Reportagem
|

Covid-19. A situação ao minuto do novo coronavírus no país e no mundo

por RTP

Pedro A. Pina - RTP

Acompanhamos aqui todos os desenvolvimentos sobre a propagação do SARS-CoV-2 à escala internacional.

Mais atualizações


VEJA A INFOGRAFIA COM TODOS OS DADOS ATUALIZADOS DA SITUAÇÃO EM PORTUGAL. CLIQUE AQUI


23h35 - México com mais 381 óbitos com Covid-19

Os serviços de Saúde mexiacanos confirmaram mais 381 mortos com Covid-19 nas últimas 24h, para um novo total de 283,574 vítimas mortais desde o início da pandemia.

23h20 - Haiti conta apenas 27 mil vacinados numa população de 11 milhões de pessoas

A baixa preponderância das infeções no Haiti explica a falta de inyeresse dos haitianos em fazer-se vacinar, e as autoridades admitem enviar para países mais necessitados milhares de doses não utilizadas e ainda viáveis por poucas semanas.

"Não precisamos de vacinas mas de pessoas para vacinar", resumiu o diretor-geral da Saude, Laure Adrien, admitindo que os centros da vacinação instalados nalgumas localidades não atrairam quase ninguém, "infelizmente".

O país das Caraibas recebeu 500 mil doses apenas em julho mas desde então, de acordo com dados oficiais, pouco mais de 27 mil haitinaos foram totalmente vacinados e cercade 43 mil receberam uma primeira dose. Uma porção infima da população, aquela que tem meios para pagar viagens de avião ao estrangeiro, deslocou-se também aos Estados Enidos para se vacinar antes do verão.

De acordo com o mais recente inquerito, "88 por cento dos haitianos sabem que existe Covid-19 no Haiti mas não conhecem ninguém que tenha morrido com a doença", referiu o Dr William Pape, um dos principais infeciologistas do país. Não sendo contra a vacinaçao em geral, "temos o exemplo da vacina contra a cólera, muito bem aceite", a fraca incidência da pandemia explica o desinteresse e é simultaneamente um alívio e uma preocupação.

23h00 - Angola registou 242 novas infeções e três óbitos nas últimas 24 horas

Angola registou 242 novos casos, três óbitos e 112 recuperados, nas últimas 24 horas, anunciaram hoje as autoridades sanitárias do país.

Segundo o boletim epidemiológico da Direção Nacional de Saúde Pública, das 242 novas infeções, das quais 131 do sexo masculino e 111 do sexo feminino, com idades entre um mês e 86 anos, o maior número foi registado na província de Luanda, capital de Angola com 131 casos positivos.

As mortes, sendo uma do sexo masculino e duas do sexo feminino, com idades entre 49 e 59 anos, ocorreram nas províncias de Luanda, Huambo e Namibe, como comorbilidade mais frequente a hipertensão arterial.

22h45 - Inglaterra suspende testes PCR para viajantes oriundos de países de baixo risco

Os passageiros com vacinação completa que viagem para Inglaterra vindos de países de baixo risco de infeção, poderão fazer apenas testes rápidos ao SARS-CoV-2, anunciou o Governo britânico.

A nova regra tem efeitos a partir de 24 de outubro, início das férias de meados do período no sistema escolar britânico. Além dos passageiros adultos totalmente vacinados, a medida abrange também a maioria dos menores de 18 anos.

Os testes rápidos poderão ser efectuados no dia da viagem ou nas 24h anteriores, desde que tenham sido adquiridos a um dos distribuidores incluídos numa lista publicada no site do Governo.

Os passageiros terão ainda de fornecer uma imagem do teste e a referência do bilhete para verificação dos resultados. Os casos positivos terão acesso a um testes PCR gratuito através do NHS - o Serviço Nacional de Saúde britânico.

22h20 - Angola alarga prazo de vacinação obrigatória para acesso a instituições e serviços

O Governo angolano estendeu até ao dia 01 de novembro, o prazo que obrigava os cidadãos a estarem vacinados até esta sexta-feira, informou o coordenador da comissão multissetorial de combate à covid-19.

Francisco Furtado, igualmente ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, disse que foi alterado o Decreto Presidencial 241/21, de 30 de setembro, que atualizou as medidas de prevenção e controlo da propagação do vírus SARS-COV-2 e da covid-19, bem como as regras de funcionamento dos serviços públicos e privados, dos equipamentos sociais e outras atividades, durante a vigência da atuação da situação de Calamidade Pública.

22h00 - Brasil regista mais 525 mortes e ultrapassa 21,6 milhões de casos

O Brasil registou 14.288 novos casos de coronavírus e 525 mortes nas últimas 24 horas, informou o Ministério da Saúde brasileiro esta quinta-feira. 

O país ultrapassou assim a barreira de 21,6 milhões de casos de covid-19 (21.612.237) e de 602 mil mortos (602.099), mantendo a tendência de queda nos vários indicadores da pandemia, segundo dados oficiais.

21h00 - EUA doam  3,6 milhões de doses da vacina Pfizer à Nigéria

Os Estados Unidos doaram 3,6 milhões de doses da vacina Pfizer / BioNTech contra a Covid-19 à Nigéria, avançou uma estação de televisão em Abuja, acrescentando que o carregamento chegou na capital do país esta quinta-feira.

20h30 - Consultores da FDA aprovam reforço da Moderna 

A comissão de consultores especializados da "Food and Drug Administration", nos Estados Unidos, votou unânime a favor da recomendação do reforço da vacina da Moderna para os americanos a partir dos 65 anos e também para os que têm alto risco de doença grave. A votação para apoiar o reforço da Moderna foi de 19-0.

O painel de especialistas votou ainda para recomendar a autorização de uma terceira inoculação para pessoas com idades entre os 18 e os 64 anos, que estão em risco frequente de exposição a infecções por coronavírus devido ao trabalho.

O reforço da Moderna contém 50 microgramas de vacina, metade da força da dose normal, mas mais alta do que a injeção Pfizer / BioNTech, que é de 30 microgramas. As injeções seriam administradas pelo menos seis meses após a inoculação das duas doses.

Se a FDA aprovar o reforço da vacina Moderna, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA fará recomendações específicas sobre quem deve tomar a vacina.

A Comissão Consultiva de Vacinas e Produtos Biológicos da FDA vai também reunir-se esta sexta-feira para avaliar se emite uma recomendação semelhante para a vacina da Johnson & Johnson.

20h30 - Maiores de 65 anos já começaram a receber a terceira dose da vacina 

20h10 - Partidos coincidem no diagnóstico de solidão agravada durante pandemia
Os partidos coincidiram no diagnóstico que a solidão constitui um problema social agravado pela pandemia de Covid-19, durante o debate de um projeto de resolução do PAN.

A iniciativa debatida na Assembleia da República - que não tem força de lei - recomenda ao Governo que desenvolva e implemente uma estratégia integrada de combate à solidão, enquanto eixo estratégico de saúde pública, e que garanta a realização de estudos sobre o seu impacto em áreas como a saúde, a economia e a segurança.

Na apresentação do projeto de resolução, a deputada do PAN Inês Sousa Real adiantou que, segundo dados da Direção-Geral da Saúde, em Portugal 20,4% de mulheres e 7,3% de homens acima dos 50 anos sofrem de solidão, um fenómeno que tende a agravar-se com a idade.

"Importa assegurar uma estratégia nacional de combate à solidão, transversal a vários ministérios e convocando também a academia, a sociedade civil e especialistas" para este objetivo, defendeu a porta-voz do partido, ao salientar que este é um fenómeno "transversal a todas as idades, a todas as regiões e a todos os géneros.

19h50 - Vinte e cinco novos casos em Cabo Verde

Cabo Verde registou mais 25 novos infetados nas últimas 24 horas e 42 pessoas foram dadas como recuperadas da infeção, segundo informações divulgadas pelo Ministério da Saúde.

De um total de 494 resultados recebidos dos laboratórios, o ministério cabo-verdiano avançou que há 25 novos casos positivos de infeção, representando uma taxa de positividade de 5,1%.

Os novos casos foram reportados na Praia (quatro), São Domingos (dois), São Salvador do Mundo, Tarrafal, São Miguel e Santa Cruz, com um cada, todos na ilha de Santiago, enquanto São Vicente somou 12, há dois em Ribeira Brava de São Nicolau e um em Mosteiros, no Fogo.

Nas últimas 24 horas não houve mortes provocadas pela doença no país e mais 42 pessoas tiveram alta, elevando para 37.187 os casos considerados recuperados da infeção.

18h50 - Dez novos casos na Madeira

Foram registados 10 novos casos de Covid-19 na Madeira e 10 recuperações, mantendo o total de infeções ativas em 78, indicou a Direção Regional de Saúde. Neste momento, estão hospitalizadas 10 pessoas.

Entre os novos positivos, um foi importado dos Países Baixos e nove são de transmissão local, sendo que o arquipélago passa a contabilizar 11.859 casos confirmados de infeção por SARS-CoV-2 desde o início da pandemia, já com 11.706 recuperados.

A Madeira regista também um total de 75 óbitos associados à doença.

Os dados da autoridade regional diferem dos apresentados hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS), que atribui à Madeira 12 novos casos, num total de 12.419 infeções desde março de 2020 e 72 óbitos.

18h40 - Madeira altera situação de calamidade para situação de alerta

O Governo da Madeira alterou a situação de calamidade na região autónoma para situação de alerta, abolindo algumas restrições impostas devido à pandemia de Covid-19, como o recolher obrigatório.

"A presente resolução produz efeitos às 00:00 do dia 15 de outubro de 2021", é referido em comunicado divulgado após reunião semanal do Conselho do Governo Regional.

O executivo liderado pelo social-democrata Miguel Albuquerque indica que se mantém em vigor a apresentação de teste negativo para Covid-19 ou certificado de vacinação para cada viajante que desembarque nos aeroportos, portos e marinas da Região Autónoma da Madeira.

A decisão do Governo surge após o anúncio feito por Albuquerque, no decurso das últimas duas semanas, do aligeiramento e abolição de várias medidas restritivas a partir de sexta-feira, como o fim do recolher obrigatório (entre as 02:00 e as 05:00) e do horário de encerramento dos estabelecimentos (às 01:00), a reabertura das discotecas e o uso obrigatório de máscara na rua.

18h00 - Casos estão a diminuir nos Estados Unidos 

O presidente dos Estados Unidos anunciou que o número de casos está a diminuir em 19 Estados. Joe Biden afirmou ainda que estão por vacinar 66 milhões de pessoas nos Estados Unidos. A taxa de vacinação nos Estados Unidos tesubuiu mais de 20 pontos percentuais, muito por causa de as empresas exigirem prova de vacinação aos seus funcionários.

Esta quinta-feira, mais uma empresa, a Verizon Communications, anunciou que cerca de 30.000 funcionários não sindicalizados devem fazer prova de vacinação contra a Covid-19 até 8 de dezembro.

A empresa está em discussões com seus sindicatos sobre a exigência de vacinação. A Verizon disse que os funcionários no comércio e outros funcionários devem ser vacinados até 1 de fevereiro. Os funcionários sob contrato, os vendedores e os  visitantes às instalações da Verizon nos EUA devem ser totalmente vacinados até 1 de janeiro.

17h30 - FDA enviar "molnupiravir" para comissão externa

A "Food and Drug Administration" (FDA) vai enviar o medicamento antiviral "molnupiravir", da farmacêutica Merck & Co, para um painel de consultores externos, avançou a agência Bloomberg.

A comissão consultiva vai avaliar as questões de segurança, que foram levantadas por alguns especialistas, bem como a eficácia do medicamento, antes de o organismo norte-americano tomar uma decisão sobre a autorização do mesmo, a 30 de novembro.

17h15 - Angola. Mortalidade por tuberculose deve aumentar 20% em 2021 devido à pandemia

Angola está entre os 16 países do mundo com maior impacto da Covid-19 sobre a tuberculose, estimando-se que a mortalidade possa aumentar até 20% em 2021, face ao ano passado, refere um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Segundo o Relatório Global da Tuberculose, em 2020 morreram mais pessoas com a doença infecciosa do que no ano anterior.

"Aproximadamente 1,5 milhões de pessoas morreram de tuberculose", com aumento do número de mortes "sobretudo nos 30 países" com índices mais elevados de tuberculose, entre os quais Angola, Brasil, China, Índia, Indonésia, Moçambique, Nigéria ou África do Sul.

Simultaneamente, acrescenta a OMS, "muito menos pessoas foram diagnosticadas" com a doença - de 7,1 milhões em 2019 para 5,8 milhões em 2020 -, tendo o número de pessoas com acesso a tratamento preventivo baixado 21% em relação a 2019.

17h10 - Moçambique regista 15 casos e sem mortes há três dias
Moçambique registou mais 15 casos de coronavírus nas últimas 24 horas, mas sem registo de mortes pelo terceiro dia consecutivo, anunciou o Ministério da Saúde.

Moçambique mantém-se com 1.924 óbitos associados à Covid-19 e eleva o total acumulado de casos para 151.061, dos quais 98% recuperados da doença e 11 internados, referiu o ministério em comunicado.

Segundo o documento, o país tem 1.067 casos ativos, de um total de 922.793 casos suspeitos testados, dos quais 1.490 nas últimas 24 horas.

17h08 - OMS. Só uma em sete infeções é detetada em África

Apenas 14,2% das infeções por covid-19 são detetadas em África, revelou hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS), que apresentou um novo programa que visa testar mais de sete milhões de pessoas no próximo ano.

"Uma nova avaliação da Organização Mundial de Saúde mostra que apenas 14,2% - uma em cada sete - infeções por covid-19 são detetadas em África", informa em comunicado a delegação da OMS para o continente africano, com sede na República Popular do Congo.

Assim, seis em cada sete casos de infeção pela doença "passam despercebidos", sublinha.

Porque, até agora, a deteção da covid-19 naquele continente "tem-se concentrado nas pessoas que se apresentam com sintomas nas instalações de saúde, para além dos testes de chegada e partida de viajantes internacionais, levando a uma subnotificação em grande escala", explica a OMS na nota divulgada hoje.

Para “inverter esta tendência e travar a transmissão", a delegação regional da OMS para África anunciou, também hoje, uma nova iniciativa para melhorar o rastreio da doença em oito países, entre os quais dois lusófonos, Guiné-Bissau e Moçambique.

16h37 - Reino Unido regista maior número de casos num só dia desde julho

O Reino Unido registou 45.066 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, o valor mais alto desde julho, e 157 mortes, de acordo com os dados oficiais atualizados hoje.

Na terça-feira, o Reino Unido tinha registado 136 mortes e 42.776 casos.

Nos últimos sete dias, entre 08 e 14 de outubro, a média diária foi de 118 mortes e 39.696 casos, o que corresponde a uma subida de 9% no número de mortes e de 13% no número de infeções relativamente aos sete dias anteriores.

Desde o início da pandemia, foram notificados 138.237 óbitos de covid-19.

A média diária de hospitalizações foi de 775 entre 04 e 10 de outubro, uma subida de 5,8% face aos sete dias anteriores.

Nas passadas 24 horas foram administradas 68.207 vacinas no país.

Até agora, 85,7% da população com mais de 12 anos foi imunizada com uma primeira dose e 78,7% tem a vacinação completa.

16h18 - Regulador europeu avalia medicamento da AstraZeneca para prevenir infeções

A Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês) anunciou hoje o início do processo de avaliação contínua de uma combinação de dois anticorpos desenvolvidos pela farmacêutica AstraZeneca para prevenir a covid-19 em adultos.

Este procedimento de revisão contínua é utilizado pela EMA para acelerar a avaliação de um novo medicamento em situações de emergência de saúde pública, tendo já sido usado para a aprovação das vacinas contra o vírus SARS-CoV-2 na União Europeia.

"O Comité de Medicamentos Humanos da EMA (CHMP) deu início a uma revisão contínua do Evusheld, uma combinação de dois anticorpos monoclonais - tixagevimabe e cilgavimabe -, que está a ser desenvolvida pela AstraZeneca AB para a prevenção de covid-19 em adultos", informou o regulador europeu.

Em comunicado, a EMA adiantou ainda que esta decisão dos especialistas do CHMP de iniciar a avaliação contínua é baseada nos resultados preliminares dos estudos clínicos, que sugerem que o medicamento pode ajudar a proteger contra a doença provocada pelo coronavírus.

"A EMA começou a avaliar dados de estudos laboratoriais e em animais", avançou a agência europeia com sede em Amesterdão, que vai analisar também novas informações da farmacêutica sobre a qualidade, a segurança e a eficácia do Evusheld assim que estiverem disponíveis.

"Embora a EMA não possa prever os cronogramas gerais, [esta análise] deve levar menos tempo do que o normal devido ao trabalho realizado durante a revisão contínua", referiu.

Os anticorpos tixagevimab e o cilgavimab foram concebidos para se ligarem à proteína `spike´ do SARS-CoV-2, com o objetivo de impedir que o vírus entre nas células do corpo e cause a infeção.

15h47 - Casos de infeção na Polónia atingem novo máximo desde maio

A Polónia registou 3.000 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, o maior número desde 16 de maio, e 60 mortes, disse o Ministério da Saúde, que hoje anunciou planos para ampliar a capacidade dos hospitais.

Os novos casos de infeção implicam um aumento de 50% face à semana passada, e o número de mortes constitui mais do dobro face a 07 de outubro.

Atualmente estão internados 2.796 doentes com covid-19, com 248 em unidades de cuidados intensivos, números 30% superiores aos da semana passada.

O porta-voz do ministério da Saúde, Wojciech Andrusiewicz, afirmou que atualmente estão em funcionamento por todo o país 14 hospitais provisórios equipados para o tratamento de doentes com covid-19, e que está planeado um outro hospital para a região da Grande Polónia, onde se situa a capital Varsóvia.

Andrusiewicz também anunciou que o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, se reúne na sexta-feira com representantes dos governos regionais para acolher os seus pedidos e informá-los sobre possíveis alterações às restrições.

"Após estas conversações, aguardamos uma aplicação mais estreita da norma de usar máscara, pois não apenas a polícia, mas também as autoridades locais e regionais, podem fazê-la cumprir", disse Andrusiewicz.

15h07 - Mais seis mortes e 777 casos confirmados em Portugal

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 777 casos de Covid-19 e seis mortes associadas à doença.

Estão hoje internados 321 doentes em enfermaria (menos 14 do que no dia anterior) e 56 em unidades de cuidados intensivos (mais dois do que na véspera).

Do total de novos casos, 262 foram registados em Lisboa e Vale do Tejo, 179 na região centro, 178 no norte, 93 no Alentejo e 34 no Algarve. Foram ainda confirmadas mais 19 infeções nos Açores e 12 na Madeira.

Os óbitos foram registados na região centro (dois), Lisboa e Vale do Tejo (três) e no Alentejo (um). Quatro das vítimas mortais tinham mais de 80 anos e duas entre os 70 e os 79 anos.

Há ainda a reportar mais 728 recuperados da doença, para um total de 1.029.815. O boletim dá ainda conta de mais 43 casos ativos e menos 99 contactos em vigilância.

Desde que foi identificado o primeiro caso de Covid-19 em Portugal, já foram confirmadas 1.077.963 infeções e 18.071 mortes associadas à doença.

14h10 - Açores com 28 novos casos e nove recuperações nas últimas 24 horas

Os Açores diagnosticaram, nas últimas 24 horas, 28 novos casos de covid-19, sendo 20 em São Miguel, cinco em Santa Maria, dois no Faial e um na Terceira, e nove recuperações, informa hoje a Autoridade de Saúde.

13h46 - Covid-19 faz aumentar mortes por tuberculose

As mortes por tuberculose aumentaram “pela primeira vez em mais de uma década”, na sequência da resposta global contra a covid-19, que “fez retroceder anos de progressos”, constata a Organização Mundial da Saúde (OMS). De acordo com o mais recente Relatório Global da Tuberculose, que será apresentado hoje pela OMS, em 2020 morreram mais pessoas com a doença infecciosa do que no ano anterior.

“Aproximadamente 1,5 milhões de pessoas morreram de tuberculose” no ano passado, “incluindo 214 mil pessoas seropositivas”, um dos grupos de maior risco, conclui a OMS, receando que o número de infetados e mortos com tuberculose “possa ser muito mais elevado em 2021 e 2022”.

O aumento do número de mortes aconteceu “sobretudo nos 30 países” com índices mais elevados de tuberculose, entre os quais Angola, Brasil, China, Índia, Indonésia, Moçambique, Nigéria ou África do Sul. Simultaneamente, acrescenta a OMS, “muito menos pessoas foram diagnosticadas” com a doença, baixando esse número de 7,1 milhões em 2019 para 5,8 milhões em 2020.

13h36 - Dose de reforço. Prioridade é vacinar idosos com mais de 80 anos

Começou a ser administrada hoje a dose de reforço da vacina contra a Covid-19 a pessoas com mais de 65 anos. Nestes primeiros dias, a prioridade são as faixas etárias acima dos 80.


13h29 - China alerta contra “manipulação política” na investigação da OMS

O Governo chinês alertou hoje contra o que designou de possível “manipulação política”, na nova fase da investigação realizada pela Organização Mundial da Saúde sobre a origem da covid-19, mas ressalvou que apoiará os esforços da agência.

Pequim é acusada de ter retido dados brutos sobre os primeiros casos, durante a visita de uma equipa de investigadores da OMS, em fevereiro passado. Desde então, a China resistiu aos apelos para uma investigação mais aprofundada e acusou os Estados Unidos e outros países de politizarem o assunto.

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Zhao Lijian, disse que o país “vai continuar a apoiar e participar do rastreamento científico global”, mas que se “opõe firmemente a qualquer forma de manipulação política”.

“Esperamos que todas as partes interessadas, incluindo o diretor da OMS e o grupo consultivo, mantenham uma atitude científica objetiva e responsável”, disse Zhao, em conferência de imprensa.

12h50 - Nova equipa da OMS pode ser "última oportunidade" para descobrir origem do coronavírus

Já passou mais de um ano e meio desde que o SARS-CoV-2 foi detetado pela primeira vez na cidade chinesa de Wuhan, mas a sua origem continua a ser uma incerteza. A nova equipa selecionada pela OMS vai retomar as investigações e perceber se, de facto, o novo coronavírus passou de animais para seres humanos nos mercados de Wuhan ou se se tratou de um acidente laboratorial.

A origem da Covid-19 começou a ser investigada em 2020 e no início deste ano foi revelado que a maior probabilidade seria de a doença ter surgido num animal. No entanto, um estudo paralelo, realizado nos Estados Unidos, apontou que o coronavírus poderá ter sido produzido num laboratório em Wuhan.

Desta forma, a OMS decidiu avançar com uma segunda fase do estudo sendo que alguns investigadores admitiram não lhes ter sido fornecida toda a informação necessária. Por sua vez, a China considerou que a OMS devia abrir o leque e investigar outros países, uma vez que um estudo demonstrou que já existiam casos da doença a circular no EUA antes de dezembro de 2019.

Para o diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, esta pode ser a "última oportunidade de entender as origens deste vírus".

Leia o artigo completo aqui.

12h30 - Pandemia já matou mais de 4,87 milhões de pessoas em todo o mundo

A pandemia de covid-19 matou, até hoje, pelo menos 4.870.405 pessoas no mundo desde o final de dezembro de 2019, segundo um balanço realizado pela agência de notícias francesa AFP com base em fontes oficiais.

Mais de 239.058.470 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados desde o início da pandemia.

Na quarta-feira, foram registadas 8.666 mortes e 459.785 novos casos em todo o mundo.

Os países que registaram o maior número de mortes nos seus levantamentos mais recentes são os Estados Unidos da América com 3.108 novas mortes, Rússia (986) e México (420).

Os Estados Unidos são o país mais afetado em termos de mortes e casos, com 719.530 mortes para 44.683.145 casos, segundo o levantamento mais recente realizado pela Universidade Johns Hopkins.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil com 601.574 mortes e 21.597.949 casos, a Índia com 451.435 mortes (34.020.730 casos), o México com 283.193 mortes (3.738.749 casos) e a Rússia com 220.315 mortos (7.892.980 casos).

11h55 - Madeira passa a ser considerada de “risco baixo” no mapa sobre viagens na UE

A Madeira passou à categoria verde, de risco baixo para covid-19, no mapa do Centro Europeu para Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), que suporta decisões sobre viagens na União Europeia (UE), com continente e Açores no laranja.

A categoria verde é a melhor da situação epidemiológica do mapa do ECDC, que combina as taxas de notificação de casos de covid-19 nos últimos 14 dias, o número de testes realizados e o total de positivos, que são atualizados semanalmente, à quinta-feira.

Na atualização de hoje, o arquipélago da Madeira regista uma melhoria, ao passar a ser considerado de risco baixo, que é referente a territórios com menos de 50 novos casos e taxa de positividade inferior a 4%, ou menos de 75 casos, mas com taxa de positividade inferior a 1%.

Já Portugal continental e os Açores são consideradas de risco moderado (a laranja), referente a locais onde a taxa de notificação de novas infeções é de 50 a 75 por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias e a taxa de positividade dos testes é de 1% ou entre 75 e 200 novos infetados por 100 mil habitantes e a taxa de positividade dos testes de 4% ou mais.

10h11 - Rússia regista novo recorde diário de mortes e novos casos

A Rússia continua a registar novos recordes diários de mortes e casos de Covid-19. Nas últimas 24 horas, o país registou 986 mortes e 31.299 novos casos, os números mais altos desde o início da pandemia. 

9h52 - Novo ano letivo não trouxe aumento de casos de Covid-19

Um mês passado desde o início às aulas, as taxas de incidência de Covid-19 na população estudante continuam na trajetória descendente que já se verificava em agosto.


9h44 - Bali reabre para turistas de 19 países, incluindo Portugal

A ilha indonésia de Bali reabriu hoje para turistas estrangeiros de 19 países, incluindo Portugal. É a primeira vez em mais de um ano devido à pandemia do novo coronavírus, mas algumas restrições mantêm-se.

Todos os passageiros de voos internacionais devem apresentar prova da vacinação completa contra o novo coronavírus ou teste negativo para o SARS-CoV-2 na chegada à Bali e passar por uma quarentena de cinco dias em hotéis designados pelas autoridades e por conta dos visitantes.

Os visitantes também terão que seguir regras rígidas em hotéis, restaurantes e praias.

08h36 - Quarta vaga. Número de novos casos na Hungria ultrapassa os 1.000 pela primera vez

A Hungria registou mais 1.141 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas. É a primeira vez que ultrapassa a marca dos 1.000 casos desde o início da quarta vaga da pandemia no país.

07h57 - Índia com 34.02 milhóes de casos de Covid registados e 451.435 vítimas mortais

07h48 - China deteta um caso local e vinte importados nas últimas 24 horas

07h34 - OS EUA vão enviar 2.4 milhões de doses da vacina para a Covid-19 para o Paquistão

Mais nove mortes e 828 casos confirmados em Portugal

No último relatório da Covid para Portugal, forma reportadas mais 828 infeções por Covid-19 e nove mortes associadas à doença.

Estavam internados em enfermaria 335 doentes (menos dez do que no dia anterior) e 54 em unidades de cuidados intensivos (menos dois do que na véspera).

O boletim reporta ainda mais 622 recuperações, para um total de 1.029.087.

Do total de novos casos, 310 foram registados em Lisboa e Vale do Tejo, 236 na região norte, 167 no centro, 60 no Algarve e 50 no Alentejo. Foram ainda reportadas mais dez infeções nos Açores.

Os óbitos foram registados na região norte (um), centro (um), Lisboa e Vale do Tejo (dois), Alentejo (dois), Algarve (dois) e nos Açores (um). Quatro das vítimas mortais tinham mais de 80 anos, três entre os 70 e os 79 anos, uma entre os 60 e os 60 e uma entre os 40 e os 49 anos.

Há ainda mais 197 casos ativos e menos 821 contactos em vigilância.

Desde que foi identificado o primeiro caso de Covid-19 em Portugal, já foram confirmadas 1.077.186 infeções e 18.065 mortes associadas à doença.

Brasil regista 176 óbitos e atinge 100 milhões de vacinados

O Brasil registou hoje 176 óbitos devido à covid-19 e atingiu a menor média diária de mortes (316) desde abril de 2020, num momento em que 100 milhões de brasileiros estão totalmente vacinados contra a doença.

"100 milhões de brasileiros estão completamente vacinados contra a covid-19. É isso mesmo! (...) O número corresponde a 62,5% do público-alvo imunizado com as duas doses da vacina ou com o imunizante de dose única. Mais uma marca importante para a nossa Campanha Nacional de Vacinação", anunciou o Ministério da Saúde brasileiro na rede social Twitter.

Taxa de vacinação sobe nos Estados Unidos

A taxa de vacinação contra a Covid-19 subiu mais de 20 pontos percentuais nos Estados Unidos, após várias instituições terem feito da vacina um requisito essencial para manterem funções.

Os números de casos e de vítimas mortais estão a descer, revelou a Casa Branca.