relação ao futuro da Caixa Geral de Depósitos, o economista considera errado o plano de recapitalização, e admite que é mau para o Estado, para os contribuintes e para o sistema financeiro.

“Obrigar a Caixa a diminuir as suas operações é dar continuidade à pressão sobre a Caixa. A CGD deu 30 por cento do seu negócio quando foi obrigada a privatizar, a vender o seu setor de seguros. Qual é a razão para a Caixa vender um setor que era lucrativo?”.

Para Francisco Louçã o setor de seguros da Caixa Geral de Depósitos, que foi vendida à Fosun, dava “dividendos ao Estado e diminuía os impostos que nós temos de pagar”. Críticas a Carlos Costa
Francisco Louçã continua a ser um critico do governador do Banco de Portugal mas já não pede a sua saída considerando que a opção do Governo foi mantê-lo.

"Disse e continuarei a dizer o que penso sobre os fracassos do Banco de Portugal", frisou.


Em relação ao conselho consultivo do Banco de Portugal para onde foi designado pelo Governo, Francisco Louça admite que é um órgão sem "grande relevância" porque as suas funções são limitadas, e justifica a sua aceitação com a necessidade de dar o seu contributo para a credibilidade do sistema financeiro.



A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.